Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 13 de setembro de 2019.

Herdeiro da OAS morre após infarto em audiência da Lava-Jato



Herdeiro da empreiteira OAS, o empresário Cesar Mata Pires Filho, de 40 anos, morreu na quarta-feira (24), dezesseis dias após ter sofrido um infarto enquanto prestava depoimento em uma audiência no âmbito da Operação Lava-Jato, em Curitiba. O pai dele, Cesar Mata Pires, um dos fundadores da empresa, também morreu após sofrer um infarto, em agosto de 2017.

A causa oficial da morte de Cesar Mata Pires Filho não foi informada pelo hospital. Ele completaria 41 anos em setembro e estava internado desde o dia 8 de julho.

Durante o depoimento, o juiz Luiz Antonio Bonat - que substituiu Sergio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba – acionou a equipe médica da Justiça Federal. Em seguida, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) cuidou da transferência do empresário para uma unidade de saúde.

No dia seguinte à chegada ao Hospital Santa Cruz, em Curitiba, Cesar foi submetido a uma cirurgia para implantação de dois ´stents´ - endopróteses usadas para desobstruir artérias. A operação foi bem-sucedida e o quadro do empresário foi considerado estável após o procedimento. A situação dele piorou nos últimos dias.

Cesar era acusado de corrupção na construção de um prédio da Petrobras em Salvador. A defesa alegava a inexistência de provas de que o empresário tivesse cometido crimes no caso. A Lava-Jato chegou a apreender diversos bens de luxo do empresário, como cinco relógios Rolex e dois veículos Porsche Cayenne. Quando ele foi preso pela operação, a fiança custou R$ 29 milhões.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Professora condenada por falsidade ideológica

Ela tentou se passar por irmã falecida, com o objetivo de migrar para a Itália, pais de onde já havia sido deportada. Foi flagrada quando se apresentou na Polícia Federal para receber o passaporte.

Empresário de Gramado condenado por sonegação fiscal

Dono de conhecido café colonial suprimiu, de janeiro de 2000 a dezembro de 2004, parte das receitas do estabelecimento, para suprimir pagamento do Imposto de Renda Pessoa Jurídica. A dívida é de R$ 4,2 milhões, que a sentença considerou como “grave dano à coletividade”.

Foto Jornal NH

   Um crime que entra para o rol das tartarugas processuais

 

Um crime que entra para o rol das tartarugas processuais

Assassinato do escrivão judicial Paulo César Ruschel (foto), da comarca de Novo Hamburgo (RS), completará 13 anos e o júri da acusada sequer foi agendado. Ação penal aguarda desde julho de 2017, no TJRS, o julgamento do recurso em sentido estrito. Mãe da vítima vai completar, breve, 100 anos, mas tem esperanças: “Não morro enquanto não ver esse julgamento”.

Armas defeituosas e perigosas

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal recebe a denúncia feita pelo Ministério Público contra três diretores, um gerente de vendas, um representante comercial e uma advogada da fabricante de armas Forjas Taurus. O negócio concretizado em 2014 envolveu o fornecimento de 850 pistolas e munições, pelo valor de R$ 1.645.475.