Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.
https://espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

Babados do STF



Google Imagens

Imagem da Matéria

- Boa noite, telespectador. Está acontecendo, neste instante, um dos julgamentos mais esperados da atualidade, que é aquele em que o STF vai decidir se a prisão antes do trânsito em julgado é constitucional ou não.

Após uma breve pausa, o âncora do telejornal prossegue:

- Acompanhando esse importante julgamento está a nossa ex colunista social que, agora, formada em Direito, virou setorista para assuntos jurídicos, a Doutora Sonsa Bocassolta. Boa noite, doutora.

A câmera corta para a setorista que transmitia, ao vivo, em frente ao imponente prédio do STF:

- Boa noite, genteee! Aqui em Brasília: ba-ba-dos! Se eu soubesse, antes, que aqui era assim, teria estudado Direito há muito tempo!

- Como assim, Sonsa? O que você presenciou, por aí? – indaga, o âncora.

- Vamos começar pelo bafão do momento: depois de quase morrer pela manhã, com a pressão arterial alterada, o ministro Marco Aurélio conseguiu reunir forças para comparecer à sessão e criticar a Procuradoria Geral da República, a Advocacia Geral da União, os ministros Dias Tóffoli, Gilmar Mendes e Luiz Fux! E isso que ele estava combalido! Há quem diga que, se estivesse saudável, Marco Aurélio teria conseguido criticar a unanimidade do plenário!

- Muito bem, mas, Sonsa, o que ficou decidido por aí, hoje? – indaga o âncora.

- Olha, ficou decidido que o ministro Marco Aurélio odeia o tal do plenário virtual do STF. Genteeee! Ele olhou feio para um procurador que o pressionou a usá-lo!

O apresentador tenta manter uma abordagem formal.

- Mas se falou da matéria propriamente?

- Só quem falou sobre a matéria foram os advogados das entidades que entraram com a ações e os ´amicus curiae´.

- E o que são ´amicus curiae´? – Indaga o âncora.

- São os ´amigos da corte´, ou seja, terceiros que possuem profundo interesse na causa que está em discussão. Olha, a corte está cheia de amigos, viu? Todos defendendo a aplicação literal da Constituição.

- Não entendi. Tem alguém que não quer a aplicação literal da Constituição?

- Ora, o povo, tolinho! O povo quer ver os corruptos no xilindró, e morre de medo que, com a aplicação da Constituição, alguns presos da Lava-Jato sejam soltos - assevera Sonsa, como se falasse o óbvio.

- Estranho. Eles não percebem que a questão deve ser considerada de maneira mais ampla, e que flexibilizar uma garantia fundamental pode dar margem a restrições de outros direitos garantias prejudicando a eles próprios, na medida em que enfraquece o Estado Democrático de Direito?

A repórter franze o cenho, desaprovando a pergunta tão técnica e sóbria, em plena sua inserção. Mas logo ela abre um sorriso e continua com o ti-ti-ti:

- Claro que não! O povo quer bafão, é ou não é, genteee?! Mas semana que vem tem muito mais: tem Marco Aurélio com a corda toda, tem Gilmar, tem Lewandowski, ihhh, muito melhor do que os meus tempos de fuxicos!

E depois dessa colocação a transmissão volta para o estúdio, onde o jornalista, sem nunca perder a compostura, pontua:

- A qualquer momento, voltaremos com mais babados do STF.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV

Questão de perspectiva

 

Questão de perspectiva

As amplas chances de vencer uma ação trabalhista, reverter uma demissão por justa causa e ganhar indenização da companhia aérea cujo voo atrasou. E os riscos de uma ação tributária contra a argentária Fazenda Pública.

Chargista DUKE

   A live jurídica

 

A live jurídica

Em tempos de isolamento social, a equipe de um excelente escritório de advocacia realiza uma reunião à distância, via plataformas digitais. O dono do escritório, agressivo e truculento, ordena: “Façam uma livre sobre qualquer porcaria, já e agora”.

Arte EV sobre foto Freepik

Teoria da (Im)previsão

 

Teoria da (Im)previsão

Filha de um grande jurista já falecido, a advogada recém formada - buscando orientações sobre o rumo que deveria dar à sua carreira - procura uma cartomante. Recebe, então, a dica: “Convide 19 colegas e abra um escritório para ajuizar ações com base na cláusula rebus sic stantibus”.