Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O Gre-Nal dos desesperados



Vem aí mais um Gre-Nal para sacudir o futebol gaúcho. Os resultados colhidos pela dupla nas competições ainda doem às respectivas torcidas. Ambos os clubes rigorosamente eliminados, deixando escapar valiosas oportunidades, com maior ou menor vexame nos resultados de campo. A diferença entre um e o outro no ano é o título gaúcho.

O que restou diante da frustração das expectativas é a luta por uma vaga na Libertadores de 2020. Isso é muito pouco para dois gigantes do futebol brasileiro.

O Gre-Nal do próximo domingo vale muito mais do que os três pontos.

Considerando o que resta pela frente, ele será decisivo para definir quem poderá estar entre aqueles que disputarão a Libertadores, pois dificilmente diante de uma derrota haverá condições de recuperação e avanço.

A situação do Internacional é mais arriscada, pois com a mudança do técnico não teremos tempo para que ele possa definir um modelo de equipe e um sistema tático adequado. Agrada-me a sua opção pelo ofensivismo, rompendo com a cultura retranquista imposta ao longo dos últimos anos. Entretanto, é preciso um certo tempo para que as coisas aconteçam pois infelizmente o futebol não lida com milagres.

A dogmática máxima de que em casa ganhamos, é contrariada pelos resultados dos últimos quatro jogos no Beira-Rio. O jogo de ontem (31) com o Athlético Paranaense, o último confronto antes do Gre-Nal, revelou perigosas fragilidades.

O confronto máximo do futebol gaúcho será na casa do adversário. No lado do Internacional um técnico novo e do lado do rival um que está no comando em uma considerável sequência de anos.

Mais uma vez é imprevisível o que pode acontecer.

Na quarta-feira (30) um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.

(Um parênteses que o editor do Espaço Vital, Marco Antonio Birnfeld, soprou-me agora cedinho. A tal “proposta” do taxista não tem nada a ver com a “proposta indecente” que sacudiu uma das maiores bancas advocatícias brasileiras.).

Eu nunca desprezo a percepção popular, entretanto o Gre-Nal é o único título em disputa e o que pode somar no saldo da temporada.

Assim, enquanto não mudamos as nossas convicções de poupar jogadores, escolhendo competições, ficamos nisso: disputa de vaga e Gre-Nal.

Que venha então o Gre-Nal!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

Morreu pela boca

“Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade. Já afirmei que Melo, o eterno vice futebol do Inter - resistente a todos os insucessos - derrubou o Odair sem querer derrubá-lo”.  

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.

Reprodução Globo Esporte

O fenômeno Flamengo

 

O fenômeno Flamengo

“A boa administração do clube tem reflexos no futebol, resultando que a administração colha resultados. Sobre o jogo de  quarta-feira (25), apenas um comentário: foi pênalti no Guerrero e o nosso prejuízo foi grande”.

Charge de Gerson Kauer

O coronelismo de churrasqueira

 

O coronelismo de churrasqueira

“Logo após a debacle de ontem, o comentarista Mauricio Saraiva, defendeu a manutenção de toda a estrutura do futebol, apontada como concebida pelo ´maior dirigente da história do Internacional, Fernando Carvalho´. Eu penso diferente: deixar o Odair até o final do Brasileirão, quando poderá ser reavaliado, mas mudar o departamento de futebol já!