Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.
https://espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

Mais babados no STF



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Do estúdio da provecta emissora de tevê, o apresentador - câmera em close nele – anuncia:

- Interrompemos nossa programação normal para um boletim, ao vivo, do STF, onde a repórter Sonsa Bocassolta, nossa ex colunista social que se formou em Direito, acompanha o julgamento sobre o cumprimento imediato da pena para condenados em segunda instância! É com você, doutora Sonsa!

Aparece, então, na tela, a super empolgada repórter que nunca nega suas origens que tivera junto às colunas de fofocas:

- Gente, gente, genteee! Esse plenário está bombando! Tem até comitiva da Rússia, China e África do Sul, assistindo! A coisa está chique por aqui, ou não está?

O âncora procura manter o foco no tema principal:

- Excelente, doutora Sonsa! Mas o que você nos diz sobre o julgamento propriamente?

- Por aqui o julgamento está pegando fogo! O placar está mais apertado do que semifinal de Libertadores! O ministro Marco Aurélio, todos já sabem, votou pela impossibilidade da prisão antes do trânsito em julgado, né? Ele nunca se conformou com esse entendimento de prisão depois do julgamento em segunda instância! Acredita tanto na tese que é difícil não concordar com ele!

E a repórter prossegue:

- E então foi a vez dos três mais novos ministros votarem: Alexandre de Moraes, Fachin e Barroso, todos pela constitucionalidade da prisão antes do trânsito em julgado. É impressionante como, nesse assunto, há uma identidade de posicionamento dos ministros mais novos em contraposição aos mais antigos!

O âncora prepara-se para fazer um comentário, mas Bocassolta retoma a palavra:

- E então, chega ela: diva, poderosa, maravilhosa Rosa Weber! Ela é assim, não dá “spoiler”! Quem quiser saber o voto dela tem que aguardar até o fim e só descobre quando ela fecha com o final “golden key”! Seu voto, contra a prisão antes do trânsito em julgado, arrancou elogios do presidente do Supremo.

E então a doutora respira, pega mais fôlego e tece a seguinte ponderação:

- Mas daí vêm o ministro Fux e profere um voto brilhante, em sentido contrário! Por aqui está assim: você ouve um ministro defender uma posição e fica convencido. Daí chega outro e faz você rever a sua posição. Olha... estamos muito bem de ministros! Não é à toa que hoje em dia todo o brasileiro sabe nominar os onze ministros do Supremo, mas não sabe a escalação dos onze jogadores titulares da seleção!

Ante essa deixa, o âncora pergunta:

- E o que o povo pode esperar desse julgamento?

- Olha, eu não sei e ninguém sabe, mas eu não via o povo brasileiro assim tão envolvido com um mistério, desde o assassinato de Odete Roitman, nos anos 80.

- Odete Roitman? – indaga o âncora que, aparentemente, não pertence à geração que assistiu à novela Vale Tudo.

- Sim! Você não conhece a célebre frase ´Quem matou Odete Roitman?´

- Não conheço não, mas seja lá quem for, deve estar aguardando julgamento até hoje... em liberdade.

Advertido – ninguém sabe por quem no estúdio – o âncora interrompe compulsoriamente:

- É hora de pedir os nossos comerciais...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV

Questão de perspectiva

 

Questão de perspectiva

As amplas chances de vencer uma ação trabalhista, reverter uma demissão por justa causa e ganhar indenização da companhia aérea cujo voo atrasou. E os riscos de uma ação tributária contra a argentária Fazenda Pública.

Chargista DUKE

   A live jurídica

 

A live jurídica

Em tempos de isolamento social, a equipe de um excelente escritório de advocacia realiza uma reunião à distância, via plataformas digitais. O dono do escritório, agressivo e truculento, ordena: “Façam uma livre sobre qualquer porcaria, já e agora”.

Arte EV sobre foto Freepik

Teoria da (Im)previsão

 

Teoria da (Im)previsão

Filha de um grande jurista já falecido, a advogada recém formada - buscando orientações sobre o rumo que deveria dar à sua carreira - procura uma cartomante. Recebe, então, a dica: “Convide 19 colegas e abra um escritório para ajuizar ações com base na cláusula rebus sic stantibus”.