Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
03 de abril de 2020.

A quarentena italiana e as consequências para quem não respeitar as regras



Manuel Silvestri / R7

Imagem da Matéria

A Itália proibiu a circulação de pessoas em todo o território desde a semana passada. Acima, uma imagem de Veneza.

Artigo de Sabrina Strassburger
strassburger.adv@gmail.com

O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte assinou dois “Decretos Ministeriais” nos dias 8 e 11 de março de 2020. As normas - que são chamadas de DPCM Decreto del Presidente del Consiglio dei Ministri - criam medidas drásticas para a contenção e gestão da emergência epidemiológica do COVID-19 em todo o território italiano.

As ações adotadas, que inicialmente eram aplicadas somente nas zonas “vermelhas” (com grande número de casos), agora são válidas em todo território nacional e incluem:

a)   Fechamento das escolas e universidades;

b) Suspensão de todas atividades comerciais (exceto comércio de alimentos de primeira necessidade e produtos farmacêuticos, onde a distância de segurança de um metro entre os consumidores deve ser assegurada);

c) Suspensão de todas as atividades e serviços como bares, restaurantes, sorveterias, confeitarias;

d) Suspensão de todos os serviços inerentes às pessoas como cabeleireiros, barbeiros, centros estéticos, spas;

e) Limitação de deslocamentos em todo o território italiano (exceto por comprovadas razões de trabalho, necessidade e saúde) e a proibição de reuniões em locais públicos.

O que mais  chama a atenção nesses Decretos Ministeriais, além da rapidez com que entraram em vigor (no dia seguinte após a sua assinatura), são os seus efeitos no âmbito do Direito Penal.

Quem desrespeita as medidas impostas pelos DPCM pode sofrer consequências, conforme artigo 650 do Código Penal Italiano: o não cumprimento de uma disposição estabelecida pelas autoridades, por razões de justiça ou segurança pública, ou ordem, ou higiene pública é passível de punição, com pena de prisão de até três meses, ou com multa de até 206 euros.

(Clique para acessar o Codice Penale Italiano.)

Além disso, se alguém possui sintomas do Coronavírus, ou foi diagnosticado com o vírus, e não respeitar a regra de permanecer isolado e sem contato com outras pessoas, pode ser punido com as penas do mesmo Código Penal, artigo 452, que trata dos crimes culposos contra a saúde pública. A punição máxima é a pena de reclusão de três a doze anos.    

Temos todos que fazer a “nossa parte”, respeitar regras e cumprir as leis!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Visual Hunt

 Acordo de Paris cumprido, mas "sem querer"

 

Acordo de Paris cumprido, mas "sem querer"

“Em que pese toda a tragédia humana causada pelo coronavírus, algumas notícias nos ajudam a entender a proporção do impacto que essa parada obrigatória dos maiores emissores de poluição ambiental do mundo teve sobre o meio ambiente e o planeta”. Artigo da advogada Renata Franco (OAB/SP nº 171.956).

Freepik

As ações judiciais contra a República Popular da China

 

As ações judiciais contra a República Popular da China

“O nexo causal evidente: a China como causadora da maior tragédia humana após a Segunda Guerra Mundial. Uma ação popular brasileira extinta sem julgamento do mérito.  Mas três outras gigantescas demandas têm seus primeiros passos nos EUA”. Artigo de Eduardo Barbosa, advogado (nº 35.070) e conselheiro seccional da OAB-RS.

Arte EV sobre foto de Nelson Júnior (SCO/STF)

Justiça infectada? A hora da prudência!

 

Justiça infectada? A hora da prudência!

“Em todas as instâncias, ações judiciais proliferam em relação às medidas governamentais de contenção à pandemia. Está na ordem do dia a virtude passiva dos juízes e a humildade judicial de reconhecer, em muitos casos, a ausência de expertise em relação à Covid-19. É tudo novo para a Ciência, quiçá para o Judiciário”. Artigo de Luiz Fux, vice-presidente do STF.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google

A advocacia empresarial e a pandemia

 

A advocacia empresarial e a pandemia

“Novos tempos, novos desafios. O isolamento social poderia ter sido o fim da advocacia empresarial, mas não foi, e não será. Quando faltaram o burburinho e o movimento que permeiam o dia-a-dia dos grandes escritórios, eles souberam responder de forma rápida”.Artigo de Daniela Kraide Fischer, advogada (OAB-RS nº 55.347).