Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), quinta-feira,
09 de abril de 2020.
https://espacovital.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

Absurdos em petições, pareceres, sentenças, votos, acórdãos e discursos



Arte EV

Imagem da Matéria

Sigo apresentando casos de erros de concordância, desta vez envolvendo apenas a verbal. O objetivo é fixar o princípio geral da concordância verbal: o verbo sempre concorda com seu sujeito.

- Como não se resolveu essas dúvidas, o processo foi suspenso. Vamos procurar o sujeito: O que é que não se resolveu? Resposta: Essas dúvidas. Portanto: Como não se resolveram essas dúvidas, o processo foi suspenso.

- Imagine-se as dificuldades. De novo, vamos achar o sujeito? O que é que se imagine: Resposta: As dificuldades. Portanto: Imaginem-se as dificuldades. Cuidado: Usando a forma ativa do verbo (sem o pronome apassivador se), muda o sujeito, pois as dificuldades passa a ser complemento, podendo o sujeito variar: Imagina (tu) as dificuldades. Imagine (você ou ele) as dificuldades. Imaginem (vocês ou eles) as dificuldades. Imaginemos (nós) as dificuldades. Imaginai (vós) as dificuldades.

- Sobrou duas toneladas de alimentos. Outra vez, vamos atrás do sujeito. O que é que sobrou? Resposta: Duas toneladas de alimentos. Portanto: Sobraram duas toneladas de alimentos.

- É preciso que hajam mudanças profundas no País. Precisamos, por exemplo, perder essa mania de flexionar o verbo haver nos sentidos de ocorrer e existir, mantendo-o sempre na forma impessoal: há, havia, haverá, houve, haveria, haja, houvesse, ... Ocorre que mudanças profundas é complemento do verbo haver, o qual, por não ter sujeito, não tem com quem concordar; por essa razão é que se mantém na forma impessoal (terceira pessoa do singular). O engraçado é que nunca vi nem ouvi alguém flexionar esse verbo para o plural no presente do indicativo, como neste exemplo: Há muitos problemas no País. Ninguém diria: Hão muitos problemas no País, não é mesmo? Por que seria diferente com os demais tempos verbais?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge do jornal A Crítica (Manaus).

Quarentena de 14 dias?

 

Quarentena de 14 dias?

“Enfim, ela já não é mais de 40 dias. Então, por que a terminologia não se adaptou às novas situações? Apesar de serem ciências, as línguas não são ciências exatas. Então a palavra é que se adapta à nova realidade”.

Arte de Camila Adamoli

A maior palavra da língua portuguesa

 

A maior palavra da língua portuguesa

“Dizia-se que a maior delas era inconstitucionalissimamente, que significava ´de modo absolutamente inconstitucional´. Mas a campeã, agora, se refere ao indivíduo portador de doença pulmonar causada pela inspiração de cinzas vulcânicas”.

Edição EV sobre foto ArchiExpo

O bar que não é bar

 

O bar que não é bar

“Bar Association é a denominação da Ordem dos Advogados nos Estados Unidos. Mas, o que o bar teria a ver com a entidade que congrega os profissionais do Direito? Consta que a palavra bar surgiu na Inglaterra nos idos de 1590”.