Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, 20.2.2020.
Próxima edição na quinta-feira 27
https://espacovital.com.br/images/jus_azul_caricatura_2.jpg

A IVI e a sua nova paixão: Eduardo Coudet



Arte EV sobre foto Racing (Divulgação)

Imagem da Matéria

A IVI – Imprensa Vermelha Isenta - está cada vez mais “isenta”. Agora estão molhadinhos com sua nova paixão – o novo técnico do Inter. Não têm qualquer pudor. Entregam-se na primeira fungada. Não resistem. A paixão clubística é forte demais.

Mas essa história é velha. Vamos rememorar?

Wianey Carlet:Falcão implementa estilo europeu no Beira Rio”. Que lindo que é o estilo europeu de jogar (essa frase é minha – com uma pitada de sarcasmo!)

Outra: “Inter se inspira em clubes europeus e, por sugestão de Abel, acaba com concentração!” Que revolução, não? (a coisa da revolução é minha).

Adão Júnior:O estilo europeu que Zago leva do Juventude para o Inter!” – Uau!!! (o uau é meu!)

Pedro Ernesto:O estilo europeu de Aguirre!” – Bah (o bah é meu!)

· “Danilo Silva usa macetes da Europa para qualificar saída de bola do Inter!” – É craque esse Danilo (a frase é minha – com150% de ironia!)

· “Nos passos de Jürgen Klopp: o conceito que Coudet tenta implementar no Inter!” Baita babação. Autoexplicativo.

· “O Planeta Erechim de Coudet”. Putz. Essa é de doer. Fica vermelha, cara sem-vergonha!

Essas manchetes são todas da IVI-ZH-CLIC-IVI. Europa chega ao Beira Rio. Inter é o novo Liverpool. E coisas do gênero. A última é um “miniguia” dos 14 clubes da Pré-Libertadores. Aliás, essa pré, se o Inter classificar, vale tanto quanto a própria Libertadores, tamanha é a empolgação ivista!

Depois dizem que “essa coisa de IVI não ec-xiste”. É. Dá para ver que não.

Muda ano e a IVI só se aprimora. Acharam até justa a expulsão do jogador do Grêmio no Grenal da Copa São Paulo. A IVI segue a cartilha.

A IVI é como chifres. Não se pode ver, mas estão lá. Mas, enfim, são coisas que alguém põe na nossa cabeça!

Interessante como são volúveis. Um beijinho e, pronto. Era Falcao, Abel, até Zago. E Aguirre. E Maionese. Agora é Coudet.

Se Coudet encordoar cinco ou seis vitórias, Tite que se cuide. Sim, começará a campanha Coudet na seleção...brasileira. Que Argentina, que nada! Por que entregarmos para os Hermanos o estilo Liverpool de jogar? Vamos ficar com ele por aqui.

Que Jorge Jesus, que nada. A onda é Coudet. Já tem repórter falando da roupa dele. Do estilo de vestir.

Mas, nunca esqueçamos: “Isso de IVI não ec-xiste”. Tudo ao som de La donna é mobile! Qual piuma al vento; Muta d'accento; E di pensiero.

Era Falcao, era Zago, era...! Piuma al vento!

Post scriptum 1: treta entre Renato e um repórter de um programa de TV, que, por sinal, é a encarnação da IVI, esculpida em carrara. O repórter começa perguntando assim: “Tu disse...”. O vernáculo apanha feito cão sarnento aqui pelos pampas.

Post scriptum 2: Passados dez anos e o CGJV (Conselho Gaúcho da Justiça Vermelha) – espécie de CNJ do futebol - não liberou o valor do salário do juiz da comarca, D´Alessandro. Do André, por exemplo, divulgam. Mas do juiz Dalle, está proibido. Dizem que é, atualmente, 550 mil de salários mais 770 mil de atrasados – total, 1.320/mês. Dizem...

Mas a IVI (que não ec-xiste, insisto), protege. Sigilo.

Fecham-se as cortinas. Crepúsculo de jogo. Deu.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Deposit Photos

Pedidos do Jus Azul ao Papai Noel

 

Pedidos do Jus Azul ao Papai Noel

“Que o Grêmio dispute todas as competições. Se o jogador fizer ´mimimi´, faça-o ajoelhar no milho. E que Renato seja presenteado com uma faixa natalina: ´Jogador joga – jogador não folga´”!

Arte EV por Marco Antonio Birnfeld e Ana Paula Saldanha

O Grêmio, o Mano e as ´Côôpass´!

 

O Grêmio, o Mano e as ´Côôpass´!

“O Grêmio é maior abandonador de Brasileirões. É uma lenda urbana essa história de que a Copa do Brasil é o melhor atalho. Há uma crise no futebol: o velho não morre (o modelo Felipão, Mano, Argel – Renato está no limbo) e o novo não consegue se impor por causa da resistência do velho, mormente porque este é apoiado pela imprensa que não quer dar o braço a torcer”.