Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/fechamento.jpg

Ações de representantes autônomos são de competência da Justiça do Trabalho



· Relações de trabalho

Cabe à Justiça do Trabalho julgar reclamatória de representante comercial autônomo contra uma distribuidora de autopeças. A decisão é da 7ª Turma do TST, ao definir que “a discussão diz respeito ao trabalho prestado por pessoa física, e não à lide de natureza civil entre pessoas jurídicas”. Segundo o relator, ministro Cláudio Brandão, “desde a Emenda Constitucional nº 45/2004, a Justiça do Trabalho passou a tratar de todas as relações de trabalho entre pessoas físicas, e não apenas processos decorrentes do vínculo de emprego”.

No recente caso julgado, o representante Rogério Cálamo requereu o pagamento de parcelas do contrato civil firmado com a empresa FW Distribuidora. Ele bisca a indenização prevista na Lei de Representação Comercial (nº 4.886/1965), reparação por danos morais e a devolução dos descontos indevidos. O TRT da 15ª Região (Campinas-SP) manteve sentença em que a Justiça do Trabalho foi considerada incompetente, sob o entendimento de que “representante e empresa são pessoas jurídicas, assim, a relação de contrato de representação comercial é de natureza civil”.

O TST reconheceu que o empresário individual prestava serviços na condição de autônomo, o que não o transmuta em pessoa jurídica e também não afasta seu direito de ter a demanda julgada pela Justiça do Trabalho. A empresa já interpôs recurso extraordinário ao STF. (Proc. nº 1423-08.2010.5.15.0129).

· Paternidade, não. Dinheiro sim!

A desistência de ação investigatória de paternidade, com promessa de receber recompensa financeira, “afronta direitos de personalidade, assim como impede a busca pela identidade genética e ancestralidade”. Nesta linha decisória, a 8ª Câmara Cível do TJRS desconstituiu sentença que homologou um acordo de desistência de investigação de paternidade.

Segundo o julgado, “a autora, pessoa pobre, tomou a decisão pela necessidade do ganho financeiro”.

No caso concreto, a autora foi entregue, logo após o nascimento, a outra família, que a registrou como filha. Após a morte dos pais adotivos, a mulher, já adulta, ajuizou ação de investigação de paternidade e maternidade, cumulada com anulação de registro civil, em face do casal réu. Marido e mulher seriam seus pais biológicos.

Apesar de os réus terem concordado em fazer o teste de DNA, tal exame não foi feito ao longo dos vários anos em que se arrastou a instrução processual, na comarca de Guarani das Missões (RS). A suposta mãe acabou morreu no transcurso da ação, iniciada em fevereiro de 2014.

Após esse fato, a autora e o suposto pai apresentaram petição de acordo, requerendo a extinção do processo. Ela desistiu da ação investigatória em troca do pagamento de R$ 10 mil, a título de auxílio financeiro, a ser pago no ato da homologação do acordo, homologado pela juíza Greice Moreira Pinz (Proc. nº 70080053945).

· Vínculo empregatício

A 11ª Turma do TRT da 3ª Região (MG) reconheceu o vínculo empregatício de um motorista da Uber. O acórdão é do dia 17 de julho.
Prevaleceu entendimento da juíza convocada Ana Maria Espi Cavalcanti, que determinou o retorno dos autos à origem para nova
sentença.

O julgado afirmou tratar-se de “trabalho remunerado, na medida em que o motorista recebe semanalmente pela produção, descontados a participação e os valores recebidos em moeda”. (Proc. nº 0010806-62.2017.5.03.0011).

· Procuram-se credores

A Justiça do Trabalho de Farroupilha (RS) tenta localizar cerca de 1.275 trabalhadores habilitados a receber valores referentes a uma ação coletiva ajuizada em 2010. O valor total da dívida já foi pago pela empresa reclamada (Avícola Carrier) e se encontra sob depósito judicial.

Caso os trabalhadores não se manifestem até 90 dias após a veiculação da notícia no saite do TRT da 4ª Região, o saldo remanescente no processo será doado a entidades assistenciais da região. O prazo encerra no dia 1º de novembro.

· Impunidade gera criminalidade

Na próxima segunda-feira (5), o desembargador federal Leandro Paulsen, da 8ª Turma do TRF-4, fará palestra sobre Direito Penal no fórum “Mais Segurança – A impunidade gera criminalidade”, promovido pela Associação do Ministério Público do RS e pela ONG Brasil Sem Grades.

O evento, com inscrições gratuitas (até dia 1º) ocorrerá no Palácio do Ministério Público, em Porto Alegre (Praça Marechal Deodoro, n° 110, Centro Histórico - Porto Alegre), começando às 8h30.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Bacharel formado em 1982 não precisa prestar Exame de Ordem

· Limite de isenção para compras no exterior vai dobrar para US$ 1.000.
· Antecipação de tutela obriga Flamengo a pagar R$ 10 mil mensais às famílias de 13 jovens jogadores que morreram e ficaram feridos no incêndio do Ninho do Urubu.
· Preso perito judicial que fraudava laudos contábeis.
· Possibilidade de mais compras no exterior sem tributação.

STJ edita nova súmula

•  Verbete nº 638 dispõe sobre a abusividade de cláusula em contratos bancários.

•  Prisão temporária de juiz baiano passa a ser preventiva.

•  Efeito 6 x 5 do STF solta o irmão de José Dirceu.

•  Rogério Mendelski deixa a Guaíba e ingressa na Band.

•  Recusa de retorno ao trabalho não afasta direito de gestante à estabilidade.

•  Lula pede no STF a anulação da condenação no TRF-4 pelo sítio de Atibaia.

•  Marcelo Odebrecht trabalho comunitário na Justiça Federal de São Paulo.

•  Palocci delata duas “ex-companheiras”.

Atraso de FGTS não é motivo para rescisão indireta do contrato

  TRT-4 entendeu que a ausência de depósitos não configura falta grave a ponto de tornar impossível a continuidade da relação de emprego.

  Defesa de Lula pedirá a anulação total da ação penal sobre o sítio de Atibaia. Petição de apelação tem 1.386 páginas.

  Mais de 1,2 milhão de mulheres sofreram violência entre 2010 e 2017.

  Cúmplice do ‘doleiro dos doleiros’ tinha tabela de propina a policiais.

 Mais agilidade na imigração de brasileiros que ingressam nos EUA.

  Morre Seabra Fagundes, presidente da OAB que sofreu atentado na ditadura.

Proibido o lançamento de livro sobre a vida de Suzane von Richthofen

  A publicação – que está pronta – tem o título “Suzane, assassina e manipuladora”. Conforme a decisão judicial “a obra não é de interesse público”.

  Editora Abril anuncia leilão para alienação judicial da marca Exame.

 Acidentes de trânsito no trajeto até o trabalho não são mais considerados acidentes de trabalho.

TJ do Paraná impede a locação por Airbnb em condomínio residencial

Conforme o acórdão, “a locação por curtíssimo prazo configura hospedagem comercial”.

Seguradora Chubb segue impedida de contratar com a Itaipu Binacional.

Farpas entre artistas: improcedência de ação de Kadu Moliterno contra Luana Piovani.