Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

A quarentena italiana e as consequências para quem não respeitar as regras



Manuel Silvestri / R7

Imagem da Matéria

A Itália proibiu a circulação de pessoas em todo o território desde a semana passada. Acima, uma imagem de Veneza.

Artigo de Sabrina Strassburger
strassburger.adv@gmail.com

O primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte assinou dois “Decretos Ministeriais” nos dias 8 e 11 de março de 2020. As normas - que são chamadas de DPCM Decreto del Presidente del Consiglio dei Ministri - criam medidas drásticas para a contenção e gestão da emergência epidemiológica do COVID-19 em todo o território italiano.

As ações adotadas, que inicialmente eram aplicadas somente nas zonas “vermelhas” (com grande número de casos), agora são válidas em todo território nacional e incluem:

a)   Fechamento das escolas e universidades;

b) Suspensão de todas atividades comerciais (exceto comércio de alimentos de primeira necessidade e produtos farmacêuticos, onde a distância de segurança de um metro entre os consumidores deve ser assegurada);

c) Suspensão de todas as atividades e serviços como bares, restaurantes, sorveterias, confeitarias;

d) Suspensão de todos os serviços inerentes às pessoas como cabeleireiros, barbeiros, centros estéticos, spas;

e) Limitação de deslocamentos em todo o território italiano (exceto por comprovadas razões de trabalho, necessidade e saúde) e a proibição de reuniões em locais públicos.

O que mais  chama a atenção nesses Decretos Ministeriais, além da rapidez com que entraram em vigor (no dia seguinte após a sua assinatura), são os seus efeitos no âmbito do Direito Penal.

Quem desrespeita as medidas impostas pelos DPCM pode sofrer consequências, conforme artigo 650 do Código Penal Italiano: o não cumprimento de uma disposição estabelecida pelas autoridades, por razões de justiça ou segurança pública, ou ordem, ou higiene pública é passível de punição, com pena de prisão de até três meses, ou com multa de até 206 euros.

(Clique para acessar o Codice Penale Italiano.)

Além disso, se alguém possui sintomas do Coronavírus, ou foi diagnosticado com o vírus, e não respeitar a regra de permanecer isolado e sem contato com outras pessoas, pode ser punido com as penas do mesmo Código Penal, artigo 452, que trata dos crimes culposos contra a saúde pública. A punição máxima é a pena de reclusão de três a doze anos.    

Temos todos que fazer a “nossa parte”, respeitar regras e cumprir as leis!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Cuidado com a alienação fiduciária!

“Os riscos envolvendo as espécies contratuais destinadas à compra de bens imóveis e bens móveis, como automóveis, motocicletas, máquinas agrícolas, etc. São momentos únicos e cruciais”. Artigo do advogado Rodrigo Ribeiro Sirângelo.

Charge de Luiz Fernando Cazo - Blog do AFTM.com.br

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

 

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

“A PEC nº 333/17 foi aprovada na Comissão Especial do Senado, no plenário, nas Comissões da Câmara, mas dormita na gaveta da respectiva Presidência, há quase ano e meio. É que o poder de pautar a votação no plenário é monopólio de Rodrigo Maia”. Artigo de Roberto Livianu, promotor de justiça e presidente do Instituto Não Aceito a Corrupção.

Funcionamento da Justiça: ação coletiva em favor da cidadania

“O Poder Judiciário desempenha papel de primeira grandeza social, não podendo a prestação jurisdicional limitar-se apenas às medidas de urgência. Precisamos avançar”. Artigo de Rafael Braude Canterji, conselheiro federal da OAB pelo RS.

Advocacia engrandecida

“Uma singela homenagem ao quadro de brilhantes advogados de origem judaica que dignificaram a profissão, e que admirei nos meus 40 anos de atuação como servidor da Justiça gaúcha”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, ex-escrivão do 7º Cartório Cível de Porto Alegre.