Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.

Sabe com quem está falando?



Chargista Sinfronio – www.sinfronio.com.br

Imagem da Matéria

Artigo de Roberto DaMatta, antropólogo e colunista de O Globo.

O outro é, em geral, o diferente, o adversário ou o inimigo — o “esquisito” como falamos no Brasil. Mas o que acontece quando ele fala a nossa língua, come a mesma comida, usa dos mesmos gestos e roupas, vive na mesma casa, experimenta o nosso sistema de valores, por duas vezes eleito presidente da República (um papel moralmente exemplar); e, no entanto, usa sua crença e seu modo de agir de modo radicalmente diverso do nosso?

Há uma trágica e frustrante perplexidade quando o irmão sentado à mesma mesa discorda, pensa e age de modo diferente de nós. O que vemos como crença ou ideologia é, para o crente de boa-fé, algo vivido e percebido como fato.

A questão que hoje se apresenta esbofeteando o bom senso é sobre a natureza dos fatos; esse ponto crítico da vida pública e da dimensão política numa sociedade de matriz aristocrática, patriarcal e escravocrata que tardiamente, e com feroz relutância, tem adotado formalmente a igualdade de todos perante a lei; esse ponto capital das democracias que, desde Aristóteles, são concebidas como governos de bem-estar para muitos e, em consequência, o controle da visão vergonhosa e bestial — mas “realista”, como se diz — de que tudo vale para “tomar” e permanecer no poder.

E, uma vez no poder, supor, com o aval implícito dos nossos hábitos políticos, que, no “governo” — esse mecanismo dúbio situado entre o Estado e a sociedade —, o eleito, indicado ou nomeado, muda de estado social. Onde havia o candidato apresentado como simples, pobre e honesto; como operário, médico ou professor, renasce impávido o príncipe. Ou, como lembra Sérgio Buarque de Holanda, o barão sobranceiro e autoritário. Para a nossa decepção, surge o nobre que, premido pela ordem igualitária formal, pode e deve dela escapulir tendo o direito de usar o “Você sabe com quem está falando?”

O eleito pelo voto livre do povo retoma o baronato nacional; e a República democrática eternamente jovem recria inconscientemente nos seus quadros os privilégios das rotinas hierárquicas. O voto livre paradoxalmente reinstaura privilégios que se recobrem das molduras ideológicas, as quais, como viu Marx, estão sob as lentes de uma câmara invertida.

O populismo, soi-disant socialista, vira despotismo expresso no saque desavergonhado em escala jamais testemunhada da riqueza nacional. Completa-se o abuso nas diferenças criminosas entre o povo e os salários, benesses e privilégios dos seus representantes que dele foram definitivamente decolados.

O fato real é que o sistema tem uma weberiana “ética dúplice”, que não é mais tolerada ou complementar e que está em conflito. Assim, tal como o gondoleiro veneziano mencionado na “Ética protestante”, ele nada cobra dos seus parentes, amigos e compadres, mas exige o dobro dos estranhos. Ou seja: aos amigos, tudo (como revelou para a nossa vergonha a Operação Lava-Jato); para os desconhecidos, porém, a insensível impessoalidade do mercado! De um lado, o companheirismo “esquerdista” isento dos limites do “capitalismo” que quebrou o país; do outro, a subordinação do financeiro ao político como um modo de permanecer no poder.

Se isso não é a alma do que alguns têm chamado de “corrupção sistêmica”, minha avó é bicicleta.

O affair amoroso entre Lula e o STF revela exemplarmente a duplicidade colocada anteriormente.

A regra real, justa e antiga não está em causa: in dubio pro reo . Mas se o paciente já foi julgado e condenado nas instâncias vigentes, a dúvida não é sobre o réu, mas também e sobretudo sobre o próprio corpo de magistrados. Por três vezes em dez anos, alterou-se o entendimento sobre a prisão em segunda instância. O STF oscilou publicamente sobre o mérito e, eu não tenho sombra de dúvida, de que o problema é a qualidade do réu.

No antigo e hoje pós-moderno Portugal, os juízes somente decidiam depois de saber quem era o indiciado. Neste nosso Brasil tocado pelas ambiguidades de uma ética republicana igualitária em paralelo ao um tradicional viés que chamei de relacional, o resultado reafirma o englobamento da lei e da sensatez jurídica pelo favor pessoal.

Com a devida vênia e o devido respeito pelo cargo, mas não pelo ator que fechou essa triste página do STF, eu afirmo que não houve um “voto de Minerva” (a deusa da inteligência). O que houve foi uma brasileiríssima retribuição de favor entre Dias e Luiz; e um boçal “você sabe com quem está falando?” para o povo brasileiro.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(*) Artigo publicado por O Globo, ontem, na edição impressa e em seu portal na internet. Nesta, o texto vem acompanhado de um rodapé: “A missão do GLOBO é a mesma desde 1925: levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o Brasil e o mundo”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Minhas decepções com a OAB de São Paulo!

Em artigo, a advogada Adriana Cristina Silveira Kuwana diz do orgulho que tem por sua profissão. Mas critica os dirigentes (“generais”) que ficam longe das batalhas por prerrogativas, e o poder que a Ordem paulista está dando a tesoureiros, estagiárias e recepcionistas.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

 

Insucesso na compensação de precatórios com ICMS não gera dano indenizável

“Um julgado do TJRS, confirmado pelo STJ, sintetiza a via crucis de quem acreditou nas promessas de uma assessoria tributária: 1) A empresa devia ICMS; 2) Comprou precatórios para pagar o débito; 3) Não conseguiu quitar; 4) Foi inscrita na Serasa; 5) Sofreu penhoras e sequestros bancários; 6) Voltou a pagar o ICMS devido; 7) Ao final, ficou com os títulos de precatórios literalmente na mão!”. Artigo do advogado Telmo Ricardo Schorr (OAB-RS nº 32158).

CHARGISTA DUKE – TRIBUNA DA INTERNET

   O Big Toffoli

 

O Big Toffoli

“No mundo, a Justiça se move na tentativa de preservar a privacidade das pessoas. Aqui no Brasil é diferente. A democracia tropical, com a sua incessante troca de favores, está parindo um monstro”. Artigo de Fernando Gabeira, publicado por O Globo, em 18.11.2019.

Arte EV sobre imagem Visual Hunt

A classificação dos juízes

 

A classificação dos juízes

“Eles são heróis, soldados, minimalistas e mudos – reportados por Lenio Streck, comentando obra do americano Cass R. Sunstein. Eu acrescentaria também os justiceiros e os cegos/surdos”. Artigo do advogado Gelmir Gutier Reche (OAB-RS nº 66.467).

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.

Dois meses de férias para todos!

“É deboche chamar de 'recesso' o ócio remunerado de juízes, procuradores e outros. Quantos meses deveria ter um médico da emergência de hospital público?”. Artigo de Nelson Motta, jornalista e escritor.