Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
31 de março de 2020.
https://espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

No final da Quarta-Feira de Cinzas, a certeza de mais dois Gre-Nais



Camera Press

Imagem da Matéria

A simbologia de uma Quarta-feira de Cinzas é a do necessário descanso a aqueles que se excederam na folia. No caso do Inter, nada de folia, mas pura superação com muita concentração e suor. Sabíamos que seria difícil, mesmo jogando em casa.

No início o Inter estava organizado em campo, jogando com a ideia de um terceiro zagueiro. Depois, com o desenrolar da partida, fomos literalmente encaixotados pelo Tolima que assumiu o domínio do meio-campo. A partida se assemelhava à anterior: mais posse de bola para o nosso time, mas nada de gol. Mais uma vez os números do jogo revelaram praticamente o dobro de posse de bola, de passes com acerto, etc.

Ao final do primeiro tempo, já nos acréscimos, o gol. A jogada contou com uma brilhante participação do D’Alessandro que permitiu a conclusão do Guerrero. O gol afastou a ansiedade e o nervosismo, apontando para um segundo tempo mais tranquilo.

A substituição ainda no primeiro tempo com a entrada de Marcos Guilherme alterou o esquema de jogo e foi fundamental para melhorar a ofensividade. Ainda não sei se por modéstia, mas ao final do jogo, Coudet entrevistado, atribuiu a substituição de Rodrigo Lindoso por Marcos Guilherme, aos 39 do primeiro tempo, ao acaso. Segundo ele, Lindoso estava doente.

No intervalo não passava pela nossa cabeça o que estava por acontecer, um verdadeiro calvário.

Veio o inimaginável. D’Alessandro, essencial para o comando do ataque foi expulso. Com isso voltou o temor de levar um gol em casa, o chamado gol qualificado que determinaria a necessidade de o Internacional buscar um resultado dificílimo, com um homem a menos.

Uma vez mais a surpresa. A exemplo do Gre-Nal, com um jogador a menos, numericamente inferiorizados perante o adversário, jogamos bem, muito bem.

Há uma inevitável leitura do episódio: o grupo de jogadores está atuando com solidariedade e sob o inegável comando do argentino. Nitidamente todos deram um pouco mais de esforço para compensar a expulsão. Isso é fundamental para a conquista de bons resultados.

Nossas conquistas sempre foram repletas de dificuldades e de superações: pênalti desmarcado, Juliano marcando no último segundo e assim por diante. Lembram?

A parte técnica deve melhorar, o técnico tem que definir o quanto antes a montagem mais equilibrada do time. Mas essa se afigura uma tarefa menor perante a garra e aplicação do time.

Vamos em frente, até mesmo porque - por efeito da classificação de ontem (26), pela primeira vez teremos dois Gre-Nais na Libertadores. Isto é muito bom. É ótimo para o futebol gaúcho e brasileiro.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Montagem EV

Os estádios que custaram bilhões

 

Os estádios que custaram bilhões

“As regiões do país receberam ´obras´ segundo os interesses políticos. Uma gastança descomunal para encobrir a farra da pilhagem em curso. Os estádios hoje, ironicamente, estão sendo utilizados para abrigarem hospitais improvisados”.