Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Morreu pela boca



Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade.

Já afirmei que o eterno vice futebol do Inter, resistente a todos os insucessos, derrubou o Odair sem querer derrubá-lo. O interessante é que significativa parcela da imprensa esportiva não se deu conta disso.

Melo, como o plebeu do poema de Machado de Assis – ´Mosca Azul -, ao enxergar a mosca azul, com asas de ouro, deslumbrado passou a sonhar com o poder e as riquezas em uma interminável fantasia que comprometeu o seu senso de realidade.

Melo é a solução sucessória para a garantia da permanência do ´status quo´ reinante no Internacional há mais de duas décadas. Com ele há a garantia de que nada mudará. Aliás, perguntado acerca da causa da sua permanência no comando futebol, Medeiros não conseguiu esconder a verdade: “Ele é fiel”.

Conheço a fidelidade entre casais, a canina, mas nunca a fidelidade no comando do futebol. É de questionar: por que ela é apontada como uma virtude? No caso do futebol do Internacional ela se dá em favor de quem?

Na quarta-feira da semana passada (9), após perder para o CSA, o homem do futebol do Inter viu ameaçado o seu obstinado desejo. Deparou-se com a irresignação da torcida, especialmente depois de sermos eliminados da Libertadores e derrotados na final da Copa do Brasil. Ele sentiu-se no dever de aplacar com palavras a revolta do torcedor. Durante a entrevista ao final da partida à medida que falava, mais se afundava.

A repercussão foi tão expressiva que já no dia seguinte Odair não estava mais no comando do vestiário colorado. Essa situação de dispensa do técnico não seria incomum, não fosse obra da trapalhada. Tanto é assim que se admitindo que o futebol do Internacional tenha planejamento, ao ser abandonado o plano A, seria apresentado o plano B. Hoje, tenho a convicção de que a atual diretoria foi levada pelas circunstâncias. Jamais teve plano A e muito menos plano B.

Mudamos sem ter quem colocar no lugar do Odair, isso faltando poucas rodadas para o final da competição na qual pretendemos ao menos uma vaga na Libertadores.

Ora é Roger, ora é Tiago Nunes e agora surge Eduardo Coudet. Todos excelentes técnicos, mas com enormes dificuldades para assumirem imediatamente o comando técnico do futebol do Internacional. As possibilidades contratuais são para janeiro do ano seguinte.

Isso é planejar o futebol?

Merecemos mais do que isso, pois essa situação é muito semelhante a aquela de demitir o técnico na quinta-feira antes do Gre-Nal de domingo.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

O Gre-Nal dos desesperados

Na quarta-feira, um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.

Reprodução Globo Esporte

O fenômeno Flamengo

 

O fenômeno Flamengo

“A boa administração do clube tem reflexos no futebol, resultando que a administração colha resultados. Sobre o jogo de  quarta-feira (25), apenas um comentário: foi pênalti no Guerrero e o nosso prejuízo foi grande”.

Charge de Gerson Kauer

O coronelismo de churrasqueira

 

O coronelismo de churrasqueira

“Logo após a debacle de ontem, o comentarista Mauricio Saraiva, defendeu a manutenção de toda a estrutura do futebol, apontada como concebida pelo ´maior dirigente da história do Internacional, Fernando Carvalho´. Eu penso diferente: deixar o Odair até o final do Brasileirão, quando poderá ser reavaliado, mas mudar o departamento de futebol já!