Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 13 de agosto de 2019.

Palmas para o promotor, que ele NÃO merece!...



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Palmas às vezes são inoportunas, mas não constituem desacato; os aplausos descontextualizados podem também, eventualmente, ser deselegantes, mas não configuram afronta, mesmo quando dirigidos a uma autoridade. A decisão é da 6ª Turma do STJ, em habeas corpus impetrado em favor de um advogado.

A precedente denúncia relatara que “o profissional da advocacia bateu repetidas palmas, e de forma irônica e sarcástica clamou ´Ele merece´, quando o promotor, no tribunal do júri, acusou um depoente de falso testemunho”.

Provocado pelo promotor, o juiz determinou a prisão em flagrante do advogado, por desacato. O advogado, por sua vez, inexitosamente dera voz de prisão ao promotor, afirmando que ele "exorbitou de suas funções ao me impedir de exercer a defesa do réu". O júri foi suspenso.

Foi instaurada ação penal contra o advogado no Juizado Especial Criminal, pelo crime de desacato. O TJ estadual negou habeas corpus ao profissional, cuja defesa renovou o pedido no STJ, sustentando "não haver justa causa para a persecução, pois a conduta foi atípica e não constitui desacato".

A impetração chegou a evocar Chacrinha, lembrando quatro de seus bordões: ´Eu vim para confundir, não para explicar´, ´Quem não se comunica se trumbica´, ´Vocês querem bacalhau?´ e especialmente ´Palmas ao fulano, que ele merece´.

O ministro relator concluiu que "os fatos narrados não levam à conclusão de que houve crime de desacato, sendo naturais ao calor da inquirição de uma testemunha em sessão plenária”.

Trancando a ação penal, o acórdão superior reconheceu que, “por vezes, em debates orais, as partes, no calor de seus patrocínios, exacerbam em suas palavras e atos, sem a intenção dolosa de agredir moralmente”.

Mas deixou uma sutil crítica: “Os desnecessários e longos aplausos praticados pelo advogado defensor foram apenas evidentemente deselegantes".


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!

Charge de Gerson Kauer

   Como um juiz se aposenta...

 

Como um juiz se aposenta...

O magistrado comandava uma audiência. De repente, teve vontade de esgoelar o advogado, botar a correr as partes, prender a testemunha mentirosa, e jogar tudo pela janela. Ainda bem que pediu aposentadoria. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.