Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
07 de abril de 2020.
https://espacovital.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

O pato e as “altas autoridades”



Imagens Freepik / Montagem e criação de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Em regra, os adjetivos têm antônimos, aqueles nomes de sentido oposto: bom/mau, cheio/vazio, fácil/difícil, etc. Como as línguas são regidas por regras (que sempre têm exceções), e não por dogmas (que não admitem exceções), também aí encontramos situações em que a exceção justifica a regra. Exemplo claro encontramos entre as notícias sobre o processo de licitação que se tornou conhecido como a Suprema Farra das Lagostas, em que a quebra desse padrão se manifesta com muita força.

Na descrição do objeto da referida licitação, informava-se que as denominadas “refeições institucionais” destinavam-se a “altas autoridades”. Neste caso, o antônimo do adjetivo altas e baixas. Em oposição às mencionadas altas autoridades, quais seriam as baixas, as excluídas da possibilidade de participar dessas refeições? Onde estaria o limite entre as duas escalas de autoridades?

A dúvida em relação à questão cresce na aplicação da regra gramatical das iniciais maiúsculas, segundo a qual se usa inicial maiúscula na designação das altas autoridades. A norma gramatical também se omite na definição desse limite, nem menciona a existência de baixas autoridades.

Aliás, essa subjetividade na regra acabou gerando usos extremos: os grandes veículos de comunicação adotam não usar inicial maiúscula na designação de qualquer autoridade, da mais alta à mais baixa, enquanto na prática das comunicações entre instituições, tanto públicas quanto privadas, adota-se o extremo de usar inicial maiúscula na designação de qualquer autoridade.

Na classificação das autoridades, portanto, o adjetivo alto não sofre a oposição do baixo. Curiosamente, situação oposta encontramos na expressão baixo clero, em que o heterônimo alto clero é rejeitado.

Curioso é também o uso desse adjetivo na linguagem do futebol, em que se fala muito em marcação alta, mas não na estratégia oposta, a da marcação baixa.

Outra questão rara presente no processo licitatório das lagostas é que ele prevê a presença do pato no cardápio, ingrediente que o distingue para o alto, já que só integra pratos requintados. Diferentemente do adjetivo alto, que sempre leva para cima, o substantivo pato no caso da refeição conduz para baixo, para aquelas que seriam as baixas autoridades, os cidadãos comuns; enfim, para aqueles que “pagam o pato”.

Conclusão: o melhor dos significados não está nas palavras, mas nos contextos em que ocorre seu uso.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge do jornal A Crítica (Manaus).

Quarentena de 14 dias?

 

Quarentena de 14 dias?

“Enfim, ela já não é mais de 40 dias. Então, por que a terminologia não se adaptou às novas situações? Apesar de serem ciências, as línguas não são ciências exatas. Então a palavra é que se adapta à nova realidade”.

Arte de Camila Adamoli

A maior palavra da língua portuguesa

 

A maior palavra da língua portuguesa

“Dizia-se que a maior delas era inconstitucionalissimamente, que significava ´de modo absolutamente inconstitucional´. Mas a campeã, agora, se refere ao indivíduo portador de doença pulmonar causada pela inspiração de cinzas vulcânicas”.

Edição EV sobre foto ArchiExpo

O bar que não é bar

 

O bar que não é bar

“Bar Association é a denominação da Ordem dos Advogados nos Estados Unidos. Mas, o que o bar teria a ver com a entidade que congrega os profissionais do Direito? Consta que a palavra bar surgiu na Inglaterra nos idos de 1590”.