Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

Herdeiro da OAS morre após infarto em audiência da Lava-Jato



Herdeiro da empreiteira OAS, o empresário Cesar Mata Pires Filho, de 40 anos, morreu na quarta-feira (24), dezesseis dias após ter sofrido um infarto enquanto prestava depoimento em uma audiência no âmbito da Operação Lava-Jato, em Curitiba. O pai dele, Cesar Mata Pires, um dos fundadores da empresa, também morreu após sofrer um infarto, em agosto de 2017.

A causa oficial da morte de Cesar Mata Pires Filho não foi informada pelo hospital. Ele completaria 41 anos em setembro e estava internado desde o dia 8 de julho.

Durante o depoimento, o juiz Luiz Antonio Bonat - que substituiu Sergio Moro, na 13ª Vara Federal de Curitiba – acionou a equipe médica da Justiça Federal. Em seguida, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) cuidou da transferência do empresário para uma unidade de saúde.

No dia seguinte à chegada ao Hospital Santa Cruz, em Curitiba, Cesar foi submetido a uma cirurgia para implantação de dois ´stents´ - endopróteses usadas para desobstruir artérias. A operação foi bem-sucedida e o quadro do empresário foi considerado estável após o procedimento. A situação dele piorou nos últimos dias.

Cesar era acusado de corrupção na construção de um prédio da Petrobras em Salvador. A defesa alegava a inexistência de provas de que o empresário tivesse cometido crimes no caso. A Lava-Jato chegou a apreender diversos bens de luxo do empresário, como cinco relógios Rolex e dois veículos Porsche Cayenne. Quando ele foi preso pela operação, a fiança custou R$ 29 milhões.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Negado recurso de Lula que questionava legalidade de provas

A defesa queria a nulidade do material entregue ao MPF por autoridades suíças. A alegação – rechaçada pelo TRF-4 - foi de que “houve vícios nos procedimentos de cooperação internacional para a transmissão das provas”.

Acórdão com 80 laudas descreve o roteiro das fraudes com os alvarás

O servidor Gilmar Antônio Camargo de Oliveira – que chegou a estar preso preventivamente e, após, foi exonerado, contou que “no Juizado Especial Cível onde trabalhava estava uma confusão no arquivo”. O computador dele possuía um mecanismo para despachos avulsos, os quais não eram introduzidos no sistema. Três advogados foram peças essenciais ao plano delitivo. Dois deles são casados entre si.

Cadeia para advogado condenado por abusar sexualmente de duas crianças

Crimes ocorreram durante mais de dez anos. Cinco dias depois da decisão (6x5) do STF de permitir a prisão de criminosos só após o trânsito em julgado, o TJ de Santa Catarina decide na linha dos reclamos da sociedade. Ao estabelecer pena de 38 anos e 9 meses, na própria sessão de julgamento a 3ª Turma Criminal determinou a prisão preventiva do abusador, que tem 48 de idade. Ele já está preso.