Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/fechamento.jpg

Aos 61 de idade, mulher dá à luz bebê



Reprodução RP TV

Imagem da Matéria

Com 61 anos, a técnica em enfermagem Ana Maria Pontelo Moreira engravidou e deu à luz um menino em Londrina, no norte do Paraná, na quarta-feira (30). Depois de cinco anos de tratamento, ela não desistiu do sonho de ser mãe.

“É um sonho realizado. O tratamento não foi fácil porque tem que tomar hormônios, gasta bastante e também tem muita gente que não acredita. Estou muito feliz”, contou emocionada Ana Maria, numa matéria jornalística transmitida pela RP TV. Ela diz que antes de decidir pela fertilização in vitro ficou na fila para adotar uma criança. Depois de se separar do marido, ela decidiu engravidar.

“Como fazia muitos cursos, faculdade e trabalhava, o sonho foi adiado. Mas, em 2014 comecei o tratamento de fertilização porque não tenho parceiro. A gestação foi tranquila, só tive um problema na coluna, mas fiz tratamento com ortopedista, pilates e fisioterapia. Tirando isso, foi tudo tranquilo”, diz Ana Maria.

O bebê, chamado de Ian, nasceu com 47,5 centímetros e 3,4 quilos. O médico obstetra João Cafari Goes Filho, que acompanhou as 39 semanas de gestação, admite que pela idade da técnica em enfermagem a gravidez poderia ser de risco.

“Atualmente, a medicina dá essa opção. Antigamente, aos 40 ou 43 anos a vida obstétrica da paciente estava encerrada. Mas, agora as mulheres querem trabalhar mais, estudar mais, às vezes tem o segundo casamento. A medicina oferece a opção de fertilidade, está mais acessível e há faculdades que oferecem isso gratuitamente. Além disso, o pré-natal também evoluiu” - diz o médico.

Para realizar o sonho de ser mãe, Ana Maria recorreu aos bancos de óvulos e de sêmen. Ela escolheu materiais genéticos compatíveis com as próprias características para a fertilização in vitro. "A partir dos 40 anos não é possível mais usar os óvulos, então apelei para uma pessoa mais jovem, compatível com o meu tipo sanguíneo. Espero que a minha história seja uma inspiração para outras pessoas, é muito gratificante. Sei que têm mulheres mais velhas que querem ser mães, mas têm medo. Eu realizei o meu sonho”, concluiu Ana Maria Pontelo Moreira.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Jurista gaúcho diz que o Supremo “já tem inimigos demais”

• Saite paulista analisa a sustentação oral de Lenio Streck como ´amicus curiae´: “Se o artigo 283 do CPP espelha a Constituição, seria a Constituição inconstitucional?”.

 Estudante que cursou pré-escola com bolsa tem direito à vaga como cotista.

Gilmar Mendes substitui prisão de doleiro por fiança de R$ 5 milhões.

Arte EV sobre imagem de https://blog.guadaim.com.br

   Direito ao esquecimento: Google condenado a retirar vídeo que prejudica carreira de mágico

 

Direito ao esquecimento: Google condenado a retirar vídeo que prejudica carreira de mágico

  As cenas que viralizaram no Youtube e em redes sociais mostravam o artista da magia ofendendo um menino de 6 anos, em 2013, durante uma festa infantil.

  Julgado reconhece o direito ao esquecimento, mas nega a indenização, por inexistência de ato ilícito na difusão das imagens.

  Juiz estadual gaúcho indicado para vaga no Conselho Nacional de Justiça.

 Empresas de Silvio Santos indenizarão Natura por uso indevido de marcas.

  Pesquisa revela que horário de verão inibe a criminalidade.