Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

Tu / Você



Nos diálogos das relações pessoais e sociais, há dois pronomes em uso no Brasil: em algumas regiões, o preferencial é você; em outras, prefere-se tu. Este último é reconhecido como de uso exclusivo do gaúcho, quando, na verdade, é usado em diversas outras regiões do país. De outra parte, na sua origem, você é pronome de tratamento: começou como Vossa Mercê, passou por Vosmecê e acabou em você (juntando as sílabas inicial – vo – e final – – do tratamento).

Os pronomes de tratamento têm como característica o fato de serem de segunda pessoa gramatical, mas levarem o verbo e o pronome possessivo para a terceira pessoa, o que também se consagrou em relação a você, justamente por ser pronome de tratamento na sua origem.

O fato de exigirem a concordância em pessoas gramaticais diferentes ocasiona um dos erros de concordância mais presentes no uso da língua portuguesa em todos os níveis culturais. Um dos mais reconhecidos é aquele que se atribui ao gaúcho: usa o pronome de segunda pessoa, mas conjuga o verbo na terceira, como em tu viu, quando o correto seria tu viste; na escolha do pronome possessivo, normalmente acerta: teu amigo também. Outra versão do mesmo erro ocorre entre os que usam você em vez de tu: acertam na concordância do verbo: você viu, mas erram no pronome possessivo por usá-lo na segunda pessoa: teu amigo também, em vez de seu amigo também.

Nas comunicações formais, como na redação oficial, usam-se os pronomes de tratamento: Vossa Excelência (para altas autoridades) e Vossa Senhoria (para as demais autoridades e cidadãos em geral), entre outras formas de uso mais restrito. No uso do pronome de tratamento, outro erro se manifesta com frequência: em vez de usar o pronome possessivo de terceira pessoa (seu, sua, seus, suas), muitos optam, equivocadamente, pelo de segunda pessoa (vosso, vossa, vossos, vossas), induzidos ao erro pela presença de vossa no pronome de tratamento; exemplo: Vossa Excelência e vossa comitiva, em vez de Vossa Excelência e sua comitiva.

Como se conclui, o assunto requer atenção.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens

Reserva mental ou simulação unilateral

 

Reserva mental ou simulação unilateral

“A polêmica do contrato que envolve o caso do atleta Pedro Rocha na sua relação com os clubes envolvidos (Grêmio e Diadema). As duas expressões, usadas em contextos iguais, podem significar o mesmo, em que pese uma delas ser mais precisa do ponto de vista da ciência linguística”. O julgamento pelo TJRS será na próxima quarta-feira (11).

Arte EV

O jeito de escrever nos meios eletrônicos

 

O jeito de escrever nos meios eletrônicos

“Não se consegue imprimir na escrita a mesma velocidade da fala, razão por que se eliminou tudo o que pode emperrar a produtividade da digitação: abrevia-se quase tudo. Exemplos: Atenciosamente virou Att.; você virou vc.; que virou q., e assim por diante”.

Algumas discordâncias

Um erro frequente é o que envolve questões de concordância, tanto de gênero quanto de número. “São bens de consumo durável”, “Essa garota vai fazer carreira rápida”, “Elas estão só no sacrifício”...