Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

Dois meses de férias para todos!



Por Nelson Motta, jornalista e escritor.
Publicado originalmente em O Globo, edição de 8.11.2019

Deve ser um fator cultural, mas o conceito “tempo é dinheiro” não tem plena vigência no Brasil. Aqui esbanja-se tempo (dos outros). E o tempo é o bem mais precioso que o dinheiro pode comprar, tempo de esperas, de filas, de desconforto, de conversa mole, de trabalho duro e inútil. Seu tempo, que foi gasto trabalhando, não volta atrás, a única compensação são as férias.

É fato: no tempo em que uma atendente do McDonald’s brasileiro serve um cliente, uma americana atende quatro. O mesmo nas caixas de supermercados e check-ins de aeroportos. Na burocracia oficial. Um precioso tempo das nossas vidas, que poderíamos usar para descansar ou nos divertir, mas foi roubado.

Produtividade é o nome do jogo, fazer o melhor uso do tempo para produzir mais e melhor, é a distância entre o progresso e o atraso.

No Brasil, são os que ganham os maiores salários do serviço público que querem o dobro do tempo de férias que têm os contribuintes que lhes pagam os salários, como defende o procurador-geral da República, chefe de uma instituição que existe para defender a ordem jurídica e os direitos do cidadão. Querem o tempo e o dinheiro.

O chefe diz que os procuradores merecem 60 dias de férias porque seu trabalho é exaustivo, estressante e até desumano. E quantos meses de férias deveria ter um médico da emergência de hospital público? E uma enfermeira? E um motorista de ambulância? Juntos, eles ganham uma fração do salário de um procurador. E deles depende a vida das pessoas.

Como dizia o imortal Stanislaw Ponte Preta, ou restaure-se a moralidade ou locupletemo-nos todos. Se os procuradores têm direito, os juízes e os servidores da Justiça têm, os congressistas, os vereadores, os professores têm, todas as categorias com lobbies fortes têm, todo mundo quer dois meses de férias — uma jabuticaba de que nenhuma categoria profissional desfruta em qualquer país desenvolvido e mais rico do que nós.

E o deboche de chamar de “recesso” o ócio remunerado é como Bolsonaro chamando a censura de “filtro”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Cuidado com a alienação fiduciária!

“Os riscos envolvendo as espécies contratuais destinadas à compra de bens imóveis e bens móveis, como automóveis, motocicletas, máquinas agrícolas, etc. São momentos únicos e cruciais”. Artigo do advogado Rodrigo Ribeiro Sirângelo.

Charge de Luiz Fernando Cazo - Blog do AFTM.com.br

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

 

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

“A PEC nº 333/17 foi aprovada na Comissão Especial do Senado, no plenário, nas Comissões da Câmara, mas dormita na gaveta da respectiva Presidência, há quase ano e meio. É que o poder de pautar a votação no plenário é monopólio de Rodrigo Maia”. Artigo de Roberto Livianu, promotor de justiça e presidente do Instituto Não Aceito a Corrupção.

Funcionamento da Justiça: ação coletiva em favor da cidadania

“O Poder Judiciário desempenha papel de primeira grandeza social, não podendo a prestação jurisdicional limitar-se apenas às medidas de urgência. Precisamos avançar”. Artigo de Rafael Braude Canterji, conselheiro federal da OAB pelo RS.

Advocacia engrandecida

“Uma singela homenagem ao quadro de brilhantes advogados de origem judaica que dignificaram a profissão, e que admirei nos meus 40 anos de atuação como servidor da Justiça gaúcha”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, ex-escrivão do 7º Cartório Cível de Porto Alegre.