Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital

Condenação da Unimed por demora na realização de cirurgia



Arte EV sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

A operadora de plano de saúde que mantém hospital e emprega médicos ou indica rol de conveniados responde solidariamente por falha na prestação de serviço. Nesta linha decisória, a 4ª Turma do STJ negou recurso especial da

Central Nacional Unimed - Cooperativa Central que foi condenada a pagar indenização por danos morais em razão da morte de paciente, em decorrência na demora de atendimento. Uma idosa permaneceu internada por 22 dias até que a cirurgia de urgência.

A reparação financeira no valor nominal de R$ 394 mil - mais correção e juros - será partilhada entre o viúvo (50%) e os dois filhos (para cada um destes, 25%).

A segurada de um dos planos da Unimed sofreu uma queda e foi encaminhada ao Hospital Unimed Guarulhos, credenciado, onde foi constatada lesão grave na coluna cervical e necessidade de operação de urgência. Por conta de entraves administrativos, a cirurgia demorou 22 dias para ser autorizada e realizada.

Como resultado, a situação da idosa evoluiu negativamente e ela morreu no dia seguinte ao procedimento cirúrgico afinal realizado.

No recurso especial, a Unimed afirmou que “limitou-se a prestar serviço de cobertura de plano de saúde, simplesmente emitindo autorização e custeando-o, sem qualquer negativa”. Defendeu que não poderia responder por erro médico praticado no âmbito das relações de autorizações de procedimentos.

Mas tanto o juízo de primeiro grau, como o TJ-SP haviam concluído que a Unimed não apresentou justificativa plausível para a demora na autorização. Laudo pericial ainda atestou “o nexo causal entre a demora e o óbito”, concluindo que “a morte possivelmente seria evitável”.

Segundo a decisão do ministro relator Raul Araújo, “a responsabilidade decorre da falha na prestação dos serviços médicos e hospitalares próprios e/ou credenciados, hipótese na qual a operadora mantém hospitais e emprega médicos ou indica um rol de conveniados”.

O julgado ainda dispôs que, “quando o plano de saúde e o hospital pertencem à mesma rede, a responsabilidade, - seja em razão da solidariedade reconhecida pela jurisprudência do STJ ou pela falha na prestação de serviços - só seria afastada se comprovada a ausência de causalidade entre a conduta e o resultado”. (REsp nº 1.414.776).

Leia e ementa da apelação do TJ de São Paulo

Proc. nº 1079263-36.2015.8.26.0100

Apelação - São Paulo - Apelante: Central Nacional Unimed -Cooperativa Central

Apelante: Hospital Unimed Guarulhos

Apelados: José Vigolvino Filho, José Claudio Vigolvino e outro.

Negaram provimento ao recurso.

AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR DANOS MORAIS. ERRO MÉDICO. DEMORA NA REALIZAÇÃO DE CIRURGIA DE ARTRODESE, PACIENTE VEIO A ÓBITO NO DIA SEGUINTE À CIRURGIA, DEPOIS DE 20 DIAS DE ESPERA.

SENTENÇA DE PROCEDÊNCIA PARA CONDENAR AS RÉS AO PAGAMENTO DE R$ 394.000,00 A TÍTULO DE DANOS MORAIS, AO MARIDO E DOIS FILHOS DA DE CUJUS APELA A CORRÉ CENTRAL UNIMED SUSTENTANDO PRELIMINARMENTE, A ILEGITIMIDADE PASSIVA, POIS NÃO TEVE RELAÇÃO DIRETA OU INDIRETA NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS MÉDICOS E HOSPITALARES, SOMENTE AUTORIZOU A REALIZAÇÃO DOS ATENDIMENTOS; NÃO FICOU CONFIGURADA QUE A SUPOSTA DEMORA NA REALIZAÇÃO DO PROCEDIMENTO FOI A CAUSA DO ÓBITO; O VALOR É EXORBITANTE, COMPORTANDO REDUÇÃO.

APELA O HOSPITAL UNIMED PARA ALEGAR QUE A PACIENTE FOI PRONTAMENTE ATENDIDA; A LESÃO ORTOPÉDICA NÃO IMPLICAVA EM RISCO DE MORTE; NÃO HOUVE CONDUTA INADEQUADA NO PRÉ E PÓS-CIRURGICO; O VALOR DOS DANOS MORAIS É ABSURDO, DEVENDO SER MINORADOS.

DESCABIMENTO. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE PASSIVA INOCORRENTE. A PRÓPRIA CORRÉ CENTRAL UNIMED ADMITE SER A RESPONSÁVEL PELA LIBERAÇÃO E AUTORIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS. A PERQUIRIÇÃO DA RESPONSABILIDADE TEM POR FINALIDADE JUSTAMENTE AVALIAR A DEMORA QUE DEFLAGROU OS DANOS.

RESPONSABILIDADE OBJETIVA (ART. 14, CDC), DESDE QUE CARACTERIZADOS DEFEITO NO SERVIÇO, DANO E NEXO DE CAUSALIDADE. LAUDO PERICIAL CONCLUSIVO QUANTO À EXISTÊNCIA DE NEXO CAUSAL ENTRE A FALHA NO DIAGNÓSTICO E O ÓBITO, FALHA NA CONDUTA MÉDICA E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAÇÃO INADEQUADA.

A MORTE DE UM ENTE QUERIDO, POR FALHA NO SERVIÇO, NÃO DEIXA DÚVIDA QUANDO À DEFLAGRAÇÃO DE DANO MORAL. DANOS MORAIS CONFIGURADOS E ADEQUADAMENTE FIXADOS.

RECURSO IMPROVIDO. ART. 1007 CPC


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas