Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 3 de julho de 2020.

Papai Noel chegou antes para a magistratura de Pernambuco



Charge de Boca Maldita

Imagem da Matéria

As contas no Tribunal de Justiça de Pernambuco estão em dias e de vento em popa e clima natalino sacramentado. Isso porque juízes e desembargadores receberam rendimentos líquidos de novembro que chegam até a R$ 853 mil. Os números brutos são ainda mais exorbitantes. A quantia paga a uma juíza de Recife foi de R$ 1.298.550,56.

A cifra alta é resultado do pagamento de férias acumuladas e atrasadas, sem necessidade de ação judicial, nem precatórios. A “rádio-corredor” da OAB pernambucana especula que “penduricalhos diversos podem ter engordado o Natal, mais ainda”.

A média dos valores recebidos por 53 desembargadores incluídos na folha de pagamento dos salários e acréscimos de novembro - já com os descontos obrigatórios - é de R$ 206.411. Os dados indicam que 25 desembargadores, o que corresponde a 47,1%, receberam acima de R$ 200 mil. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Outros detalhes

  Treze desembargadores, ou 24,5% dos efetivos, receberam mais de R$ 300 mil líquidos. Quatro ganharam mais de R$ 400 mil e um acima de R$ 600 mil.

  A folha de pagamento do tribunal aponta ainda que 77,3% dos desembargadores receberam neste mês acima de R$ 100 mil líquidos. Apenas 12 deles, ou 22,6%, obtiveram rendimento inferior a este valor.

A campeã

No topo da lista está a juíza Marylusia Pereira Feitosa de Araújo, que atua na Vara de Violência Contra a Mulher. O rendimento bruto da magistrada foi de R$ 1.298.550,56. De acordo com dados do TJ-PE, dos quais abrangentes R$ 1.251.328,5 apenas a título de "vantagens eventuais". O salário-base dela é R$ 33.689,11.

Os penduricalhos são formados por: "abono constitucional de um terço das férias, indenização de férias, antecipação de férias, gratificação natalina, antecipação de gratificação natalina, serviços extraordinários, substituição, pagamentos retroativos, além de outras desta natureza".

O presidente do TJ-PE, desembargador Adalberto de Oliveira Melo, foi o 20º magistrado com maior rendimento. Ele obteve R$ 331.100 líquidos em novembro.

Os vinte maiores rendimentos líquidos:

Ø R$ 853.002,43 - Marylusia Pereira Feitosa de Araújo (juíza da capital)

Ø R$ 695.742,49 - Fausto de Castro Campos (desembargador)

Ø R$ 506.709,61 - João José Rocha Targino (juiz lotado na assessoria da presidência)

Ø R$ 487.928,58 - Janduhy Finizola da Cunha Filho (juiz da ; orregedoria auxiliar extrajudicial)

Ø R$ 458.128,15 - Demócrito Ramos Reinaldo Filho (desembargador)

Ø R$ 424.353,76 - Leopoldo de Arruda Raposo (desembargador – convocado para atuar no STJ)

Ø R$ 421.538,29 - José Ivo de Paula Guimarães (desembargador)

Ø R$ 403.532,10 - Saulo Fabianne de Melo Ferreira (juiz da capital)

Ø R$ 397.284,69 - Antônio Carlos Alves da Silva (desembargador)

Ø R$ 381.698,18 - Fábio Eugênio Dantas de Oliveira Lima (desembargador)

Ø R$ 374.936,70 - Francisco José dos Anjos B de Mello (desembargador)

Ø R$ 357.744,07- Bartolomeu Bueno de Freitas Morais (desembargador)

Ø R$ 347.854,99 - Abner Apolinário da Silva (juiz da 4ª Vara do Tribunal do Júri da capital)

Ø R$ 345.302,66 - Fernando Cerqueira Noberto dos Santos (desembargador)

Ø R$ 344.652 - Karina Albuquerque Aragão de Amorim (juíza da capital)

Ø R$ 340.131,91 Marcos Tenorio (juiz na comarca de Pesqueira)

Ø R$ 338.966,99 Silvio Romero Beltrão (juiz assessoria especial da presidência)

Ø R$ 338.065,87 José Fernandes de Lemos (desembargador)

Ø R$ 337.284,71 Jovaldo Nunes Gomes (desembargador)

Ø R$ 331.100,89 Adalberto de Oliveira Melo (desembargador e presidente do TJ-PE).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Luiz Fux afirma que há uma “sanha de protagonismo judicial”

O ministro avaliou que isso prejudica o STF. Futuro presidente da Corte (assume em setembro), ele complementou que “no Estado Democrático de Direito a instância hegemônica, que tem que resolver os problemas, é o Poder Legislativo”.

Foto: Ascom MP/AP

Desembargador é denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro

 

Desembargador é denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro

MPF acusa o magistrado - do TJ do Amapá - Manoel de Jesus Ferreira Brito (foto), dois servidores do MP estadual e um empresário. Defesa do desembargador é feita por seu filho, presidente da Seccional da OAB amapaense: “Escolheram o pior momento social para fazer política; poderiam estar cuidando da saúde do povo”.