Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
03 de abril de 2020.
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

A linguiça mal entendida



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O membro do Ministério Público, hoje aposentado - circunspecto e respeitável - colecionou histórias pelas cidades em que passou nas entrâncias inferiores, antes de ser promovido à capital. Ele gostava de contar a epidemia de trotes telefônicos ocorridos em determinada comarca, 100 mil habitantes, antes que o uso do “bina” (identificador de chamadas) fosse uma rotina. As pilhérias alcançavam a casa do juiz, o gabinete do prefeito, o médico plantonista do hospital, a delegacia de polícia e até a casa canônica.

Certo dia o promotor, na sala da sua residência, lia um processo quando sua filha de 13 anos dali ligou – no bom e tradicional telefone fixo - para o armazém do Seu Manoel:

- Bom dia! A mãe mandou perguntar se tem linguiça da colônia...

O promotor notou, porém, que a filha - chocada e vermelha - desligou rapidamente. Prestativo, então, perguntou o que acontecera e a adolescente respondeu que o português lhe dissera umas barbaridades, a ponto de ela sentir-se desconfortável para repetir os impropérios.

Indignado, o pai discou para o armazém, identificou-se ("Aqui é o promotor"...), tirou satisfações e exigiu explicações.

Do outro lado, Seu Manoel - sabendo com quem estava falando... – tratou de desculpar-se:

- O senhoire sabe, os gajos passam o dia inteiro a me gozaire, imitam até voz de mulher, chegam a pedir para soltar no rio as sardinhas que estão enlatadas. Por isso, quando sua filha perguntou pela linguiça, sem dizer de onde era, respondi que tinha, mas perguntei se era para ela socaire naquele lugar. Foi um engano terrível. O senhor me perdoe, doutor!

O relato evocativo foi feito na capital, 20 anos depois do fato, no gabinete presidencial da seccional da OAB. O ex-promotor já estava aposentado como procurador de justiça. Foi então que um conselheiro da Ordem atalhou:

- O senhor, evidentemente, como pessoa educada que é, aceitou as desculpas, não é mesmo?

A resposta do jubilado visitante foi surpreendente:

- Não deu tempo. O dono do armazém prontificou-se a providenciar o pedido mal interpretado. Perguntei-lhe, então, se tinha linguicinha calabresa, bem apimentada. Quando ele respondeu afirmativamente, não resisti à tentação: mandei que ele dobrasse o produto e enfiasse no...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Um adultério diferente!

 

Um adultério diferente!

Ao sentenciar, o juiz entendeu que “mesmo que não comprovado o adultério na sua forma habitual do sexo carnal, a infidelidade virtual está demonstrada pela troca de fantasias eróticas de um(a) com a(o) outra(o), em nítido jogo sexual virtual”. Mas o tribunal julgou diferente.

O aniversário da namorada do ministro

 

O aniversário da namorada do ministro

“Meu nome é ´José da Silva´. Eu sou ministro da mais alta Corte do meu país”.  O imprevisto, a solução e o encerramento de uma comemoração natalícia num dos mais badalados restaurantes de New York. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

   O novo vizinho

 

O novo vizinho

Em um popular condomínio, o novo proprietário do apartamento ´888´ e do box ´88´ acabara de se instalar e já estava causando desconforto: a ocupação do espaço de estacionamento com uma cama. O texto é do advogado Maurício Antonacci Krieger.

Charge de Gerson Kauer

Cabelos molhados

 

Cabelos molhados

“Os tititis forenses andavam a mil, em comarca da Grande Porto Alegre. Dois juízes apaixonados; um pela linda promotora loira natural; o outro pela servidora loira mal tingida... A paixão era concreta e vista por todos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Os beijos que a juíza enviou

 

Os beijos que a juíza enviou

O longo despacho saneador, lançado de próprio punho pela magistrada, teve um arremate equivocado. Ao invés do usual “Intimem-se as partes”, saiu caligrafada uma mensagem carinhosa: “Beijos, Daniela”. Em petição conjunta, os advogados das duas partes apresentaram embargos de declaração: “Pedem que Vossa Excelência melhor explicite, para que não pairem dúvidas na eternidade dos autos”.

Charge de Gerson Kauer

Enrolados na toga

 

Enrolados na toga

Em meio a um protocolo de mesuras, a longa toga da juíza prende numa rodinha da cadeira da sala de audiências. O senador que iria depor como testemunha acorre para ajudar. Mas o faz afoitamente e os dois caem enrolados na preta e sedosa vestimenta funcional da magistrada.