Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.

A greve do Judiciário e os prejuízos que causa à advocacia gaúcha



Montagem do Espaço Vital – Imagem meramente ilustrativa

Imagem da Matéria

Artigo de Viviane Andrade Machado, advogada (OAB-RS nº 101.462), com escritório em São Borja (RS).
vivimachado.adv@gmail.com

Todos sabemos que é assegurado, a aqueles que se sentem prejudicados, reivindicar seus direitos, porém não podemos esquecer que quando nos juntamos a mais pessoas na busca de um objetivo comum, também afetamos terceiros que possuem tantos direitos quanto nós.

Há mais de duas semanas a advocacia gaúcha está sofrendo os prejuízos causados pela greve dos servidores do Poder Judiciário.

O advogado autônomo é o mais afetado diante de tal situação. Sim, é dever e direito dos servidores pleitear a valorização de seu trabalho maçante e desgastante, porém também é direito do advogado - que depende do andamento dos processos e da expedição dos alvarás para sobreviver - ter suas demandas atendidas.

O autônomo não possui salário fixo, décimo terceiro e férias... O advogado autônomo depende única e exclusivamente do alvará para pagar suas contas e sustentar sua família.

Estamos numa era em que se fala muito em respeito ao próximo. Ocorre, todavia, que não estamos sendo atingidos por esse respeito de que tanto se fala e que tanto é preciso.

É indignante, humilhante e frustrante, o advogado(a) chegar ao fórum para pleitear a expedição de um alvará, sua fonte de sobrevivência, e ter que ouvir de um servidor que “Não estamos fazendo, doutora”.

Temos mesmo que esperar pela continuidade e desdobramentos de uma greve que está traçada desde o início por tempo INDETERMINADO para podermos colocar comida dentro de nossas casas? Devemos nos calar diante de tamanha falta de respeito e consideração com quem depende da advocacia para sobreviver?

Eu digo: não podemos!

O alvará judicial é verba alimentar. É direito do advogado ter expedido seu alvará para posteriormente sacá-lo junto à instituição bancária.

Na conjunção, onde estão os 30% de servidores com a obrigação de trabalhar? Estão trabalhando exatamente no quê?

E ainda temos que ouvir piadas enrustidas nos corredores por conta de que não assinamos a bendita “lista de apoio a greve”! Como podemos apoiar um movimento que em absolutamente nada nos beneficia? Então a classe de advogados deve apoiar, enquanto o Judiciário não atende a pedidos mínimos feitos por nós?

Estamos numa era onde tudo corre tão rápido, onde mudanças acontecem o tempo todo e onde tudo anda numa velocidade nem sempre capaz de ser acompanhada. Advogar é uma dádiva, é uma atividade que só pode ser desempenhada pelos fortes, guerreiros, aqueles que não fogem à luta, mesmo em tempos tão difíceis.

Quem trabalha dentro da lei e obedecendo normas sabe do que estou falando. E ,mesmo com todos os obstáculos, um advogado apaixonado pelo que faz jamais abandona o barco. Muito pelo contrário, corre contra a maré, enfrenta as dificuldades e ao final nem sempre vence, mas pelo menos sabe que lutou!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Tutela judicial debilitada e crise do Estado Social

“O atual conflito entre o Poder Executivo e o Poder Judiciário, com a ausência alarmante do Congresso Nacional, não é um conflito clássico entre poderes. E aponta a emergência da ordem arbitrária  e discricionária oculta, mas presente na gênese absolutista do Estado Moderno”. Artigo de Tarso Genro, advogado e ex-governador do RS.

Reprodução do YouTube

Mundo pós-pandemia e a indenização

 

Mundo pós-pandemia e a indenização

A professora emérita Sandra Szurek (foto), da Universidade Nanterre (França), escreveu - em artigo publicado num dos mais importantes jornais do mundo, o Le Monde - que "é legítimo colocar a questão da responsabilidade legal da China". Artigo de Eduardo Barbosa, advogado e conselheiro seccional da OAB-RS.

Imagem Youtube

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

 

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

“Na angústia de atingir as metas que lhes são impostas, as varas e os tribunais implementam, cada um a seu gosto, diferentes regulamentações. E é nesse contexto, na ausência do ponteiro da tropa, que a boiada passa, atropela e acaba se perdendo”. Artigo do advogado Jonatan Teixeira (OAB-RS nº 69.752).

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.