Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
03 de abril de 2020.
https://espacovital.com.br/images/leitores.jpg

Uns podem alugar via Airbnb, outros não! Por que?



 De Monica Dutczak, sobre Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb: https://espacovital.com.br/publicacao-37436-caso-gaucho-pode-ser-paradigmatico-para-chancelar-ou-restringir-o-airbnb

“Preciso muito da ajuda do Espaço Vital. Sou Monica Dutczak, atualmente mais conhecida como ´a mulher de Porto Alegre´, a recorrente no recurso especial. Necessário esclarecer que se de fato aqui neste condomínio fosse proibido alugar via Airbnb, teria sido muito mais simples, bem mais econômico e muito menos desgastante para mim, eu me mudar para onde fosse permitido. Não é este o caso.

Desde antes de mim já haviam outros apartamentos, aqui mesmo, que alugavam quartos. Tanto é verdade que levei como testemunha a filha de um casal que hoje já não mora mais aqui. Mas ficou registrado no processo.

Mais importante, e ainda não vi nenhuma matéria jornalística relatar, é que ainda hoje há ao menos outros dois apartamentos - aqui no mesmo Condomínio Coorigha que está me processando - que também são alugados via Airbnb. Tenho ambos os anúncios impressos como prova. Num destes eu mesma fiz uma reserva este mês. Tudo irrefutavelmente comprovado.

Outra coisa interessante é que, embora a assembleia dos condôminos seja soberana, aqui são 104 apartamentos e na assembleia que decidiu me processar foi pelo total de 8 votos. E aqui no prédio são 104 unidades ...

Preciso tornar isto tudo público. Por favor me ajudem. Não é razoável que uns possam e outros não...

 De João Elpídio de Almeida Neto, procurador municipal, também sobre Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb:

“O gaúcho é reconhecido como o povo mais beligerante do Brasil, quiçá do Planeta. Batemos recordes na interposição de ações judiciais. Esta que trata das locações via Airbnb é mais uma prova disso. Litigar no Brasil é ainda muito barato, pois se assim não fosse haveriam mais composições para solução de litígios. Efetivamente temos muito a aprender”.

De Saulo Vieira Rinaldi, advogado, sobre Devedor do Banrisul por sete anos:https://espacovital.com.br/publicacao-37416-devedor-do-banrisul-por-sete-anos

“Ganha um empréstimo em banco oficial, por sete anos, a carinhosos juros de 1% anual, quem conseguir acessar, no saite do TJRS, as informações processuais da comarca de Ibirubá, para saber em quantas ações em que o Banrisul é parte, o juiz Ralph de Moraes Langanke se deu por suspeito. Por enquanto, façam suas apostas: 1, 2, 3, 5, 10, 30... ou 50? Quem dá mais?”

• De Leandro do Amaral Wichinewsky, estagiário, também sobre Devedor do Banrisul por sete anos.

“Madame Tartaruga foi vista na comarca de Ibirubá, procurando consertar o sistema local de informações processuais. O réptil retornou a Porto Alegre sem sucesso”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Reprodução de www.oab.org.br em 06.3.2020, às 8h30

CF-OAB oficialmente só publica o quanto arrecadou até setembro do ano passado

 

CF-OAB oficialmente só publica o quanto arrecadou até setembro do ano passado

 Já estamos no terceiro mês de 2020 e as contas oficiais publicadas estão com cinco meses de atraso.

• Opiniões de advogados sobre as comparações entre OAB (Brasil) e ABA (EUA).

 Leia o que dizem os advogados Léo Ricardo Petry, Taciana Martins Faria Neves, Eduardo Dorfman Aranovich, Simone Maria Serafini e o bacharel Nelson Carmo Pedro Gonzaga.

Arte EV

Os R$ 8,5 milhões da advocacia gaúcha que vão anualmente para o CF-OAB

 

Os R$ 8,5 milhões da advocacia gaúcha que vão anualmente para o CF-OAB

 Advogado Roberson Azambuja deplora que esse dinheiro é retirado de jovens profissionais da advocacia.

 Contador Peter H. Grunewald se diz impressionado com a vazão da dinheirama.

 Advogado Fernando Maciel Ramos diz que os colegas devem se negar a prestar serviços como dativos.

 Advogado Cicero Barcellos Ahrends elogia a 8ª Câmara Cível do TJRS.

 Advogados Jarbas Manoel da Silva e Luiz Carlos Kremer comentam sobre terrenos da União à beira-mar.

Arte de Camila Adamoli

Críticas da classe advocatícia sobre a utilização do CF-OAB para fins político-partidários

 

Críticas da classe advocatícia sobre a utilização do CF-OAB para fins político-partidários

· “O presidente nacional, eleito por um colegiado (nada democrático) não representa o entendimento da grande maioria dos advogados”.

· Considerações sobre a “farra das lagostas” e as “altas autoridades”.

· Advogado promete passar a mão no touro de New York, para tê-lo como símbolo da reação contra o CF-OAB.

· As instituições soltas, sem qualquer freio.

· Manifestações dos leitores Patricia Alovisi, Róberson Azambuja, Alceu Giorgi, João de Oliveira Menezes, Afonso Saraiva Moraes, Péricles Silva Monteiro, Plinio Paulo Bing, Leandro Esper Castro e Amilcar Ricardo Zabaletta.

www.BlogdoAFTM.com.br

Críticas à posição da OAB contra a PEC da Segunda Instância

 

Críticas à posição da OAB contra a PEC da Segunda Instância

 Manifestações de advogados qualificam de “inadmissível e vergonhosa” a postura do Conselho Federal da Ordem dos Advogados.

 “O presidente é eleito por um colegiado, como na época da ditadura militar e defende ideais próprios que não representam a maioria dos advogados brasileiros”.

• O futebol jurídico numa causa de R$ 15 milhões.

 Renato Portaluppi ainda é o melhor treinador na era recente do Grêmio.

 As opiniões dos leitores Cícero Barcellos Ahrends, Luiz Victor Santos de Moraes, Roberson Azambuja, José Mario De Boni, Alceu Georgi, Sérgio Drebes, Rodrigo Christini, Rodrigo Severino e Abrahão Finkelstein.

Fotos de Iúri Barcellos /Agência Pública (E) e João Miranda / Vai Dá Pé.com.br (D)

   “Como reagiria um membro do Supremo se um familiar experimentasse situações inarráveis?”

 

“Como reagiria um membro do Supremo se um familiar experimentasse situações inarráveis?”

  E se um dia a máquina do tempo levar ministros do STF de volta ao Século 19...

 Muitos ´anjinhos´, graças a seus causídicos, empurram com a barriga os processos para as calendas, até prescrever.

 O ócio remunerado de 90 dias anuais no Judiciário.

 Manifestações dos advogados Cícero Barcellos Ahrends, Edgar Granatta, Paulo H. Mattos, Valdivino Jacobbo Baruffi e Rodrigo Borges Rodrigues. E do cientista político Bolívar Lamounier.

O juiz endividado com o Banrisul

Em Ibirubá só se fala nisso. Inclusive que o magistrado ganha 9,5 vezes o que um trabalhador gaúcho recebe em média por mês. A Subseção local da OAB não se manifestará, e espera a iniciativa da OAB-RS. Em 30 e-mails, advogados, estagiários e até um contador fazem considerações. E há quem lembre que juiz gaúcho não ganha, de presente, “lagostas oficiais supremas”.