Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,08 de novembro de 2019.

TI - Brasil aponta “inverdades e ilações irresponsáveis” no voto de Gilmar Mendes



A Transparência Internacional - Brasil expediu nota pública, na madrugada de hoje (8) sobre o conteúdo – “inverdades e ilações irresponsáveis” – contidas no voto de Gilmar Mendes, proferido ontem (7) durante a sessão do Plenário do STF. Em meio à leitura de voto sobre uma questão constitucional o ministro fez afirmações depreciativas a entidades que atuam no front anticorrupção, como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a própria Transparência Internacional.

Na nota, a TI – Brasil “lamenta não apenas essas tentativas de desqualificação, mas principalmente o fato de serem sem embasamento as acusações proferidas por um dos ministros da mais alta corte do país”.

Leia os principais tópicos

· Sobre o Memorando de Entendimento entre a TI, o MPF e a empresa J&F: “A TI – Brasil esclarece que nunca recebeu qualquer recurso financeiro, e que é falsa a afirmação de que assumiu responsabilidades de gestão dos recursos advindos do acordo de leniência assinado entre o Ministério Público Federal e a empresa J&F.

Prossegue: “A TI assinou publicamente , em 12 de dezembro de 2017, um Memorando de Entendimento com o MPF (Forças-tarefas das Operações Greenfield, Sépsis, Cui Bono e Carne Fraca) e a J&F para apresentar recomendações para institucionalizar procedimentos e melhores práticas de governança, transparência e integridade na gestão dos recursos destinados ao investimento social”.

Adiante: “O memorando acordou ainda que a TI apresentaria recomendações à estratégia de investimento nas temáticas da prevenção e controle social da corrupção, além de realizar o monitoramento independente do desembolso dos recursos para investimento

Em oposição ao que afirmou Gilmar Mendes, a TI – Brasil afirma que “não recebeu qualquer remuneração pelo trabalho desenvolvido – sendo que o mesmo acordo mencionado estabeleceu que não haveria nenhum tipo de remuneração por essa atividade como forma de justamente preservar sua independência”.

· Sobre a participação da TI na gestão dos recursos provenientes de multa aplicada à Petrobras: “A TI – Brasil foi consultada pelo MPF e apresentou recomendações de governança, transparência e salvaguardas anticorrupção e conflitos de interesse, baseadas na pesquisa de melhores práticas desenvolvida para o relatório Governança de Recursos Compensatórios em casos de Corrupção”.

· Sobre a colaboração entre TI e MPF sobre investigações da Lava Jato na Venezuela:A TI – Brasil também esclarece que não ofereceu apoio financeiro ou operacional para viagens de procuradores exilados venezuelanos para colaborarem com investigações do MPF, conforme nota publicada em 8 de julho de 2019 . A organização reafirma que é parte de sua missão oferecer apoio e proteção a qualquer autoridade pública que se encontre perseguida por cumprir seu dever funcional de combater a corrupção ou atuar como ´whistleblower´ (denunciante de suspeitas de irregularidades), como no caso dos procuradores venezuelanos no exílio”.

Prossegue: “A TI – Brasil defende e continuará a defender que as instituições judiciais brasileiras explorem todas as possibilidades legais de atuar extraterritorialmente contra autoridades venezuelanas ou de quaisquer outros países que tenham cometido crimes sob jurisdição brasileira”.

A nota pública arremata afirmando que “a Transparência Internacional - Brasil publicou recentemente relatório apontando os graves retrocessos nos marcos legais e institucionais anticorrupção no Brasil, incluindo decisões individuais de ministros do STF”.

E reafirma “o respeito e compromisso com a defesa da instituição democrática do STF, sem prejuízo do cumprimento de nosso papel de denunciar retrocessos nos notáveis esforços da sociedade e das instituições brasileiras na luta contra a corrupção e a impunidade histórica de ricos e poderosos no país”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentário
Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Espaço Vital.

Se for advogado(a) ou estagiário (a), informe qual a sua Seccional da OAB e o número de sua inscrição.




Mensagem (Máximo 500 caracteres)
Não devem ser usadas palavras inteiras em maiúsculas.
Os comentários que estiverem escritos em letras maiúsculas e contiverem links serão rejeitados.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Acompanhe em tempo real a sessão do STF

Com imagens e áudio da Tv Justiça, o Espaço Vital está retransmitindo a sessão desta quinta-feira (7) do STF. A previsão é de que o julgamento termine hoje, com o voto de Minerva do presidente Dias Toffoli.

Diálogos ríspidos ontem no Supremo

Desentendimento ocorreu durante julgamento sobre prestação de contas partidárias. Alexandre de Moraes era constantemente interrompido. Toffoli pediu “respeito aos colegas” e Barroso reclamou da “deselegância” do presidente.

O poder feminino em dois TRTs e na advocacia gaúcha

Pela quarto biênio consecutivo, o TRT-RS será presidido por uma mulher (Carmen Izabel Centena Gonzalez). O TRT-SC elegeu ontem (7) também uma mulher: Lourdes Leiria. E na OAB-RS aumenta a diferença do gênero feminino: superioridade do número de advogadas (50,17%) e estagiárias (55,98%).