Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
07 de abril de 2020.

Veja demite jornalista que tentava criticar o STF



Brasil 247

Imagem da Matéria

O jornalista José Roberto Guzzo – que tem firme simpatia pelo governo de Jair Bolsonaro - foi demitido da revista Veja, da Editora Abril, onde iniciou seu trabalho como colunista há 51 anos. A saída se deu após a recusa da direção da publicação em publicar sua coluna da sexta passada, na qual criticava o STF e dizia que os ministros, com o julgamento de quinta-feira 17 sobre a prisão depois da condenação da segunda instância, decidiriam "pela paz ou pela desordem".

Em uma carta de despedida, Guzzo escreveu que, "ao recusar a publicação da coluna mencionada", a Veja "exerceu o seu direito de não levar a público algo que não quer ver impresso em suas páginas. A partir daí, em todo caso, o prosseguimento da colaboração ficou inviável".

Leia a íntegra da carta do jornalista

Caros amigos

Desde quarta-feira, 15/10/19, não sou mais colaborador da revista “Veja”, na qual entrei em 1968, quando da sua fundação, e onde mantinha uma coluna quinzenal desde fevereiro de 2008. A primeira foi publicada na edição de 13/02/2008. A partir daí a coluna não deixou de sair em nenhuma das quinzenas para as quais estava programada.

Na última edição, com data de 16/10/19, a revista decidiu não publicar a coluna que eu havia escrito. O artigo era sobre o STF, e sustentava, como ponto central, que só o calendário poderia melhorar a qualidade do tribunal — já que, com a passagem do tempo, cada um dos 11 ministros completaria os 75 anos de idade e teria de ir para casa. Supondo-se que será impossível nomear ministros piores que os destinados a sair nos próximos três ou quatro anos, a coluna chegava à conclusão que o STF tende a melhorar.

A liberdade de imprensa tem duas mãos. Em uma delas, qualquer cidadão é livre para escrever o que quiser. Na outra, nenhum veículo tem a obrigação de publicar o que não quer. Ao recusar a publicação da coluna mencionada acima, “Veja” exerceu o seu direito de não levar a público algo que não quer ver impresso em suas páginas. A partir daí, em todo caso, o prosseguimento da colaboração ficou inviável.

Ouvimos, desde crianças, que não há bem que sempre dure, nem mal que nunca se acabe. Espero que esta coluna tenha sido um bem que não durou, e não um mal que enfim acabou. Muito obrigado.”


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Fux alerta juízes sobre os efeitos da Recomendação nº 62 do CNJ

• A dose dos remédios jurídicos recomendados por Toffoli “não pode matar a sociedade doente e gerar uma crise sem precedentes na segurança pública nacional”.

• STF julga dia 17 a ação direta de inconstitucionalidade da AMB contra parte do artigo 144 do CPC.

• O leitor sabe o que significa comorbidade? Está na moda.

• Melhores sinais na Europa na evolução do coronavírus.

• Piores sinais em residências brasileiras durante a quarentena.

A servidão voluntária nas redes sociais

“Jus Azul em retiro, sem futebol. Foi o primeiro a denunciar fake news, quando escreveu o Mito da Caverna, avisando: ´As sombras são sombras, oh, estúpidos´”.

Charge de Gerson Kauer

A adorável reclamante

 

A adorável reclamante

“Apregoadas as partes, entra triunfantemente na sala a elegante, jovem e bela reclamante. Ela exibe um par de pernas sedosas, deixadas à mostra por uma saia de seda marrom de comprimento tolerável”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

   O processo eletrônico

 

O processo eletrônico

“Ele acaba com as pilhas de autos nos cartórios e nas secretarias, mas não prescinde da atuação atenciosa e criteriosa dos que nele atuam. E as sessões virtuais provavelmente serão intensificadas após o retorno à realidade anterior à pandemia”.

Arte EV sobre imagem do Google

   Juiz extingue ação ajuizada por advogado para obrigar a Azul a reiniciar operações em Chapecó (SC)

 

Juiz extingue ação ajuizada por advogado para obrigar a Azul a reiniciar operações em Chapecó (SC)

 A empresa cancelou todos os seus voos ali, alegando ser decorrência da pandemia.

 Cuidado com golpes sobre precatórios que o TRT-4 estaria antecipando.

 Vinte dias depois de chegar ao Instagram, Sérgio Moro já tem 1 milhão de seguidores.

• Vem aí, em português, o livro sobre a Grande Gripe.

 Você sabia que o Brasil já teve um Presidente da República eleito que não assumiu (em 1919) porque foi vitimado pela gripe espanhola?

 2020 em casa: aumentam as buscas por chinelos e pijamas.