Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://espacovital.com.br/images/fechamento.jpg

Atraso de FGTS não é motivo para rescisão indireta do contrato



  Apesar dos atrasos...

Uma assistente financeira não conseguiu na Justiça do Trabalho gaúcha a rescisão indireta do seu contrato com a empresa em que atuou por quase dez anos. Ela acionou a Justiça alegando que a relação de emprego terminou por justa causa do empregador, devido a atraso de salários e de depósitos do FGTS.

Fosse reconhecida a rescisão indireta por justa causa do empregador, a trabalhadora teria direito à multa de 40% do fundo, a aviso prévio indenizado proporcional, além do seguro-desemprego. Como não ganhou, ela deverá receber apenas as rescisórias referentes ao pedido de demissão.

No primeiro grau, o juízo da 6ª Vara do Trabalho de Porto Alegre entendeu que o atraso salarial, no caso, não era motivo para rescisão indireta, porque o atraso, conforme provado no processo, foi de apenas dois meses. Para configurar a chamada “mora contumaz” para a rescisão são necessários três meses de atraso, no mínimo.

A sentença, porém, observou que a empresa depositou somente em 15 de setembro de 2017 o FGTS devido de maio de 2016 em diante. “A falta de depósitos do FGTS do contrato de trabalho autoriza a declaração de rescisão indireta, nos termos do artigo 483, 'd', da Consolidação das Leis do Trabalho”, afirmou.

A empresa recorreu ao TRT-RS e a 1ª Turma reformou a sentença, no aspecto. Para o relator do acórdão, desembargador Fabiano Holz Beserra, “a ausência de depósitos do FGTS não autoriza, por si só, a declaração da rescisão indireta do contrato de trabalho, pois não configura falta grave a ponto de tornar impossível a continuidade da relação de emprego”.

Já ocorreu o trânsito em julgado.

  Pedido de anulação total

Depois de ter o pedido para suspender o julgamento do sítio de Atibaia (SP) negado no STF pelo ministro Edson Fachin, a defesa de Lula insistirá na tese da nulidade total da ação penal e na inocência do ex-presidente. A apelação será analisada amanhã (27) pela 8ª Turma do TRF da 4ª Região, a partir das 9h.

O recurso de apelação sustenta 20 teses defensivas. A peça escrita pelo advogado Cristiano Zanin contém 1.386 páginas.

  A violência cresce

Ao menos 1,23 milhão de mulheres foram atendidas no sistema de saúde vítimas de violência entre 2010 e 2017, revelam dados divulgados pelo Instituto Igarapé no Dia Internacional para Eliminação da Violência contra Mulheres. Em 90% dos casos, o agressor era uma pessoa próxima da vítima.

Nos oito anos, abrangidos pela pesquisa, as notificações de violência contra negras aumentaram 409%, e contra brancas, 297%. Negras formam a maioria das vítimas de feminicídios, homicídios dolosos e estupros.

 Tabela de propinas

A Polícia Federal identificou registros de pagamentos de propina de um cúmplice do doleiro brasileiro Dario Messer a policiais paraguaios, investigadores e agentes da Interpol. Os repasses estavam anotados em documentos apreendidos na casa de Antônio Joaquim da Mota, o Tonho, preso no último dia 19. Ele abrigou Messer, chamado de “doleiro dos doleiros”, enquanto estava foragido.

Os documentos revelam detalhes do tráfico de cocaína na América do Sul. Há menções a quantidades de drogas vendidas, dinheiro comercializado e gastos com pista clandestina de pouso de aeronaves.

  Acesso mais rápido

Brasil e EUA anunciaram o início de fase de testes de programa que permitirá trâmite mais rápido de brasileiros na imigração dos principais aeroportos estadunidenses.

  Carta-bomba

Morreu ontem (25), no Rio, o advogado Eduardo Seabra Fagundes. Ele tinha 83 de idade. A família não informou a causa do óbito. Os atos de sepultamento serão hoje (26).

Quando presidia o Conselho Federal da OAB (1979/1981), durante a ditadura militar, uma carta-bomba endereçada a ele resultou na morte de sua secretária, Lyda Monteiro, no dia 27 de agosto de 1980. Na época, a Ordem denunciava desaparecimentos e torturas de perseguidos e presos políticos e criou a Comissão de Direitos Humanos.

Em 2015, a Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro concluiu que o atentado foi concebido e executado por agentes do Centro de Informação do Exército.

O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, recordou ontem que trabalhava com Eduardo na época do atentado. "Estava com ele quando explodiu a bomba na OAB, que vitimou dona Lyda Monteiro. Eduardo era um profissional ético, brilhante e uma das lideranças da classe. Depois, entre 1985 e 1986, fui seu assessor no período em que foi procurador-geral do Estado e secretário de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Também como homem público, Eduardo foi exemplar”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Bacharel formado em 1982 não precisa prestar Exame de Ordem

· Limite de isenção para compras no exterior vai dobrar para US$ 1.000.
· Antecipação de tutela obriga Flamengo a pagar R$ 10 mil mensais às famílias de 13 jovens jogadores que morreram e ficaram feridos no incêndio do Ninho do Urubu.
· Preso perito judicial que fraudava laudos contábeis.
· Possibilidade de mais compras no exterior sem tributação.

STJ edita nova súmula

•  Verbete nº 638 dispõe sobre a abusividade de cláusula em contratos bancários.

•  Prisão temporária de juiz baiano passa a ser preventiva.

•  Efeito 6 x 5 do STF solta o irmão de José Dirceu.

•  Rogério Mendelski deixa a Guaíba e ingressa na Band.

•  Recusa de retorno ao trabalho não afasta direito de gestante à estabilidade.

•  Lula pede no STF a anulação da condenação no TRF-4 pelo sítio de Atibaia.

•  Marcelo Odebrecht trabalho comunitário na Justiça Federal de São Paulo.

•  Palocci delata duas “ex-companheiras”.

Proibido o lançamento de livro sobre a vida de Suzane von Richthofen

  A publicação – que está pronta – tem o título “Suzane, assassina e manipuladora”. Conforme a decisão judicial “a obra não é de interesse público”.

  Editora Abril anuncia leilão para alienação judicial da marca Exame.

 Acidentes de trânsito no trajeto até o trabalho não são mais considerados acidentes de trabalho.

TJ do Paraná impede a locação por Airbnb em condomínio residencial

Conforme o acórdão, “a locação por curtíssimo prazo configura hospedagem comercial”.

Seguradora Chubb segue impedida de contratar com a Itaipu Binacional.

Farpas entre artistas: improcedência de ação de Kadu Moliterno contra Luana Piovani.