Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 20 de outubro de 2020.
https://espacovital.com.br/images/on_off_3.jpg

Panamá Papers, Wikileaks, GDPR, LGPD e você



Arte EV sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

Ano de 2007, mais de 1,2 milhões de documentos foram publicados no saite Wikileaks em grande parte dos Estados Unidos, mas com consequências em todo o mundo.

Ano de 2016, mais de 11,6 milhões de documentos confidenciais foram vazados através de uma sociedade de advogados panamenha, envolvendo mais de 214 mil empresas no mundo que teriam em paraísos fiscais empresas de offshore. Entre as empresas, várias do Brasil, ligadas a partidos políticos, pessoas influentes e outros.

Ano de 2018, entra em vigor a General Data Protection Regulation - GDPR, a lei de proteção de dados na Europa que já aplicou por descumprimento de suas determinações multas que superam 300 milhões de dólares.

Ano de 2019, programada para entrar em vigor em agosto de 2020 a Lei Geral de Proteção de Dados no Brasil, com grande influência da GDPR Européia, onde inúmeras medidas estão sendo estudadas e pensadas para não incorrer nos erros que outros já tiveram e foram multados.

E o que todos estes eventos têm em comum? Dados!

Dados de empresas, dados que foram usados de forma indevida (na Alemanha, por mau exemplo, um policial foi multado em 1,5 mil dólares por usar a placa de carro de um cidadão para conseguir o seu telefone, com fins pessoais), dados pessoais que são coletados de forma comum, singular e que cada vez mais estão conectados a outros dados, gerando um gigante de informação que antes não era relevante, mas se somada, pode ser inacreditável o seu potencial.

Diante deste cenário a jurimetria é cada vez mais relevante para conectar dados e trazer informações além do óbvio. A propósito, para ler mais sobre jurimetria, aqui mesmo no Espaço Vital, clique neste link:

E a coleta destes dados? Uma cultura que precisamos mudar no Brasil. Fornecemos nossos dados a qualquer um, de qualquer forma, sem nem nos preocuparmos na soma destes dados… Você já parou para pensar no que define você para o Estado? Um CPF, um RG, biometria, foto…

Agora pense onde estes dados podem estar reunidos? Numa instituição financeira? Num cadastro do órgão policial de registro? Ou na portaria de um prédio?

Um prédio comercial reúne mais dados que órgãos públicos têm, simplesmente para deixar você adentrar em uma sala para uma reunião, ou consulta médica. E onde estes dados estão armazenados? Onde está a segurança deles? Quem garante que não podem ser furtados, invadidos, ou até mesmo vendidos?

Precisamos urgentemente aprender a resguardar nossos dados, colocar as informações somente quando realmente necessárias em cadastros, saites pela internet e por aí, sob pena de estarmos em escândalos de vazamento de dados e/ou passarmos por furto de identidade por situações frívolas.

#pensenisto #cuidedosseusdados


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Montagem EV sobre foto Visual Hunt

Juízo 100% Digital: algoritmos julgando vidas?

 

Juízo 100% Digital: algoritmos julgando vidas?

“Aprovado pelo CNJ vem aí um sistema onde tudo funcionará de forma digital: o trâmite processual, as audiências, o atendimento aos demandantes, etc. Mas precisamos de advogados como administradores da paz social; servidores como elo de garantia ao acesso jurisdicional; juízes como decisores dos fatos dentro dos processos.”

LGPD: já temos a primeira sentença. E agora?

“Parceiros” da Cyrella obtiveram os dados do comprador do imóvel, para que pudessem assediá-lo na tentativa de fornecer a ele serviços estranhos aos prestados pela própria empresa vendedora do imóvel. Reparação moral será de R$ 10 mil.