Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 13 de setembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

OAB-RS deplora “o senso de normalidade que se instaurou em processos que se arrastam por anos”



Arte de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

  Eficiência ou colapso?

O presidente da OAB-RS, Ricardo Breier, em publicação intitulada “A Persistência de um Colapso” registrou no portal da entidade, que “o TJRS noticiou recentemente ser o mais eficiente do país”. Mas, estatisticamente, criticou: “No primeiro grau de jurisdição, o tempo médio do processo na Justiça gaúcha é de três anos e três meses - isso sem mencionar os precatórios e RPVs que, muitas vezes, desafiam a estimativa de vida”.

O dirigente da advocacia também lembrou que “quando um alvará não é expedido dentro de um tempo razoável, significa que o advogado e a parte não receberão seus direitos e, consequentemente, não contribuirão para a circulação no sistema econômico local”.

Breier fez também um desabafo: “A nós, advogados e advogadas, é repassada a ingrata tarefa de explicar aos clientes, o senso de normalidade que se instaurou em processos que se arrastam por anos”.

Ficou uma sugestão: “O Poder Judiciário gaúcho deve priorizar o primeiro grau de jurisdição”.

Porém, esse foco tem sido, a cada dois anos, repetido toda a vez que um novo presidente do tribunal assume. Advogados militantes sabem que tal pretenso compromisso não passa de promessa sistematicamente descumprida.

 Tartaruga se mexendo

A ação penal que trata do homicídio do escrivão Paulo Cesar Ruschel, da comarca de Novo Hamburgo, assassinado em 26 de outubro de 2006 – e ainda sem data para o júri popular da companheira acusada - está com uma primaveril previsão de uma aurora límpida despontando no horizonte processual.

Sem pontuar data exata, o desembargador relator José Antonio Cidade Pitrez informa que o recurso em sentido estrito interposto pela defesa da ré “tem previsão de julgamento no mês de outubro, deste ano”. (Proc. nº 70034400457).

 Tartaruga sob perícia

A ação popular, na comarca de Canela (RS), sobre supostas irregularidades no empreendimento “Reserva da Serra” erigido pela empresa Maiojama Empreendimentos, talvez tenha novidades práticas antes de seu 14º aniversário de tramitação, a ser comemorado no veranil 20 de janeiro de 2020.

A magistrada Simone Chalela informa ter assumido na 2ª Vara Judicial de Canela “apenas em dezembro de 2015, quando a ação já completava quase 10 anos de tramitação”. E salienta que “a grande quantidade de réus (dez), acarreta a dilatação dos prazos e faz com que o tempo necessário para as intimações e cumprimento de diligências seja maior que o comum”. (Proc. nº 1.06.0000095-3).

  Tartaruga sonolenta

Casos de demora semelhantes a esses dois quelônios processuais aí de cima existem às dezenas, ou centenas. Mas nenhum talvez incomode tanto a cidadania gaúcha como a ação penal contra o advogado (excluído pela OAB-RS em 26.7.2019), Mauricio Dal Agnol, acusado de lesar milhares de clientes.

Em apenas um dia, na semana passada, o Espaço Vital recebeu 33 reclamos de desiludidas partes afetadas pela demora do desfecho de ações cíveis e criminais contra o ex-advogado.

A mais pungente dessas demandas está próxima de completar sete anos de tramitação no dia 26 de outubro, na 3ª Vara Criminal da comarca de Passo Fundo. Seus 42 volumes estão em carga com o Ministério Público desde 22 de agosto último. A instrução ainda não encerrou.

A sentença penal de primeiro grau é um sonho possível só para 2020 – ou talvez 2021. Depois virão os incontáveis e lentos recursos. A culpa pela demora crônica talvez seja também do estagiário... (Proc. nº 021/2.12.0010212-5).

 Fazendo as contas

Precavido, o presidente da OAB-RS referiu que o tempo médio de tramitação de um processo na Justiça gaúcha é de três anos e três meses.

Mas só nos casos resumidos acima (13 + 13 + 7) a lentidão somada chega a 33 anos. Não é necessário ser expert em aritmética para concluir que a média de demora deles é de 11 anos. É a persistência do colapso, vista distorcidamente como “eficiência”...

Leia nesta mesma edição do Espaço Vital:

Desembargador e juíza se manifestam sobrecasos que fazem o jeito da Justiça lenta”


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.

Se for advogado(a) ou estagiário (a), informe qual a sua Seccional da OAB e o número de sua inscrição.




Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Não devem ser usadas palavras inteiras em maiúsculas.
Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e contiverem links serão rejeitados.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte de Gerson Kauer

As consequências de uma madrugada de pavor na serra gaúcha

 

As consequências de uma madrugada de pavor na serra gaúcha

 Roubo e estupro praticados por um montador de móveis. A Todeschini S.A. Indústria e Comércio depositou R$ 722 mil após o trânsito em julgado do acórdão que a condenou juntamente com a loja TDT Móveis Planejados. Mas o pagamento não apagará o ultraje indelével.

 Montagem dos móveis da moradia de uma família gaúcha durou dez dias. Durante o período, o montador apropriou-se de uma das chaves da casa, por meio da qual conseguiu o acesso sorrateiro à morada, durante uma madrugada.

 Facínora condenado a 15 anos já cumpre pena. E um menor também envolvido nos crimes desapareceu.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Visual Hunt

Eventos festivos da advocacia devem ser compatíveis com o decoro da profissão, mas...

 

Eventos festivos da advocacia devem ser compatíveis com o decoro da profissão, mas...

 A “festa” que encerrou o Mês do Advogado em Nova Iguaçu (RJ) instiga o pensar: para onde estão caminhando as instituições?

 TRF-4 mantém o bloqueio dos bens do espólio de Maria Letícia Lula da Silva.

 45% dos jogadores brasileiros que atuam no futebol do nosso país ganham apenas um salário mínimo.

 Suspeita de sarampo fecha, até o dia 9, a 18ª Vara Cível de Porto Alegre.

Blog do AFR

Três dos muitos casos que fazem o jeito da Justiça lenta

 

Três dos muitos casos que fazem o jeito da Justiça lenta

 Responsabilidade objetiva do Conselho Regional de Medicina em abuso sexual contra uma adolescente durante consulta médica.

 Escrivão de Novo Hamburgo foi assassinado em 2006, mas o júri popular da acusada ainda não tem data agendada.

 Ação popular por ilícito cível ambiental em Canela (RS) já dura mais de 13 anos.

 ´Entre...mentes´, o TJRS anuncia sua “liderança em eficiência no país entre os tribunais de grande porte”. E a OAB-RS promete reagir em outubro contra “a morosidade do Judiciário”.

Ação do presidente nacional da OAB contra Bolsonaro no STF

· A interpelação será para que o presidente diga o que sabe "sobre a morte de Fernando Santa Cruz, ocorrida em março de 1974”.
· Justiça nega autorização para que Eduardo Cunha vá ao casamento da filha.
· Por que os árbitros de futebol não estão mais usando o spray no local da barreira?
· EUA vão retomar as execuções da pena de morte.

Arte de Camila Adamoli

“Sem advogado não há justiça”

 

“Sem advogado não há justiça”

 Tal frase, criada pelo advogado Oswaldo Vergara em 1967, é o dístico da medalha que homenageia profissionais com notabilidade de serviços à classe advocatícia.

  Sessão Magna da Advocacia será no dia 9 de agosto.

  Impasse em ação bilionária da Varig. A massa falida cobra R$ 6 bilhões; a União diz que a condenação foi de R$ 3 bilhões.

  A cada semana, o crescimento da superioridade feminina na advocacia gaúcha: elas já são 42.078; eles, 41.997.

  Ataques também contra os telefones de Jair Bolsonaro.

GPS Life Time

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 O texto disciplina o uso de equipamentos não letais pelo docente nos estabelecimentos de ensino da rede pública e privada em todo o território nacional. E altera o Estatuto do Desarmamento, para dispor sobre “armas de incapacitação neuromuscular”.

 Rugas de preocupação para quem se cadastrou no FaceApp.

  Advogadas já são 67 a mais do que os advogados na OAB-RS.

  Cabimento de ação autônoma para a definição e cobrança de honorários advocatícios sucumbenciais, caso a decisão transitada em julgado seja omissa.