Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 22 de outubro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Odair, VAR e a apreensão do torcedor colorado



Ricardo Duarte – S. C. Internacional

Imagem da Matéria

A primeira partida da final da Copa do Brasil inverteu a importância de um aspecto que vinha alimentando o debate futebolístico: o VAR. Nas partidas anteriores vinham sendo normais extensas paralisações para consultas ao VAR, especialmente no que se refere a pênaltis.

O árbitro da partida de quarta-feira (11) demonstrou que ainda é possível decidir em campo (ou nylon), prontamente e sem errar.

E não errou.

O único lance relativamente polêmico foi aquele reclamado pênalti do Athletico, PR. O lance foi repetido inúmeras vezes na tevê, ficando evidente que o jogador adversário colocou o braço protegido pelo tórax. Com personalidade o árbitro Raphael Claus não recorreu ao VAR, aliás durante todo o tempo de jogo.

Habemus árbitro, ao menos um no Brasil em tempo de VAR.

Estávamos apreensivos diante do adversário, da sua ruidosa arena e do piso sintético. Eu já estive lá e o ruído produzido por aquela torcida é como se alguém estivesse gritando nos nossos ouvidos.

Seria, como foi, difícil o confronto. Estamos vivos, vivíssimos graças à retrospectiva no Beira-Rio e pela atuação do “São Marcelo Lomba”, um goleiro que enche a torcida de orgulho.

No momento do lance do gol, houve erro da zaga colorada, que saiu atrás do atacante.

Ontem reafirmei a minha convicção: nosso time é um time que se acovarda frente às circunstâncias adversas. Isso vem se repetindo desde as atuações no Campeonato Gaúcho, passando pelo Flamengo. Tivemos 37% de posse de bola, contra 63% do adversário, quase o dobro. No restante os números foram praticamente iguais.

Para mim, mas uma vez o Patrick deixou a desejar: ou lhe falta técnica, ou concentração.

Odair está indo muito além do que imaginávamos. Ele soube crescer na sua atividade, ou aproveitar bem a chegada do Rodrigo Caetano. Entretanto, acho que ele é vítima da cultura da retranca existente em nosso vestiário e que é imposta pelos últimos “luminares” que por lá passaram.

Ainda no domingo ouvi a entrevista de um ex-presidente retranquista juramentado, enaltecendo o “freio-de-mão” puxado na quarta então vindoura.

O que esperar do nosso atual dirigente de futebol seu confesso discípulo e seguidor?

O Odair também precisa ter um plano B diante da dificuldade e que altere a lógica do sistema de jogo.

Com humildade, cautela, competência e apoio da torcida, chegaremos lá.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Morreu pela boca

“Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade. Já afirmei que Melo, o eterno vice futebol do Inter - resistente a todos os insucessos - derrubou o Odair sem querer derrubá-lo”.  

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.

Reprodução Globo Esporte

O fenômeno Flamengo

 

O fenômeno Flamengo

“A boa administração do clube tem reflexos no futebol, resultando que a administração colha resultados. Sobre o jogo de  quarta-feira (25), apenas um comentário: foi pênalti no Guerrero e o nosso prejuízo foi grande”.

Charge de Gerson Kauer

O coronelismo de churrasqueira

 

O coronelismo de churrasqueira

“Logo após a debacle de ontem, o comentarista Mauricio Saraiva, defendeu a manutenção de toda a estrutura do futebol, apontada como concebida pelo ´maior dirigente da história do Internacional, Fernando Carvalho´. Eu penso diferente: deixar o Odair até o final do Brasileirão, quando poderá ser reavaliado, mas mudar o departamento de futebol já!

Pro dia nascer feliz...

 

Pro dia nascer feliz...

“Quarta-feira o Internacional fez o que deveria ter feito: ganhar do Nacional no país, na cidade, e no estádio dele” (...) Mas me ocupo também daquele lamentável fato ocorrido no último Gre-Nal. Um fato que revela a estupidez humana. Chama a atenção que ele tenha ocorrido entre duas mulheres. A agressora, segundo sei, é notória defensora dos direitos femininos”...