Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

O hermeneuta e o VAR



Montagem de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A despeito de todo o aparato tecnológico que permite a revisão detalhada de cada lance em jogos de futebol, as decisões do árbitro de vídeo, mais conhecido como VAR (do inglês ´Video Assistant Referee´) ainda são muito contestadas, gerando talvez ainda mais polêmica do que antes da implementação do sistema.

Para resolver a questão, o futebol brasileiro teve uma ideia brilhante: contratar um jurista de notório saber. Alguém cuja interpretação das normas e tipificação das condutas estariam imunes a qualquer discussão. Naquele momento, ninguém era mais qualificado do que Dr. Platão Socrático, eminente catedrático, contratado a peso de ouro para trazer paz ao esporte bretão.

Já no início do jogo de sua estreia, algo chama a atenção do hermeneuta: um jogador encurralado faz a bola explodir nas pernas do adversário e sair pela linha de fundo, obtendo tiro de meta para o seu time. A prática muito comum não escapou ao criterioso arbítrio do nosso VAR, que sugere a revisão do lance ao juiz de campo.

Este contesta:

- Mas, pela regra, o VAR sequer pode ser aplicado nesse tipo de lance!

O Dr. Platão Socrático ri do que acaba de escutar, engajando-se, de imediato, em sua tese:

- Em preliminar, é preciso considerar que as regras do futebol estão inseridas em um contexto normativo, assim como se subordinam a princípios e valores e seus respectivos vieses deontológicos e axiológicos. Inobstante, a Constituição Federal, lei das leis, estabelece que ´a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito´ (art. 5º, XXXVI), o que, por interpretação sistemática e analógica aplica-se à relação auto poética em debate...

A análise prossegue por vários minutos, mas ninguém tem coragem de interromper o doutor que parece estar em um prazeroso transe jurídico, enquanto discorre sobre subsunção do caso concreto às normas abstratas.

A partir de um dado momento, a organização do evento manda o jogo prosseguir. À imprensa e aos torcedores é dito que o VAR está com “problemas técnicos”.

As luzes do estádio já estão apagadas quando o árbitro de vídeo conclui seu raciocínio. Este, em resumo, é para cancelar o tiro de meta e marcar escanteio para o outro time, pois o defensor, maliciosamente, chutara a bola nas pernas do outro jogador, sendo injusto que se beneficiasse da própria torpeza.

A partir desse incidente, o VAR volta para as mãos dos árbitros de futebol, por serem considerados o menor dos males.

E Doutor Platão Socrático jamais consegue digerir tamanho desaforo. Ao saber que ao público se lhe haviam atribuído problemas técnicos, redargue com indignação:

- Problemas técnicos?! Problemas técnicos?! Vou lhes dizer o que é um problema técnico: confundir celeridade com qualidade. Isso, sim, é um grande problema técnico!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Mais babados no STF

 

Mais babados no STF

“E então, chega ela: diva, poderosa, maravilhosa Rosa Weber! Ela é assim, não dá ´spoiler´! Quem quiser saber o voto dela tem que aguardar até o fim e só descobre quando ela fecha com o final ´golden key´!”

Google Imagens

Babados do STF

 

Babados do STF

“Vamos começar pelo bafão do momento: depois de quase morrer pela manhã, com a pressão arterial alterada, o ministro Marco Aurélio conseguiu reunir forças para comparecer à sessão e criticar a Procuradoria Geral da República, a Advocacia Geral da União, os ministros Toffoli, Gilmar e Fux. Quase conseguiu criticar a unanimidade do Plenário”.

Charge de Gerson Kauer

Dia do Pendura

 

Dia do Pendura

Os contrastes entre o conservadorismo da OAB e a sua capacidade de fazer uma superprodução. Em meio a ´gogo boys´ e ´strippers´, um convite informal e insinuante: “Hoje é o Dia do Pendura. Aproveite, doutor; pendure o seu casaco, e entre na festa”.