Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019
https://espacovital.com.br/images/smj.jpg

Impasse entre dois juízes: um deles exige o tratamento de “Excelência”



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 ´Esses...lentíssimos´... (1)

O juiz José Roberto Bernardi Liberal, da comarca de Araraquara (SP), se recusou a apreciar um pedido formal, feito via ofício, por seu colega Carlos Roberto Zanini Maciel, da comarca de Araraquara (SP) porque este usou, no documento, o pronome de tratamento "Senhoria", e não "Excelência". Segundo Liberal, o segundo pronome é que é o correto.

Comunico a Vossa Excelência que deixei de apreciar o pedido porque o pronome de tratamento de Juiz é Excelência e não Senhoria”, escreveu o inconformado Liberal no despacho. Deste, há uma foto circulando nas redes sociais.

´Esses...lentíssimos´... (2)

José Roberto Bernardi Liberal é o juiz envolvido num caso inusitado, em que o Tribunal de Justiça de São Paulo ingressou como interessado. O embrulho jurídico trata do pedido de um réu que busca indenização por ter ficado preso por mais tempo que devia. A ação foi inicialmente proposta contra o magistrado e contra o Estado de São Paulo.

O TJ-SP decidiu ingressar na causa como “amicus curiae” e, a seu pedido, o magistrado acabou excluído do polo passivo. Como a sentença julgou o pedido improcedente, o autor da ação apelou. Foi então que o tribunal paulista decidiu apresentar contrarrazões à própria corte, desta vez defendendo o Executivo. Em síntese, fundamentou que “como não houve erro do Judiciário, o Estado não deve ser condenado a indenizar o réu”.

Considerando inconstitucional a atuação do TJ-SP no caso, a Defensoria Pública de São Paulo apresentou duas reclamações ao Supremo. Em uma delas (Rcl nº 32.080) o pedido foi negado em decisão monocrática do ministro Ricardo Lewandowski.

A outra (Rcl. nº 32.730) entrou na rotina da lentidão: está desde 17 de dezembro de 2018 no gabinete do mesmo ministro, aguardando a citação do Estado de São Paulo.

 Senhoras e senhores

Desde 1º de maio deste ano, todos os agentes públicos da administração pública federal só podem ser tratados por "senhor" ou "senhora". A determinação está em decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro.

"O único pronome de tratamento utilizado na comunicação com agentes públicos federais é 'senhor', independentemente do nível hierárquico, da natureza do cargo ou da função ou da ocasião. O pronome de tratamento é flexionado para o feminino e para o plural” – refere o Decreto nº 9.758.

A norma, no entanto, não se aplica para integrantes do Poder Judiciário, do Poder Legislativo, do Tribunal de Contas, da Defensoria Pública e do Ministério Público.

 Direito personalíssimo

A 2ª Turma Cível do TJ do Distrito Federal decidiu que o nome é um “direito personalíssimo” e, com base nesse entendimento, negou um pedido de um casal para alterar a certidão de óbito da filha transexual e usar seu nome social. O colegiado definiu que esse tipo de pretensão só caberia “ao próprio interessado, em vida”.

Conforme o pedido, a filha nasceu com o sexo masculino, mas se identificava com o gênero feminino, adotando informalmente o nome de Victória.

Segundo o acórdão, “com exceção dos casos previstos em lei, os direitos da personalidade são intransmissíveis e irrenunciáveis, não podendo o seu exercício sofrer limitação voluntária". (Acórdão nº 1186763).

 Na lista para o CNJ

O TST divulgou ontem (5) a lista com os nomes dos juízes e desembargadores interessados em concorrer ao cargo de conselheiro do CNJ.

As nominatas serão submetidas ao Tribunal Pleno, que escolherá um nome de cada. Os indicados passarão por sabatina e aprovação pelo Senado Federal. Atualmente, as duas vagas são ocupadas pelo desembargador Valtércio Ronaldo de Oliveira (TRT-5/BA), e Francisco Luciano de Azevedo Frota (3ª Vara do Trabalho de Brasília.

Entre as habilitadas está a gaúcha Tânia Regina Silva Reckziegel, do TRT-4. Ela chegou ao tribunal por meio do quinto constitucional da advocacia. Faz um belo trabalho. Sem pilhas e sem juizite.

Desembargadores inscritos: Enoque Ribeiro dos Santos - TRT-1; José Luís Campos Xavier - TRT-1; Leonardo da Silveira Pacheco - TRT-1; Tânia Regina Silva Reckziegel - TRT-4; David Alves de Mello Júnior - TRT-11; Eder Sivers - TRT-15; José Pedro de Camargo Rodrigues de Souza - TRT-15; Lorival Ferreira dos Santos - TRT-15.

Juízes inscritos: Alinde Maria Leporaci Lopes - Rio de Janeiro; Roberto da Silva Fragale Filho - São João do Meriti (RJ); Farley Roberto Rodrigues de Carvalho Ferreira - São Paulo; Rui Cesar Publio Borges Correa - Poá (SP); José Cairo Júnior - Ilhéus (BA); Ney Stany Morais Maranhão – Macapá; Rogério Neiva Pinheiro - Juiz substituto do TRT-10; Carolina de Souza Lacerda Aires França - Lábrea (AM); Afrânio Viana Gonçalves - Porto Velho; Cassio Ariel Caponi Moro - Juiz substituto do TRT-17; Fabiano Coelho de Souza – Goiânia; Flávia Moreira Guimarães Pessoa – Aracaju (SE); Magno Kleiber Maia - Mossoró (RN)


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Metropoles.com

Fernando Haddad e o PT condenados a indenizar a cantora Paula Toller

 

Fernando Haddad e o PT condenados a indenizar a cantora Paula Toller

· Na campanha às eleições de outubro de 2018, o uso indevido da imagem dela e de versos da música “Pintura Íntima”.
· “Por que no te callas? ” do rei Juan Carlos, da Espanha. O que tem a ver com a fala de Toffoli de que a Lava-Jato quebrou muitas empresas.
· STF suspende a proibição ao livro sobre a vida de Suzana von Richtofen.
· Governo quer criar imposto sobre transações financeiras digitais.

Versos de José Augusto e Paulo Sérgio Valle – Arte de Camila Adamoli – Foto de Visual Hunt

Evidências em Brasília: o romance entre ministra de tribunal superior e ex-deputado

 

Evidências em Brasília: o romance entre ministra de tribunal superior e ex-deputado

•  Uma “rádio-corredor” chegou a repercutir versos contidos num cartão que acompanhou flores: “Eu tenho medo de te dar meu coração / E confessar que eu estou em tuas mãos / Mas não posso imaginar o que vai ser de mim / Se eu te perder um dia”.

•  Advogado é cassado por envolvimento com a corrupção. Mas foi no Rio de Janeiro...

•  A sorte de Eike Batista numa ação contra ele nos EUA. Juiz de Miami decidiu que a demanda só pode prosperar no Brasil.

Conselho Federal da OAB unido contra a PEC da Segunda Instância

 Na última sessão do ano, ontem (9) em Brasília, as lideranças articularam as primeiras estratégias para a “luta política e de argumentos”.

  Estilax Xavier, novo presidente do TCE-RS, alerta prefeitos: “Sanções por irregularidades não recairão apenas sobre o gestor principal".

  Um livro sobre João. Ele é “de Deus”, ou é “do diabo”?

  Movimento ´Vem Pra Rua´ faz conclamação: “Segunda Instância já! Férias em dobro nunca”.

Foto Getty Images

   Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

 

Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

  O Condomínio Mansões, no Rio, notifica a rica proprietária Larissa de Macedo Machado, 26 de idade, “para que tal fato não se repita, a fim de evitarmos multas e ações judiciais”.

 Quatro perguntas sobre o mercado jurídico brasileiro

  Revista Exame sai da Editora Abril e fica sob o comando do banqueiro André Esteves.

  Veja quem será o representante do Partido Podemos para debater e votar sobre a PEC da prisão em segunda instância.

  Há 25 deputados que mandam na Câmara Federal. Os outros só apertam os botões de votações...

Charge de Jota A / Portal O Dia

Compensação financeira para Dilma pela prisão e tortura sofridas durante a ditadura

 

Compensação financeira para Dilma pela prisão e tortura sofridas durante a ditadura

 Ela busca perante a Comissão de Anistia uma reparação de R$ 11 mil mensais.

 O lodo no Judiciário baiano: afastamento do presidente do tribunal e prisões são apenas o começo do “pepino apimentado”.

 Os dois momentos diferentes de Adriana Ancelmo.

 Ação do Diadema contra o Grêmio tem julgamento antecipado para amanhã: “reserva mental”.

 Porque os mais bem pagos executivos brasileiros estão desistindo do Natal em New York