Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

Tempo - é o que falta



Arte EV sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

Por João Batista Santafé Aguiar, jornalista, editor do AgirAzul.com
jbsa@pobox.com

Mesmo vivendo tempos de profunda radicalização, surpreende a todos a defesa acirrada pelo atual governador do Estado da pressa em ver aprovado um novo Código do Meio Ambiente do Estado do RS. Provavelmente, a avaliação realizada no Piratini foi que, a exemplo de outras votações na Assembleia ainda neste ano - como a da privatização da CEEE e outras empresas - havendo a maioria necessária, isto bastaria para ver as 480 modificações na lei serem aprovadas rapidamente.

Mas surgiu uma profunda irresignação da sociedade na tramitação urgente da matéria, inclusive de ex-secretários do Meio Ambiente dos mais diversos espectros políticos. O próprio Ministério Público, com a estrutura que tem, após uma semana de trabalho de um grupo especialmente designado, divulgou mais de 60 proposições, mas anotando que, antes de tudo, poderia contribuir mais e ser essencial a abertura do debate para com a população.

Não há urgência de fato na tramitação da matéria: não há razão econômica, não há razão climatológica ou qualquer outra – apenas a oportunidade de aprovação imediata pela maioria parlamentar que o governador conseguiu formar para quaisquer assuntos que submeta.

Mas mesmo que a decisão do desembargador Francisco José Moesch, do TJRS suspendendo a pressa na tramitação, seja revertida, fica o que já foi dito pelo próprio em sua decisão: “O desenvolvimento sustentável só poderá acontecer se houver a participação de todos os cidadãos, estabelecendo a essencial conexão entre a sociedade e as autoridades, como demanda um contexto democrático”.

Urge que o próprio Eduardo Leite retire o pedido de urgência e seu time dos tribunais. As articulações para grandes modificações no Código surgiram em 2016 mas nada foi protocolizado, sendo impossível a manifestação plural da sociedade. Houvesse menos resistência ao debate público da matéria pelos governos, o passado e o de agora, a legislação atual, de 2000, já teria sido aperfeiçoada.

Agora, as 28 emendas oferecidas, algumas por deputados da própria base do governo - o que denota por si a falta de discussão mesmo nas áreas internas, além daquelas sugestões do MP e as com outras origens que teriam que ser consideradas para legitimação do resultado - cria a tarefa impossível de redigir-se uma síntese aproveitável em apertado prazo.

Sem considerar que diversas estruturas organizadas da sociedade, como as apartidárias ONGs ambientalistas, por falta de condições mesmo de estudar de inopino as proposições, tivessem condições de manifestação sobre a totalidade das modificações.

Espera-se que Eduardo Leite, o jovem bacharel em Direito formado na vetusta Faculdade de Direito da Universidade Federal Pelotas criada em 1912, a segunda mais antiga do Estado, atual governador do Estado, e que esteve junto a Bernardo de Souza no último governo deste no Município como secretário da Cidadania, honre a memória do inovador prefeito, criador do Orçamento Participativo.

Leite pode dar um passo à frente e reconhecer a necessidade de maior discussão, colaborando com a qualidade dos resultados do trabalho da Legislativo. Mesmo não tendo sido observado na totalidade, o atual texto do Código do Meio Ambiente do Estado (Lei nº 11.520, de agosto de 2000), todos concordam neste ponto, pode ser sim aperfeiçoado.

Mas é necessário tempo. Tempo.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Cuidado com a alienação fiduciária!

“Os riscos envolvendo as espécies contratuais destinadas à compra de bens imóveis e bens móveis, como automóveis, motocicletas, máquinas agrícolas, etc. São momentos únicos e cruciais”. Artigo do advogado Rodrigo Ribeiro Sirângelo.

Charge de Luiz Fernando Cazo - Blog do AFTM.com.br

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

 

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

“A PEC nº 333/17 foi aprovada na Comissão Especial do Senado, no plenário, nas Comissões da Câmara, mas dormita na gaveta da respectiva Presidência, há quase ano e meio. É que o poder de pautar a votação no plenário é monopólio de Rodrigo Maia”. Artigo de Roberto Livianu, promotor de justiça e presidente do Instituto Não Aceito a Corrupção.

Funcionamento da Justiça: ação coletiva em favor da cidadania

“O Poder Judiciário desempenha papel de primeira grandeza social, não podendo a prestação jurisdicional limitar-se apenas às medidas de urgência. Precisamos avançar”. Artigo de Rafael Braude Canterji, conselheiro federal da OAB pelo RS.

Advocacia engrandecida

“Uma singela homenagem ao quadro de brilhantes advogados de origem judaica que dignificaram a profissão, e que admirei nos meus 40 anos de atuação como servidor da Justiça gaúcha”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, ex-escrivão do 7º Cartório Cível de Porto Alegre.