Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,22 de novembro de 2019.

Dentadura macabra



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB-RS nº 7.968)

Os irmãos – filhos de um conhecido comerciante, famoso por seu bigode à portuguesa – divergiam à beira do leito de morte do pai. É que o médico havia decretado: “O pai de vocês não passa de amanhã”.

Um dos filhos queria comprar já o caixão para, seguindo os ensinamentos paternos, pechinchar e conseguir melhor preço. O outro, esperançoso, não queria agourar o também supersticioso pai.

Pois o moribundo passou o dia posterior, o outro, mais uma semana e o médico resolveu dar alta ao paciente.

Antes de ser levado de volta à residência, o idoso pediu a dentadura completa que deixara sobre a mesinha de cabeceira que separava os dois leitos do quarto coletivo do hospital. Não foi encontrada. Procura daqui, procura dali, a enfermagem informou que, na véspera, falecera o vizinho do leito, “tendo a viúva levado uma dentadura que seria do defunto, para colocar nele”.

Duas semanas depois, o sumiço dentário virou caso no Juizado Especial da comarca. O idoso e os filhos eram autores de uma insólita ação contra o hospital e a família do morto: cobravam dos réus, solidariamente, o valor da dentadura e uma reparação por danos morais.

O alquebrado juiz - recusante de promoção porque se habituara àquela vidinha interiorana fórum-casa-fórum – abriu a audiência com cara de poucos amigos:

- Qual é o problema aqui?

- Enquanto eu estava pra ir desta vida, a família do falecido levou minha dentadura completa. Não tenho dinheiro para comprar outra – respondeu o idoso senhor.

- O que a família aqui representada tem a dizer? – perguntou o magistrado.

O advogado, filho do falecido, se puxou na explicação:

- A subtração de objeto, pensando ser seu, por erro quanto à coisa, é excludente de crime e de indenização cível quando comprovados o erro e a boa-fé, e devolvido o objeto.

E, empertigado, tirou da pasta um pote de vidro contendo – imersa em álcool - a dentadura controvertida:

- Senhor juiz, a subtração por engano ocorreu num momento de dor para a nossa família. Mas, reparando o equívoco, fomos ao cemitério buscar o objeto para devolvê-lo ao senhor aqui presente.

O juiz encerrou a audiência. Conta-se que o autor teria voltado a usar a dentadura macabra, porque - sovina como ele só - todos na comarca duvidam que ele tenha adquirido uma outra nova.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O amor é cego?

 

O amor é cego?

A primeira audiência você nunca esquece! A surpresa do novel juiz, na tarde inaugural de suas audiências na comarca. Por que, afinal, o homem de 45 de idade, trocou a esposa de 43 por uma idosa muito feia, 17 anos a mais de idade. A escrivã contou o importante detalhe que não estava nos autos.

Charge de Gerson Kauer

O inédito e imparcial sorteio

 

O inédito e imparcial sorteio

Como houve um impasse – aparentemente insolúvel - entre os irmãos Mário e Maria, o juiz decidiu que a solução seria um sorteio. Os interessados concordaram. A escrivã trouxe uma caixa e colocou os papeluchos. Coube ao estagiário, de olhos fechados, meter a mão e... 

Charge de Gerson Kauer

Serviços (in) eficientes de cama

 

Serviços (in) eficientes de cama

Depois do ajuste verbal, a extensão do programa sexual combinado não atende à expectativa do fazendeiro. Ele resolve então sustar o cheque que, antecipadamente, fora entregue à percanta. A questão foi parar no Juizado Especial Cível. Acompanhe a evolução e conheça o desfecho.

Charge de Gerson Kauer

A piscada do juiz

 

A piscada do juiz

A surpresa durante a audiência de uma ação de usucapião. Ao final do depoimento pessoal do réu, o magistrado piscou-lhe o olho e disse: “O senhor pode sair”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A insólita arma do crime

 

A insólita arma do crime

O ineditismo de uma ação penal contra um caboclo que ficara esquecido no presídio. A acusação era por tentativa de homicídio: desconfiança (isso mesmo!) de que o réu lançaria uma cobra venenosa “surucucu-pico-de-jaca” contra o delegado de polícia de pequena cidade interiorana.