Ir para o conteúdo principal

Edição de quinta-feira ,14 de novembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

O preço do almoço grátis



Camera Press

Imagem da Matéria

Como já afirmei no artigo “Não existe almoço grátis” (leia aqui: https://espacovital.com.br/publicacao-37180-nao-existe-almoco-gratis), qualquer aplicativo ou saite que fornece algo supostamente gratuito está coletando dados, querendo saber mais sobre nossos hábitos, entre outras questões.

Neste ano, um dos principais aplicativos que demonstraram esta problemática foi o do FaceApp - mencionado no artigo acima - que teve mais um desdobramento recentemente: o Procon de São Paulo multou o Google em R$ 9 milhões e a Apple em R$ 7 milhões.

Estas multas acendem uma reflexão importante: se quem coletou os dados foi o FaceApp, porque o Google e Apple foram multados?

Entendeu o Procon paulista que Google e Apple deveriam ter disponibilizado as condições de uso do aplicativo em português e que cláusulas que remetem a solução de litígios na Califórnia e que diminuem os direitos do consumidor seriam abusivas. Mais: mesmo não tendo participado do debate das cláusulas do aplicativo ou da coleta de dados do mesmo, pelo fato de disponibilizarem o aplicativo, Google e Apple seriam responsáveis em conjunto com ele.

Tal decisão se mostra um marco importante e com consequências fortes na tecnologia. Afinal, quantos outros aplicativos na Play Store ou Apple Store possuem regras similares e/ou abusivas? Incluindo jogos? Seria a possibilidade de multas em série?

Penso que o importante é perceber que o Estado está buscando soluções administrativas e quiçá jurídicas para estes problemas (e porque não dizer que buscando receitas, já que sabe-se lá quem fez o FaceApp, mas o Google e Apple são fáceis de multar e cobrar), e com isto deixando o consumidor mais “protegido”. Por isso, reafirmo categoricamente: não existe almoço grátis! E o preço disto pode ser salgado às empresas, como visto e ao usuário, pois seus dados são essenciais para a vida eletrônica.

Em menos de um ano teremos a aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados. Seu escritório está preparado? Seu cliente, está preparado?

Não deixe pra última hora. Preparar-se para a LGPD pode levar até mais de um ano...

>>>>>>>>>
gustavo@gustavorocha.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O uso da Inteligência Artificial no Brasil

“Tramita no Senado Federal o Projeto de Lei nº 5051/2019. A ideia é interessante, embora legislar sobre este tema seja mais complexo do que dar palavras a um texto. Basta analisar o texto sugerido, e percebemos situações teratológicas destoantes da realidade fática”.

   E o cartório, como fica?

 

E o cartório, como fica?

“Vêm aí os robôs que automatizam funções cartorárias. Eles mandarão e desmandarão, 24 horas por dia, sete dias por semana”.

Imagem Inmetrics.com.br

Privacidade custa caro!

 

Privacidade custa caro!

“Devemos estar atentos à Lei Geral de Proteção de Dados que entra em vigor em agosto de 2020. Dirão alguns que ´falta mais de um ano para a lei entrar em vigor, temos tempo´ etc... Ledo engano! Basta ler a lei para perceber que as adequações necessárias a empresas, incluindo escritórios de advocacia, será grande. Urge começar o quanto antes”.

Chargista Amarildo

Não existe almoço grátis!

 

Não existe almoço grátis!

“Há advogados que postam suas próprias feições de agora, dizendo ´Protocolada a petição inicial´. Depois, a foto – bem mais velho - gerada pelo aplicativo, comemorando ´Alvará recebido´... Será que os profissionais da advocacia sabem o que estão autorizando o FaceApp a fazer com seus dados pessoais?"