Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

O STF derruba a presunção de inocência



Por Moacir Leopoldo Haeser, advogado (OAB-RS nº 45.143)
moacir@haeseradvogados.com.br

Por mais surreal que possa parecer, a decisão do STF da última quinta-feira - exigindo o trânsito em julgado para o início do cumprimento da pena, e operando a soltura de milhares de condenados - tem um alcance contrário bem mais profundo e que talvez escapou à maioria dos comentaristas.

Há de se aguardar a publicação do acórdão, mas pelo que se pôde observar nos longos votos, especialmente no voto de desempate do presidente do STF, ministro Dias Toffoli, decidiu-se pela conformidade com a Constituição - art. 5º, inciso LVII - do artigo 283, do CPP, com a redação dada pela Lei nº 12.403, de 2.011, que exigiria o trânsito em julgado da condenação para o início do cumprimento da pena.

Salvo tenha me escapado durante o longo julgamento, não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena.

O efeito meramente devolutivo tem expressa previsão no artigo 1.029, do CPC/2015 e já estava consolidado nas Súmulas nºs 634 e 635 do STF.

Assim, a contrário sensu, haveria de ser proclamada a inconstitucionalidade do 637, do CPP, por conflitar com a interpretação dada ao art. 283, do mesmo código.

O que pôde se notar no entanto, e que fica como principal resultado desse julgamento, é que o STF afastou o princípio constitucional de não culpabilidade, tendo-o como não absoluto.

Note-se que o próprio relator, ministro Marco Aurélio, quando questionado, sustentou que o princípio não teria aplicação na esfera eleitoral - Lei Complementar nº 135/2010, conhecida como Lei da Ficha Limpa - que prevê inelegibilidade do condenado por colegiado.

Também o ministro Dias Toffoli, em voto de Minerva, fundamentou que respeitaria a decisão do Congresso, expressa na alteração procedida no art. 283 em 2011, deixando em aberta a possibilidade de modificação via legislativa.

Mesmo havendo referência de que constituiria cláusula pétrea estabelecida pelo Constituinte e, por isso, insuscetível de alteração pelo Congresso, o que ficou da decisão é apenas a conformidade do art. 283, do CPP, com a Carta Magna, ou seja, a norma legal não é inconstitucional.

No entanto o voto majoritário – e até o relator, ministro Marco Aurélio, ao afastar sua aplicação na esfera eleitoral – teve como não absoluto o princípio, tanto que admitiu a alteração do art. 283 via Congresso e até defendeu a prisão imediata após o julgamento pelo júri popular, o que será pautado, segundo ele, para os próximos dias.

Veja se que o inc. LXI, do mesmo artigo 5º da Carta Magna, prevê a prisão, sem referência ao trânsito em julgado - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei.

Há se concluir, portanto, que o STF afastou a aplicação, de forma absoluta, do princípio constitucional da não culpabilidade, tão em evidência nos últimos tempos, admitindo, de forma implícita, severos efeitos da condenação recorrível, como a inelegibilidade para cargos públicos e a prisão, esta por alteração via legislativa.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Cuidado com a alienação fiduciária!

“Os riscos envolvendo as espécies contratuais destinadas à compra de bens imóveis e bens móveis, como automóveis, motocicletas, máquinas agrícolas, etc. São momentos únicos e cruciais”. Artigo do advogado Rodrigo Ribeiro Sirângelo.

Charge de Luiz Fernando Cazo - Blog do AFTM.com.br

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

 

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

“A PEC nº 333/17 foi aprovada na Comissão Especial do Senado, no plenário, nas Comissões da Câmara, mas dormita na gaveta da respectiva Presidência, há quase ano e meio. É que o poder de pautar a votação no plenário é monopólio de Rodrigo Maia”. Artigo de Roberto Livianu, promotor de justiça e presidente do Instituto Não Aceito a Corrupção.

Funcionamento da Justiça: ação coletiva em favor da cidadania

“O Poder Judiciário desempenha papel de primeira grandeza social, não podendo a prestação jurisdicional limitar-se apenas às medidas de urgência. Precisamos avançar”. Artigo de Rafael Braude Canterji, conselheiro federal da OAB pelo RS.

Advocacia engrandecida

“Uma singela homenagem ao quadro de brilhantes advogados de origem judaica que dignificaram a profissão, e que admirei nos meus 40 anos de atuação como servidor da Justiça gaúcha”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, ex-escrivão do 7º Cartório Cível de Porto Alegre.