Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 3 de julho de 2020.
https://espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

2020 começou da nossa cor!



Arte EV sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

Estou com aqueles que entendem que a estruturação das categorias de base tem como objetivo maior a formação e revelação de jogadores ao revés da conquista de títulos. Com isso, os clubes romperiam com o método obstinado de contratarem jogadores, e atenderiam a receita de vender no mínimo um jogador por ano.

A colocação de jogadores no mercado supre o déficit de receita decorrente do rateio das verbas destinadas aos clubes de fora do eixo Rio-São Paulo, mitigado pelos números da audiência televisiva. Um dos maiores negócios envolvendo a venda de um atleta do Internacional, foi o do Alexandre Pato. Não há dúvida quanto à conveniência e oportunidade da transação.

Em sentido contrário há inúmeros exemplos: lembram a faixa no portão com o aviso “Não vendemos craques”, ou dos gêmeos pelos quais o Inter rejeitou várias propostas?

A equação é singela: deixar de comprar alucinadamente no mercado e vender o que é possível. Para tanto, as categorias de base devem produzir muito, qualificando-se como uma fábrica de atletas.

Recém iniciava 2020 e fomos surpreendidos pela maravilhosa conquista da “copinha”, Taça São Paulo de Futebol Júnior.

Ela é uma verdadeira exposição do que está sendo feito nos principais clubes brasileiros em termos de categorias de base e de atletas.

A primeira e inevitável conclusão é de que o veredito que decretava a falência do trabalho de base do Internacional está equivocado, pois esbarra em fato incontestável. A segunda, diz com a exposição positiva da imagem do Inter, desgastada no cenário futebolístico em razão de uma tragédia administrativa ocorrida na gestão Píffero.

Meu reconhecimento à gestão atual na pessoa do presidente Marcelo Medeiros. Somos detentores de cinco títulos da Copa São Paulo, o que não é pouca coisa. Parabéns aos atletas, comissão técnica e dirigentes. É um feito limitado a pouquíssimos clubes.

Mas a conquista de agora teve um ingrediente extra: foi fruto da derrota imposta ao nosso tradicional adversário, vice-campeão da copinha.

Uma grande conquista que nos enche de esperanças!
. . . . .
Fora de campo o Internacional teve uma grande perda, a morte do Ibsen Pinheiro.

Concordemos ou não com as suas ideias, o certo é que ele abrilhantou o nosso clube com a sua inteligência. Dedicou tempo e energia ao Internacional.

Obrigado, Ibsen.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Barcelona x Mazembe

“Soube que o presidente colorado da época atribuiu a derrota do Inter, quando da segunda participação colorada em mundial Fifa, à ´falta de foco´. Mas o inacreditável resultado da partida contra o time do Congo foi o reflexo de um clube destroçado em suas entranhas, com total inversão de prioridades”.

Ciências Criminais

Píffero X Baldasso – a sentença

 

Píffero X Baldasso – a sentença

“A improcedência de ação por dano moral do ex-presidente do Inter contra o jornalista Fabiano Baldasso. Lembrei de um provérbio (ano 62, antes de Cristo), surgido após uma orgia exclusivamente feminina: “À mulher de Cesar não basta ser honesta, tem de parecer honesta”.

Adeus, Tobias Colorado!

“O destino, quase sempre por obra do acaso, tem a capacidade de criar situações que assumem relevância na nossa vida. Há exatos onze anos, ganhei da minha filha um bulldog inglês, o Tobias. Um dia desses, ele se foi”.