Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, terça-feira, 07.12.
(Próxima edição: sexta-feira, 10.12)
https://espacovital.com.br/images/on_off_3.jpg

Para ser ON, seja OFF



Charge de Renato Peters

Imagem da Matéria

A internet veio pra ficar, tanto que está sendo cotada como inciso dos direitos fundamentais constitucionais, e neste paralelo a tecnologia tem o mesmo apreço: é quase impossível sair de perto dos nossos celulares, que além de nos conectar com o mundo, muitas vezes fazem nos esquecermos de viver o mundo ao nosso redor.

Faça a experiência: chegue em casa, coloque o celular no escritório, num armário, numa gaveta e só pegue ele antes de dormir para colocar o despertador e não interaja com ele, exceto para despertar no dia seguinte…

Muitos dirão que sou louco, para que fazer isto, afinal, celular não cria dependência… Esta é a típica visão de todo viciado. Sempre acha que pode parar quando quiser.

E se você acha que isto só serve para nós, meros mortais, saiba que os gigantes da tecnologia ensinam justamente o contrário: ensinam a seus filhos a como ficar OFF da tecnologia.

Bill Gates lê inúmeros livros por ano - todos em papel. Os filhos de Mark Zukerberg - dono do Facebook, Instagram e Whatsapp - têm tempo restrito para verem tablets e celulares no dia. Grandes escritores, como Yuval Harari (que escreveu “Sapiens” e “Homo Deus”) sequer tem smartphone.

Façam o que eu digo, mas não façam o que eu faço, não é mesmo?

Temos no Brasil cerca de 80% das pessoas conectadas à internet, do trabalho ao banheiro, literalmente. Na conjunção, consomem mensagens, vídeos, notícias etc. numa tela pequena que, quando é esquecida ou perdida em algum lugar, deixa um vazio existencial na pessoa.

Isto é nocivo tanto porque não paramos nunca de trabalhar, de ler, de nos atualizar, quanto porque a vida privada interfere sem interrupções na nossa existência.

E como parar? Virar eremita e nem tocar na tecnologia?

Claro que não! Um dos aplicativos que já vêm nativos na própria tecnologia de celulares atualmente ajuda muito: chama-se controle de uso do tempo com o telefone. Procure no seu celular e verá que ele mostra quanto tempo foi usado para produtividade, para redes sociais, para diversão…

É um excelente indicador. Com ele, já virá escancarado o problema do uso excessivo, pois ele também traz a quantidade de horas que você usou o celular… é de assustar, se você levar a sério o que está sendo mostrado.

Para ser ON, seja OFF. Comece analisando o que você tem usado hoje, tente, SERIAMENTE, deixar o celular longe, no silencioso ou desligado, para aproveitar momentos em família, ler um livro ou olhar pela janela e pensar na vida.

Apesar do celular lhe conectar com todo o mundo, o mundo que precisa estar conectado a você está ao seu lado, ao alcance da sua mão, também.

#FicaaReflexão

PS - Coloco o meu endereço de e-mail à disposição dos leitores. Comentários, sugestões etc. serão bem-vindos: gustavo@gustavorocha.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Google Imagens

Efeitos eternos no ataque hacker ao TJRS ?

 

Efeitos eternos no ataque hacker ao TJRS ?

“Na semana passada a polícia apreendeu computadores na casa de um servidor do TJRS. Agentes informaram ter localizado indícios de que as invasões ao tribunal tivessem sido originárias de duas residências: a do funcionário em tela, e a morada de uma juíza também...”

Digitalents

A tecnologia como aliada – ou como vilã?

 

A tecnologia como aliada – ou como vilã?

O fracasso dos sistemas do TJRS. “O  início do processo eletrônico no Brasil foi com a MP nº 2200, que é de 2002. São praticamente 20 anos deste assunto. E será teratológico dizer que estamos diante de novidades...”

Novo provimento de ética na advocacia. Mudou mesmo?

“Usando as redes sociais, interações virtuais e tecnologia como chatbots, robôs e outros para atender, buscar clientes de forma clara e objetiva, com estratégia, a advocacia pode criar novos patamares e distinções.”