Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

Para melhorar o ambiente de negócios



Autor: Sandro Botticelli, 1482 - Localização: Galeria Uffizi, Florença (Itália)

Imagem da Matéria

Por Luis Felipe Salomão, ministro do Superior Tribunal de Justiça

A promulgação da Lei nº 13.874/2019 (Lei de Liberdade Econômica), completando seis meses de vigência, afirmou o compromisso de fortalecer a livre-iniciativa, o livre mercado e o empreendedorismo, vistos como vetores primordiais para o progresso do Brasil e para melhorar o ambiente de negócios em nosso país.

No atual cenário globalizado, em que emergem a fluidez e a efemeridade das relações — daí a expressão “modernidade líquida”, cunhada por Zygmunt Bauman —, aumentam as exigências por segurança jurídica.

Há em andamento, no mundo, uma transformação  “...relacionada à emergência de uma ou diversas novas ordens jurídicas e políticas para além do Estado nacional e às implicações destas tendências para novas formas de lidar com os paradoxos da decisão jurídica e política”, no dizer elegante de Pablo Holmes.

A partir de uma leitura da teoria social dos sistemas, o autor observou os processos de transformação do direito e da política graças à crescente integração transnacional da sociedade mundial. Nesse contexto de transformação, fala-se cada vez mais em governança, em lugar de governo, na qual os indivíduos e as instituições, públicas e privadas, administram seus assuntos comuns (criptomoedas, os sistemas de compliance, as Câmaras de Arbitragem e a Justiça Desportiva são apenas alguns exemplos destes novos tempos).

Uma espécie de ordem espontânea, formada a partir de atores privados e suas práticas contratuais.

A nova lei procurou, justamente, aprimorar os mecanismos garantidores de segurança jurídica, fator indispensável para o adequado desempenho econômico neste novo cenário de empreendedorismo.

A Lei da Liberdade Econômica promoveu relevantes modificações em diversos ramos do Direito (privado, administrativo e econômico), objetivando qualificar a atuação estatal nas atividades econômica e regulatória, restringir a arbitrariedade da Administração, descongestionar a agenda econômica, dar agilidade aos processos decisórios e aprimorar as relações econômico-sociais, reduzindo os custos das transações.

Entre os temas centrais abordados pela nova legislação e que estão modificando para melhor a mentalidade, as práticas e hábitos empresariais, dialogando com o objetivo de reduzir o número de litígios e conferir segurança jurídica e agilidade aos agentes econômicos, pode-se mencionar:

a) o conceito de atividade econômica de baixo risco, facilitando alvarás e licenças de funcionamento;

b) a alteração do papel das agências reguladoras a partir da obrigatoriedade de prévia análise do impacto regulatório;

c) a positivação da tipologia dos contratos empresariais;

d) as normas restritivas acerca da desconsideração da personalidade jurídica;

e) criação da figura da sociedade unipessoal;

f) o fortalecimento dos princípios contratuais clássicos;

g) regulamentação de fundos de investimento;

h) o abrandamento da utilização da técnica legislativa das cláusulas gerais;

i) alteração da cláusula da função social do contrato de acordo com a “declaração de direitos da liberdade econômica”;

j) a presunção de paridade e simetria nos contratos civis e empresariais.

De fato, a nova lei ampliou a responsabilidade do legislador e do julgador previstas na Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro (artigo 20), ao estabelecer que qualquer regulamentação observará um estudo de impacto, de modo a não criar embaraços ao desenvolvimento econômico.

O quadro “A primavera”, um dos mais populares da arte ocidental, também conhecido como “Alegoria da primavera”, do pintor renascentista Sandro Botticelli, datado de cerca de 1482, é também uma das mais controversas pinturas do mundo, sobretudo quanto à sua interpretação simbólica.

A maioria dos estudiosos, no entanto, concorda em ao menos um ponto sobre a obra: ela reflete a magia da renovação, com a mudança de estação e a esperança de dias melhores.

No fundo, o que é mesmo o Direito, senão a possibilidade de demudar a vida em sociedade, sempre buscando o melhor e o justo.

Lei da Liberdade Econômica - leia a íntegra da lei.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Cuidado com a alienação fiduciária!

“Os riscos envolvendo as espécies contratuais destinadas à compra de bens imóveis e bens móveis, como automóveis, motocicletas, máquinas agrícolas, etc. São momentos únicos e cruciais”. Artigo do advogado Rodrigo Ribeiro Sirângelo.

Charge de Luiz Fernando Cazo - Blog do AFTM.com.br

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

 

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

“A PEC nº 333/17 foi aprovada na Comissão Especial do Senado, no plenário, nas Comissões da Câmara, mas dormita na gaveta da respectiva Presidência, há quase ano e meio. É que o poder de pautar a votação no plenário é monopólio de Rodrigo Maia”. Artigo de Roberto Livianu, promotor de justiça e presidente do Instituto Não Aceito a Corrupção.

Funcionamento da Justiça: ação coletiva em favor da cidadania

“O Poder Judiciário desempenha papel de primeira grandeza social, não podendo a prestação jurisdicional limitar-se apenas às medidas de urgência. Precisamos avançar”. Artigo de Rafael Braude Canterji, conselheiro federal da OAB pelo RS.

Advocacia engrandecida

“Uma singela homenagem ao quadro de brilhantes advogados de origem judaica que dignificaram a profissão, e que admirei nos meus 40 anos de atuação como servidor da Justiça gaúcha”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, ex-escrivão do 7º Cartório Cível de Porto Alegre.