Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Como bater metas do CNJ com três requisitos



Por Israel Berardi, advogado (OAB-RS nº 77.411)
berardiadvocacia@gmail.com

Não raras vezes o Conselho Nacional de Justiça, estabelece metas ao Poder Judiciário, a fim de que sejam julgados/baixados processos, no intuito de entregar à sociedade uma prestação jurisdicional célere e efetiva. Trata-se de tentativa de angariar a almejada meta de eliminar maior número de processos do que são ajuizados anualmente.

Ocorre que, infelizmente, cidadãos incumbidos desse mister de julgar, compreendem a meta erroneamente, apenas ‘tapando o sol com a peneira’.

Desse modo, eles estabelecem alguns critérios:

(1) Identificar demandas com objetos semelhantes;

(2) Criar um empecilho ao direito de ação;

(3) Fazer um modelo de decisão para que seja aplicada em bloco, sem analisar a causa especificamente.

O Juizado Especial Cível de Passo Fundo (RS) que, aparentemente não tem processos em gabinete para analisar, avocou diversos processos de ofício, que estavam pautados para audiência inicial conciliatória, movidos contra a Azul Linhas Aéreas. A avocação ocorreu sem qualquer manifestação da ré em tal sentido e as sentenças extinguiram diversos ações por suposta incompetência territorial, sob o fundamento de que as partes autoras não residem na Comarca de Passo Fundo.

Cabe ressaltar que os processos eram movidos por escritórios distintos.

Ocorre que no caso específico do autor a quem represento, no mesmo dia da extinção as partes já haviam formulado acordo para pôr fim à lide. É importante referir que o objeto da demanda era o cancelamento de um voo – o que ocorreu no momento do embarque - no aeroporto de Passo Fundo, cidade onde a companhia aérea também, tem sede, sucursal ou escritório.

Desse modo, o autor a quem represento opôs embargos declaratórios, questionando sobre a aplicação dos incisos I e III do artigo 4º da Lei nº 9.099/95, bem como, requerendo a homologação do acordo. E, naquela clássica decisão ‘tão velha quanto andar pra frente’, sem enfrentar os argumentos trazidos pela parte, o Juízo passo-fundense manteve a decisão, por entender não ser o caso de embargos de declaração.

Inobstante o entendimento acerca da competência relativa (que, ademais, se não arguida pelo réu pode ser fixada no local da propositura da ação), como o juízo não se manifestou a respeito do acordo formulado, o consumidor prejudicado opôs novos embargos de declaração, alegando omissão de sentença quanto à possibilidade de homologar o acordo.

Então, pasmem, foi aplicada multa de 2% pela interposição de embargos protelatórios e mais 5% por litigância de má-fé!

Primeiramente parece-me que a juíza prolatora (Rossana Gelain) sequer conhece o significado da palavra ´protelatório´ , pois qual o intuito do autor - que subscreveu um acordo para pôr fim à demanda - querer protelar o feito?!

A decisão, já atacada por recurso, beira o absurdo e possui o único intuito de obstar o amplo acesso à justiça e o direito de ação. De que adianta investimento milionário, capacitação de servidores, criar métodos alternativos para a solução de conflitos, incentivar as partes a conciliar, se no momento de homologar um acordo, ocorrem absurdos como esse!

Ainda que se entenda o intuito de dar vazão aos processos, a decisão da juíza, na prática, em nada contribui. Afinal, a magistrada diminuiu o número de processos em sua comarca, mas estará aumentando o da comarca vizinha, quando poderia ter extinto o processo por meio da homologação do acordo, e entregue às partes o direito pleiteado, constituindo assim a efetividade da prestação jurisdicional.

Ademais, aplicar multa no intuito de amedrontar os procuradores ou a parte autora é caso extremo, grave, deplorável e abusivo de juizite, com o que se espera providências da Corregedoria-Geral da Justiça e do Conselho da Magistratura do TJRS, pois é triste e desanimador ver atitudes como essa, que aqui registro e deploro.

>>>>>>>>>>
Em tempo (1) - No processo em que representamos o autor (nº 9005244-62.2019.8.21.0021) será interposto recurso inominado. Dois processos de outra colega têm decisões idênticas: são os de nºs 9005415-19.2019.8.21.0021, 9005486-21.2019.8.21.0021.

Em tempo (2) – Os operadores do Direito já sabem mas não custa repetir. Conforme dispõe a Lei nº 9.099/95 – Lei dos Juizados – onde foi ingressado com ação:

Art. 4º - É competente, para as causas previstas nesta Lei, o Juizado do foro:

I - do domicílio do réu ou, a critério do autor, do local onde aquele exerça atividades profissionais ou econômicas ou mantenha estabelecimento, filial, agência, sucursal ou escritório;

II - do lugar onde a obrigação deva ser satisfeita;

III - do domicílio do autor ou do local do ato ou fato, nas ações para reparação de dano de qualquer natureza.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).

CHARGISTA DUKE – TRIBUNA DA INTERNET

   O Big Toffoli

 

O Big Toffoli

“No mundo, a Justiça se move na tentativa de preservar a privacidade das pessoas. Aqui no Brasil é diferente. A democracia tropical, com a sua incessante troca de favores, está parindo um monstro”. Artigo de Fernando Gabeira, publicado por O Globo, em 18.11.2019.

Arte EV sobre imagem Visual Hunt

A classificação dos juízes

 

A classificação dos juízes

“Eles são heróis, soldados, minimalistas e mudos – reportados por Lenio Streck, comentando obra do americano Cass R. Sunstein. Eu acrescentaria também os justiceiros e os cegos/surdos”. Artigo do advogado Gelmir Gutier Reche (OAB-RS nº 66.467).

Chargista Sinfronio – www.sinfronio.com.br

Sabe com quem está falando?

 

Sabe com quem está falando?

“Se o paciente já foi julgado e condenado nas instâncias vigentes, a dúvida não é sobre o réu, mas também e sobretudo sobre o próprio corpo de magistrados. Não houve voto de Minerva no STF, mas uma brasileiríssima retribuição de favor entre Dias e Luiz”. Artigo de Roberto DaMatta, antropólogo e colunista de O Globo.

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.