Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira ,14 de novembro de 2019.

Condenação indenizatória exemplar contra TAM e Submarino.com



Por Paulo da Cunha, advogado (OAB-RS nº 43.034)
paulodacunha.advogados@gmail.com

Trata o presente artigo de sucinta análise de sentença de procedência em ação indenizatória vitoriosa, em que duas conhecidas companhias prestadoras de serviços (TAM e Submarino.com) foram financeiramente condenadas em primeiro grau por danos morais, e materiais em dobro.

O inusitado do caso foi o fato de que uma das rés, após a prolação de sentença condenatória de danos morais no valor de R$ 50 mil para os dois autores, optou por não ingressar com apelação, e, assim, no mesmo prazo processual, peticionou abrindo mão do prazo recursal e desde logo depositou sua parcela condenatória.

Ainda, tal situação singular, no meu ver - como advogado dos autores (Proc. nº 001/1.13.0102054-1) - demonstra-se no fato de que as rés agiram em total desprezo no tratamento e atenção aos passageiros, um casal de brasileiros residentes em Porto Alegre. Tanto fora assim comprovado nos autos, que o Juízo do Foro Regional da Tristeza, em Porto Alegre, condenou as rés a indenizarem os gastos comprovados, em dobro, além da já referida indenização de danos morais de R$ 50 mil.

O empresário e sua esposa, médica, vencedores na demanda, estavam retornando de extensa viagem internacional na qual fizeram várias trocas de aeronave, estando extremamente cansados e desejosos de retornar ao lar. Mas, pelas falhas das rés, foram obrigados a aguardar por mais de três horas no aeroporto, carregando várias e pesadas bagagens, tendo em vista que as rés haviam simplesmente, e sem qualquer informação ou justificativa, cancelado o último trecho da viagem contratada!

Sabidamente se trata de decisão com grande divergência indenizatória, tanto que houve alteração parcial da decisão no TJRS. Mas mesmo assim o julgado serve para demonstrar que, perante o juízo singular - o qual tem a oportunidade, como no caso, de efetivamente ouvir em audiência os depoimentos dos consumidores lesados - a indenização de danos morais pode se dar de forma correta e exemplar, o que muitas vezes acaba por desestimular tais comportamentos pelas prestadoras de serviços, além de, obviamente, ressarcir moral e patrimonialmente, os autores da demanda.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Sinfronio – www.sinfronio.com.br

Sabe com quem está falando?

 

Sabe com quem está falando?

“Se o paciente já foi julgado e condenado nas instâncias vigentes, a dúvida não é sobre o réu, mas também e sobretudo sobre o próprio corpo de magistrados. Não houve voto de Minerva no STF, mas uma brasileiríssima retribuição de favor entre Dias e Luiz”. Artigo de Roberto DaMatta, antropólogo e colunista de O Globo.

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.

Dois meses de férias para todos!

“É deboche chamar de 'recesso' o ócio remunerado de juízes, procuradores e outros. Quantos meses deveria ter um médico da emergência de hospital público?”. Artigo de Nelson Motta, jornalista e escritor. 

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Tempo - é o que falta

 

Tempo - é o que falta

“Mesmo em tempos de profunda radicalização, surpreende a atitude do governador do RS, Eduardo Leite”. Ele quer urgência na aprovação de - uma, duas, cinco, dez, vinte, cinquenta, cem, duzentas, trezentas, quatrocentas... – exatas 480 alterações no Código do Meio Ambiente do Estado do RS. Artigo do jornalista João Batista Santafé Aguiar.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google - Definições extraídas do Dicionário Aulete

E agora, José?

 

E agora, José?

“Há pouco dias referiu o ministro Toffoli que ´voto de presidente é diferente de voto de bancada´. Com razão, pois parece  prudente que, em voto de desempate, mantenha a orientação solidificada no STF de não atribuição de efeito suspensivo aos recursos. Aliás, como expressamente previsto no art. 637, do CPP, dando interpretação harmônica aos princípios constitucionais”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado (OAB-RS nº 45.143); desembargador aposentado do TJRS