Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

Absurdos em petições, pareceres, sentenças, votos, acórdãos e discursos



Arte EV

Imagem da Matéria

Sigo apresentando casos de erros de concordância, desta vez envolvendo apenas a verbal. O objetivo é fixar o princípio geral da concordância verbal: o verbo sempre concorda com seu sujeito.

- Como não se resolveu essas dúvidas, o processo foi suspenso. Vamos procurar o sujeito: O que é que não se resolveu? Resposta: Essas dúvidas. Portanto: Como não se resolveram essas dúvidas, o processo foi suspenso.

- Imagine-se as dificuldades. De novo, vamos achar o sujeito? O que é que se imagine: Resposta: As dificuldades. Portanto: Imaginem-se as dificuldades. Cuidado: Usando a forma ativa do verbo (sem o pronome apassivador se), muda o sujeito, pois as dificuldades passa a ser complemento, podendo o sujeito variar: Imagina (tu) as dificuldades. Imagine (você ou ele) as dificuldades. Imaginem (vocês ou eles) as dificuldades. Imaginemos (nós) as dificuldades. Imaginai (vós) as dificuldades.

- Sobrou duas toneladas de alimentos. Outra vez, vamos atrás do sujeito. O que é que sobrou? Resposta: Duas toneladas de alimentos. Portanto: Sobraram duas toneladas de alimentos.

- É preciso que hajam mudanças profundas no País. Precisamos, por exemplo, perder essa mania de flexionar o verbo haver nos sentidos de ocorrer e existir, mantendo-o sempre na forma impessoal: há, havia, haverá, houve, haveria, haja, houvesse, ... Ocorre que mudanças profundas é complemento do verbo haver, o qual, por não ter sujeito, não tem com quem concordar; por essa razão é que se mantém na forma impessoal (terceira pessoa do singular). O engraçado é que nunca vi nem ouvi alguém flexionar esse verbo para o plural no presente do indicativo, como neste exemplo: Há muitos problemas no País. Ninguém diria: Hão muitos problemas no País, não é mesmo? Por que seria diferente com os demais tempos verbais?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens

Reserva mental ou simulação unilateral

 

Reserva mental ou simulação unilateral

“A polêmica do contrato que envolve o caso do atleta Pedro Rocha na sua relação com os clubes envolvidos (Grêmio e Diadema). As duas expressões, usadas em contextos iguais, podem significar o mesmo, em que pese uma delas ser mais precisa do ponto de vista da ciência linguística”. O julgamento pelo TJRS será na próxima quarta-feira (11).

Arte EV

O jeito de escrever nos meios eletrônicos

 

O jeito de escrever nos meios eletrônicos

“Não se consegue imprimir na escrita a mesma velocidade da fala, razão por que se eliminou tudo o que pode emperrar a produtividade da digitação: abrevia-se quase tudo. Exemplos: Atenciosamente virou Att.; você virou vc.; que virou q., e assim por diante”.

Algumas discordâncias

Um erro frequente é o que envolve questões de concordância, tanto de gênero quanto de número. “São bens de consumo durável”, “Essa garota vai fazer carreira rápida”, “Elas estão só no sacrifício”...

Tu / Você

“Nas comunicações formais, como na redação oficial, usam-se os pronomes de tratamento: Vossa Excelência (para altas autoridades) e Vossa Senhoria (para as demais autoridades e cidadãos em geral), entre outras formas de uso mais restrito”.