Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

As duas espécies de prescrição penal e a esperança dos condenados na Lava-Jato



Arte EV sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

 A conversa fiada de Toffoli

A lei, em regra, é feita para valer para o futuro – não é necessário ser doutor em Direito para saber. A regra adotada pelo ordenamento jurídico é de que a norma não poderá retroagir; ou seja, a lei nova não será aplicada às situações constituídas sobre a vigência da lei revogada ou modificada. Trata-se do princípio da irretroatividade.

Se aprovada, a proposta de Dias Toffoli para impedir (?) prescrições em processos penais que estiverem aguardando o trânsito em julgado no STJ ou STF, ela só alcançará as ações de crimes cometidos após a publicação da pretendida nova lei.

Em síntese: a ideia do presidente do Supremo não se aplica a réus da Lava Jato. Claro...

Em outras palavras – e espancando a conversa fiada do presidente do STF - todos os que foram apanhados nos desdobramentos da “república de Curitiba” poderão seguir recorrendo até a prescrição.

  O factoide de Toffoli

Em reforço à linha do que o Espaço Vital sustenta na nota acima, é precioso invocar a análise feita por Silvana Batini, procuradora regional eleitoral no Rio de Janeiro e professora da FGV Direito Rio, em artigo publicado nesta mesma edição do Espaço Vital.

Escreve ela: “O ministro Toffoli parece querer evitar o desgaste que a Corte sofrerá, caso derrube sua própria jurisprudência e proíba a execução das penas após segunda instância. Mas ele avaliou mal sua estratégia” – diz Silvana.

A jurista expõe um raciocínio nuclear:

“Existem no Brasil duas espécies de prescrição penal: um prazo para condenar, e outro para fazer o réu cumprir a pena. A proposta de Toffoli sugere suspender apenas a primeira delas, a prescrição da pretensão condenatória. Depois de julgados todos os recursos em todas as instâncias, descobre-se que ocorreu a prescrição da pretensão executória: o Estado perdeu o prazo para executar a pena, porque este não estava suspenso. E jogou-se trabalho e dinheiro público fora”.

A propósito, o ministro Toffoli conhece bem esse problema, porque tem sob sua relatoria o recurso extraordinário de repercussão geral nº 788. Nos modorrentos autos se discute exatamente a necessidade de se adequar a contagem da segunda espécie de prescrição à lógica do sistema constitucional brasileiro.

O respectivo recurso especial virou suprema tartaruga e aguarda ser julgado desde 2015. É só conferir! (ARE nº 848.107).

 A dolorosa traição

O Conselho Nacional de Justiça arquivou um procedimento protocolado pela ex-cônjuge de um juiz federal do TRF da 1ª Região. Textualmente ela verberou o prejuízo à jurisdição, “porque meu ex-marido se ausentou injustificadamente do local de trabalho para ir a um motel na companhia de outra pessoa”.

A escapada – flagrada e lamentada (até rimou...) - resultou na separação do casal.

O corregedor nacional Humberto Martins concluiu que “por mais doloroso que seja a traição para a ex-esposa, ela não resultou em negligência à atividade jurisdicional – que estava em dia e em aparente normalidade administrativa”.

O comprovado é que a decisão do corregedor chancela que “o juiz, como agente político que é, não se sujeita a uma jornada diária rígida, nem tampouco existe norma que lhe obrigue a uma determinada quantidade de horas de trabalho”.

Há controvérsias. Mas há segredo de justiça garantido.

 O incomparável Maia

A Câmara Federal comandada por Rodrigo Maia (DEM-RJ) vai gastar até R$ 340 mil para comprar 267 eletrodomésticos. Conforme o edital da licitação, serão 87 televisores de diferentes polegadas (32, 40, 50, 70).

A lista inclui ainda 20 frigobares (R$ 1 mil cada), dez refrigeradores duplex (R$ 3,5 mil cada), nove micro-ondas de R$ 542. Pra arrematar, ventiladores, cafeteiras e circuladores de ar mais baratinhos.

Lembram daquelas campanhas publicitárias, no estilo de “O Patrão enlouqueceu”?

Pois é isso mesmo...

  Compensação ?

As empresas terão que assumir as despesas com o afastamento dos funcionários por motivo de doença, antes mesmo da realização da perícia do INSS. Em compensação (?), os empregadores poderão abater o gasto no valor de tributos e contribuições a recolher para a Previdência.

O dispositivo foi aprovado, na quarta-feira (30) pela comissão mista do Congresso que analisa a Medida Provisória nº 891. Esta também fixa a antecipação da metade do 13º salário em agosto a aposentados e pensionistas do INSS.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer para capa de edição da Revista Espaço Imóvel/SECOVI/RS - Editada.

Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb

 

Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb

  Criado em 2008 nos EUA, o aplicativo oferece, sempre, em média, 500 mil imóveis residenciais, em 35 mil cidades, em 192 países.

  Decisão do TJRS – que teve recurso especial admitido pelo STJ – proibiu que, em prédio residencial de Porto Alegre, mãe e filho possam alugar dois apartamentos a terceiros via Airbnb.

  Possíveis mudanças no Exame de Ordem.

  Uma página exclusiva da Presidência do STF na internet.

O caso do prefeito gaúcho que nomeou a namorada como chefe da divisão de licitações e contratos no município

•  Decisão do TJRS determina a exoneração da auxiliar: “Transgressão dos princípios constitucionais da impessoalidade e da moralidade”.

•  Tem também o caso do titio gentil como prefeito que nomeou duas jovens sobrinhas advogadas para o secretariado.

•  Juíza estabelece norma para saias e vestidos das advogadas: limite de 5 cm acima do joelho.

•  Vem aí a biografia não autorizada de Eduardo Cunha (MDB-RJ): “Deus tenha misericórdia dessa Nação”...

Imagens: DepositPhotos/Freepik - Montagem: Gerson Kauer

A demorada ação penal que está no “balcão da janela”

 

A demorada ação penal que está no “balcão da janela”

•  Desde o dia 7 deste mês, os 18 volumes de sigiloso processo aguardam impulsionamento na 9ª Vara Criminal de Porto Alegre.

•  Leilão judicial de terreno penhorado do CEJUS - Centro dos Funcionários do TJRS. A alienação será no dia 19 de novembro e objetiva o pagamento dos créditos apurados em 19 ações trabalhistas.

•  Deltan Dallagnol recusa hipótese de promoção para continuar na Lava-Jato em Curitiba.

•  Alexandre de Moraes suspende ação penal contra dois empresários presos na operação Boca do Lobo.

Como Alemanha, Argentina, Estados Unidos, França, Itália e Portugal decidem sobre a execução antecipada da condenação criminal

  As regras que determinam qual grau de jurisdição pode levar um réu à prisão variam de acordo com o sistema jurídico de cada país.

  Rodrigo Maia não vai pautar a PEC sobre a prisão em segunda instância: “É necessário esperar o caminho do Supremo”.

  Contestação entregue quatro minutos depois do fechamento do cartório é intempestiva.

  Mercedes Benz condenada por impor ócio forçado a uma trabalhadora.

  As desigualdades no Brasil seguem crescendo.

Imagem Camera Press

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 

Impasse entre Ajuris e TJRS será decidido pelo Conselho Nacional da Justiça

 A entidade dos juízes e a presidência da Corte gaúcha divergem sobre a regulamentação da assistência à saúde suplementar dos magistrados e servidores do Poder Judiciário do RS.

 Rapidez e urgência: CNJ dá cinco dias para o TJRS se manifestar.

 Julgamento, pelo STF na quinta-feira, de três ADCs definirá a prisão, ou não, após os julgamentos de segunda instância.

• Modulação da tese referente à ordem de apresentação de alegações finais de réus delatores e delatados fica sem data.

Montagem de Gerson Kauer (Divulgação)

A primeira vez de Matheus Henrique

 

A primeira vez de Matheus Henrique

•  Estreante em primeira classe de voos internacionais, o já festejado volante do Grêmio confunde a versão brasileira de uma toalhinha ´oshibori´ com uma tapioca dura e pegajosa.

• Veja o vídeo de como o próprio atleta - durante o almoço no hotel em Singapura – detalhou o acontecido.

•  Nascido em Paradas de Taipas (SP), Matheusinho começou no futebol com sete de idade. De família humilde, seu pai não conseguia levá-lo para a escolinha. Nos campos de uma favela e na várzea aprimorou o talento.