Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 13 de setembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/fechamento.jpg

Juizite na nossa conta: TRF-2 vai gastar R$ 12 milhões para dar mais conforto às excelências



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

  Juizite por nossa conta

O TRF da 2ª Região – com jurisdição federal sobre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo – está abrindo as torneiras do dinheiro público: lançou na sexta-feira (23) editais para comprar mobiliário e automóveis novíssimos. Serão gastos R$ 12 milhões para dar mais conforto às excelências e, em certos casos, a seus “interlocutores”.

Custará R$ 9 milhões aos cofres públicos – isto é, por conta dos cidadãos brasileiros – a compra de gaveteiros, "mesas de juiz", sofás, armários, mesas ovais, de reunião, de centro e de canto, "cadeiras de juiz", "cadeiras de reunião de juiz", "cadeiras de interlocutor de juiz".

Há originais estimativas de gastos: cada “cadeira de juiz” custa em média R$ 3,3 mil cada uma; a do "interlocutor do juiz" é mais baratinha: R$ 1,7 mil cada. (Magistrado deve sentar no mais macio... – quiçá...).

Serão despejados também R$ 3 milhões para a aquisição de 27 automóveis, que o edital especifica como "zero quilômetro, modelo 2019/2020, devendo necessariamente ser 2020 se já existir no mercado". Há um detalhe sui generis, específico e intrigante: os veículos devem ter "distância entre os eixos de no mínimo 2.700 mm".

Enquanto a magistratura trata de, com recursos públicos, incrementar o seu conforto privado, o desemprego foi a principal causa, mas não a única, do aumento da desigualdade no Brasil nos últimos quatro anos. É que muitíssimas pessoas também estão ganhando menos.

Pelas novas contas da FGV Social, a diferença de renda entre os 10% mais ricos e a metade mais pobre brasileira cresceu 27% a partir de 2015. Os vilões são três: o desemprego responde por 14% - isto é, pouco mais de 50% da piora. A outra metade foi quase toda ocupada pela perda salarial (6,3%) e redução da jornada de trabalho (5,1%).

  Bebês trocados

Um rapaz que sempre se achou muito diferente dos irmãos, decidiu fazer um teste de DNA e descobriu que... não era filho biológico dos pais que o registraram e criaram. Um advogado tentou conseguir, no hospital, o prontuário médico para saber se houvera troca na maternidade. Mas o hospital negou.

O caso gaúcho se arrastou e chegou ao STJ. Na quinta passada, ministro Luis Felipe Salomão decidiu: o hospital é obrigado a apresentar o prontuário em casos assim. O processo corre em segredo de justiça.

  Vida e morte de Sandra Brea

A vida, a obra e a morte de Sandra Brea (1952-2000) - considerada símbolo sexual brasileira nos anos de 1979 e 1980 - serão contadas em livro pelo jornalista Renato Fernandes. Ele adquiriu o acervo de fotos da atriz que pertencia a Antônio Guerreiro, fotógrafo que foi casado com ela.

Ela teve outros dois maridos oficialmente, entre eles o artesão gaúcho Arthur Guarisse (1983/1985), falecido em 6 de setembro de 2016, aos 81 de idade. Ele foi um dos idealizadores do Bric da Redenção.

O livro vai assinalar, entre outras coisas, que no sepultamento de Sandra somente três pessoas eram do meio artístico. Ela teve rutilante carreira, de 1973 a 1985. Foi famosa pelos seus trabalhos na tevê, mas também por ter assumido publicamente, em agosto de 1993, que estava contaminada pelo vírus do HIV, lutando contra a discriminação. Faleceu vítima de câncer de pulmão, sete anos mais tarde.

  Contas paralisadas

No Ministério da Cidadania, em Brasília, há 20 mil prestações de contas referentes a projetos beneficiados pelas leis de incentivo à Cultura e ao Esporte que jamais foram analisadas. A papelada à espera de fiscalização soma R$ 23,3 bilhões que bancaram iniciativas culturais e R$ 1,7 bilhão em eventos esportivos nos últimos 20 anos.

O ministro Osmar Terra estabeleceu o prazo de dois anos (!) para o novo secretário Especial de Cultura, José Paulo Martins, dar cabo do passivo.

Só que, para cumprir a meta, os técnicos do ministério terão de concluir 27 processos por dia – isso trabalhando também aos sábados, domingos e feriados.

  Confusão inexistente

Afirmando “a inexistência de possiblidade de confusão entre os consumidores”, a 3ª Turma do STJ negou pedido da rede de lanchonetes McDonald's para cancelar o registro da marca Mac D'Oro, que vende castanhas e amendoins.

Segundo a relatora do caso, ministra Nancy Andrighi, “o uso da marca Mac D'Oro não implica, ao menos potencialmente, violação dos direitos do McDonald's”.

Outro detalhe: apesar do longo tempo de convivência entre as marcas em conflito (ao menos desde 1995, ano do depósito da marca Mac D'Oro), sequer foram deduzidas alegações no sentido de que algum consumidor tenha sido confundido. (REsp nº 1.799.164).

   Lavagem de R$ 26 milhões

O ministro Luiz Edson Fachin, do STF, rejeitou pedido para anular prisão decorrente de condenação em segunda instância do empresário Marcio Andrade Bonilho. Ele foi condenado a 14 anos de reclusão em regime inicial fechado, por lavagem de dinheiro e organização criminosa flagrados na operação Lava-Jato.

Marcio Andrade participou de desvios de verbas públicas destinadas à construção da Refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca (PE), entre 2009 e 2014, tendo recebido R$ 113 milhões como proprietário das empresas Sanki Sider e Sanko Serviços de Pesquisa e Mapeamento, e lavado ao menos R$ 26 milhões obtidos mediante superfaturamento da obra.

Ao negar habeas corpus, Fachin concluiu não haver ilegalidade no ato do STJ, que seguiu a jurisprudência do Supremo quanto à impossibilidade de examinar matéria não analisada nas instâncias inferiores e de analisar fatos e provas em HC. Ele também não acatou a tese defensiva que alegava “atipicidade de conduta sob fundamento da irretroatividade da lei penal mais gravosa, em relação à condenação do empresário por organização criminosa”.

A condenação foi decidida pelo TRF da 4ª Região, que, baseado na posição majoritária do STF, determinou a expedição imediata do mandado de prisão após esgotada a jurisdição de segundo grau. (RHC nº 173224).

Leia a íntegra da decisão de Fachin.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Mais seis advogados excluídos dos quadros da OAB-RS

 No Rio, em dois meses, oito pessoas mudam de gênero e nome.

 Na OAB carioca já há 3.551 advogadas a mais do que homens.

 Na Ordem gaúcha, advogadas já são 42.462; os homens, 42.196.

 STJ decide amanhã se aumenta em 40 o número de desembargadores federais para os TRFs.

 Guedes prevê arrecadação de R$ 150 bilhões por ano com ‘nova CPMF’.

 Augusto Aras começa a convidar os integrantes para sua equipe na PGR.

 Exageros da torcida do Inter fecham o aeroporto Salgado Filho durante 23 minutos.

Magistratura queria mais vetos de Bolsonaro

• Mas os casos de pedidos de vista - que se transformam em “peRdidos de vista” - poderão ser punidos criminalmente.

 Ministro vai à sessão do STF de terno, gravata e... tênis com amortecedor.

 TRF-4 autoriza que ex-deputado Carlos Marun volte ao cargo de conselheiro da Itaipu Binacional.

 Eleita a nova direção da Associação dos Juristas Católicos do RS.

Presidente do Senado articula para barrar CPI contra ministros do STF

•  O movimento "Muda Senado, Muda Brasil" conseguiu as 27 assinaturas necessárias, mas Davi Alcolumbre (DEM-AP) acha mais importante “preservar o equilíbrio institucional, enquanto a economia patina e há milhões de desempregados”.

•  O senador gaúcho Lasier Martins admite que “a finalidade é cassar ministros do Supremo”.

Foto: LETRAS.mus.br

A disputa pela herança do cantor Emílio Santiago

 

A disputa pela herança do cantor Emílio Santiago

 Imóveis que o artista deixou em três cidades ficarão fechados, enquanto segue a disputa entre uma mulher que diz ser irmã, um rapaz que garante ser filho e um suposto ex-namorado.

 Deputados fazem esdrúxulos pedidos a Eduardo Bolsonaro.

 Vem aí o novo comercial do Banco do Brasil, estrelado por atores de 50 perfis diferentes. Quase todos vestem amarelo.

 Privatização dos Correios fica para 2020.

 Duas pencas de futebolistas complicados com a prisão do doleiro dos doleiros.

  Extinção de empresa gaúcha por publicidade advocatícia irregular e captação indevida de clientes

Bolsonaro veta integralmente projeto de lei que criava prazo de validade para liminares e cautelares no STF

 Juiz se dá por impedido de atuar em ação penal porque promotor de justiça é “defensor de bandidos”.

 Julgado do TST reconhece ao Magazine Luíza a contratação de empregados pelo regime intermitente.

 Indenização por espondiloartrose a trabalhador calceteiro.

 Operadoras de tevê por assinatura perdem 4 milhões de assinantes por ano.

• Quatro magistrados vão disputar a presidência do TRT-4, em 4 de outubro.

 O Atlas da Violência tem uma cidade gaúcha.