Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,13 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_azul_caricatura_2.jpg

“O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”...



Arte EV sobre foto de Marcos Ribolli

Imagem da Matéria

Assistam a este vídeo, logo abaixo. Entrevista com André Sanchez, presidente do Corinthians. Ele abre o bocão. Ironiza a tudo e a todos. Sarcasticamente, esculhamba com parte da imprensa. E com o establishment futebolístico.

Sanchez escancara o futebol como negócio. A Globo é quem manda. A Globo tira e bota. Faz horários. Diz quem deve jogar às 11 da manhã e às 19h30min de segundas-feiras.

Antigamente se gritava para a política: “O povo não é bobo, abaixo a Rede Globo”. Bom, passou o tempo e o quadro continua o mesmo. O povo é bobo, o Jornal Nacional continua dizendo o que a realidade é, as novelas continuam ´estupitizando´ a malta e... os jogos continuam sendo, em dia de transmissão, perto da meia-noite, para que os trabalhadores não frequentarem os estádios.

É, o povo não é bobo...Quiá, quiá, quiá.

Passou o tempo e a hegemonia política (fazem e desfazem presidentes, governadores e quejandos) e chegaram no futebol. Mandam e desmandam. Claro, como diz André Sanchez, do Curintia: “Perguntem prá Globo”.

Ele insinua um monte de coisas. Bem nas entrelinhas, dá para até tirar a ilação de que existe manipulação de tabela e, quiçá, de escalação de árbitros. Vai ver que é por isso que determinados jogos sempre são apitados por gente que - mesmo que o VAR diga que é pênalti ou diga que não é pênalti - o árbitro tipo “Wagner” olha e...diz o contrário.

Claro. O VAR é assim: contra imagens só existe o argumento do árbitro. Ou, contra argumentos do árbitro...não há fatos ou imagens que possam mais.

Quiá, e mais um quiá. Ou um rá. Ou vários potássios (kk’s).

Como escrevi na semana passada no Jus Azul, falta um constrangimento ao instituto do VAR. Não adianta o comentarista ou os comentaristas de arbitragem só criticarem o VAR quando erra contra o seu time. Sim, os comentaristas “isentos” de arbitragem torcem. E muito. Diori é um bom exemplo do conceito de “isenção”.

Tudo isso é uma grande anedota, parece. Às vezes a gente se esquece e vem o André Sanchez e nos traz de volta à realidade. Sobrou até para a Rádio Gre-Nal na entrevista. E para os blogues. Essa parte da entrevista é muito sarcástica. Vejam e ´oiçam´ (é oiçam, mesmo) despacio.

 

Ø RECORDEM O JUS AZUL DA SEMANA PASSADA: A falta de constrangimento das falhas do VAR

De um André para outro André

O nosso André Balada, centro-avante do Grêmio.

Difícil. Renato talvez esteja testando a dialética dos fatos que não derrubam convicções. Ou seja: contra o fato de que André só paga mico em campo, a convicção de Renato vale muito mais.

Até quando, Catilina? Até quando?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV por Marco Antonio Birnfeld e Ana Paula Saldanha

O Grêmio, o Mano e as ´Côôpass´!

 

O Grêmio, o Mano e as ´Côôpass´!

“O Grêmio é maior abandonador de Brasileirões. É uma lenda urbana essa história de que a Copa do Brasil é o melhor atalho. Há uma crise no futebol: o velho não morre (o modelo Felipão, Mano, Argel – Renato está no limbo) e o novo não consegue se impor por causa da resistência do velho, mormente porque este é apoiado pela imprensa que não quer dar o braço a torcer”.

Charge de Gerson Kauer

Vândalos impunes e a IVI sob nova direção

 

Vândalos impunes e a IVI sob nova direção

(1) “Por que os bagunceiros que vão aos estádios para esculhambar, agredir, e até atirar contra o helicóptero da BM, têm seus nomes mantidos em sigilo?” (2) “O novo comandante da IVI da Avenida Ipiranga é Thiago Cerqueira, que se notabilizou por ironizar o Grêmio”.