Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,10 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

E o cartório, como fica?



Imagem da Matéria

A tecnologia no Judiciário vem crescendo bastante, são inteligências artificiais em quase todos os tribunais do país, ideias de robôs-juízes, entre tantos outros planos de auxílio para enfrentar o crescente número de processos, a falta de material humano e recursos para julgá-los.

Um interessante projeto em Guarulhos (SP) nos trouxe mais uma tecnologia ON a este manancial já existente. Uma tecnologia que irá literalmente substituir a mão de obra humana: os robôs que automatizam funções cartorárias.

E este robô já trouxe resultados financeiros expressivos: Baixou de 600 mil processos de execução fiscal para 200 mil processos e ainda extinguiu mais de 200 mil execuções. E o que ele faz?

Algumas atividades do robô: + Cadastro e digitalização de documentos; + Cadastro e juntada de petições intermediárias; + Alocação de processos para um usuário; + Carregamento de processos na fila do fluxo de trabalho; + Análise de pedido de citação por edital e conferência de texto;

Ou seja, o robô manda e desmanda no serviço cartorário!

E isto é bom? Claro! Tudo que é repetitivo – como o ser humano servindo apenas para carregar papel e carimbar - o robô faz, 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem café, sem pausas para ir ao banheiro, sem faltas.

Então não precisamos de seres humanos? Outro erro! Precisamos - e muito - do material humano. Entretanto, cada vez mais, de seres humanos pensantes, ativos em atitudes e focados em resultados e soluções para o propósito do negócio.

E qual o propósito do cartório? Gerir o processo com celeridade para o julgamento, além de respeitar tudo que é inerente a fluxos processuais. Assim, quanto mais a tecnologia identificar gargalos que podem ser resolvidos rapidamente, o ser humano pode focar noutros planos.

Por que esperar anos por um carimbo de trânsito em julgado? Meses para uma juntada de petição? Dias para conclusão ao juiz?

Vamos deixar a máquina ajudar no que ela pode ser útil e nos concentrarmos em soluções viáveis aos litígios, inclusive fora do Judiciário.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Charge de Renato Peters

Para ser ON, seja OFF

 

Para ser ON, seja OFF

“Faça a experiência: chegue em casa, coloque o celular no escritório, num armário, numa gaveta e só pegue ele antes de dormir para ativar o despertador e não interaja com ele, exceto para despertar no dia seguinte”…

Por que precisamos de um software jurídico?

Há inúmeros softwares no mercado e todos se dizem ´os melhores e mais competentes´ para ajudar a advocacia a gerenciar processos, fluxos, agenda, pessoas, financeiro entre outras atividades. Entretanto, na prática, a questão é bem diferente”.

O uso da Inteligência Artificial no Brasil

“Tramita no Senado Federal o Projeto de Lei nº 5051/2019. A ideia é interessante, embora legislar sobre este tema seja mais complexo do que dar palavras a um texto. Basta analisar o texto sugerido, e percebemos situações teratológicas destoantes da realidade fática”.