Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
03 de abril de 2020.
https://espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

O home office que não deu certo



Arte EV sobre foto Google Imagens

Imagem da Matéria

Para prevenir a disseminação do coronavírus, famílias e empresas vêm adaptando suas rotinas. Em um escritório de advocacia capitaneado por um casal e seu filho, determinou-se que os colaboradores trabalhariam remotamente de suas residências, o famoso home office, enquanto perdurasse o risco de contágio.

O curioso é que todo o núcleo familiar residia sob o mesmo teto. Foi decidido, em reunião, que para não prejudicar o desempenho profissional, durante o horário de expediente, colocariam de lado a relação familiar e adotariam uma postura estritamente profissional, como se estivessem no escritório.

Na primeira manhã da quarentena, a mãe prepara um lauto breakfast para seus sócios-familiares:

- Aproveitem esse café da manhã reforçado, porque hoje o dia será puxado aqui nesse escritório, hihihi! – diz a matriarca, curtindo a brincadeira que, acreditava, ajudaria a aliviar o peso do confinamento.

Mas aquele momento lúdico estava para acabar. Minutos depois das 9h da manhã, mãe e filho chegam na sala e deparam-se com o patriarca diante do computador, de terno, gravata e gel no cabelo. Seus olhos agora fulminam o filho de pijama e pantufas, e a esposa com o cabelo desgrenhado:

- Isso é hora de chegar? A pauta está atolada, pessoal! Conto com a colaboração de vocês - interpela, duramente, o varão.

Ninguém fala nada, embora seja possível perceber marejarem-se os olhos da varoa. O jovem dá uma praguejada, mas senta-se rapidamente como que para compensar seu atraso. Mas o pai não parece satisfeito.

- Você vai trabalhar assim?

- Assim como? - indaga o neófito.

- Assim... de pantufas! De pijama! Não temos um dress code? E a dignidade da profissão? Tira uma foto assim pra carteira da OAB! Eles cancelam a tua inscrição na hora!

E ao som de gritos e xingamentos, o garoto traja sua indumentária e retorna para a sala, percebendo que sua mãe também aproveitara a oportunidade para paramentar-se. Tudo parecia entrar nos eixos quando o jovem pergunta:

- Mãe, o que você vai fazer para o almoço?

A mulher franze o cenho, para de digitar e engole em seco. Suas veias do pescoço tornam-se aparentes. É possível ouvir o trincar dos seus dentes. Em seguida, vem o desabafo:

- O que é isso? O rabo querendo balançar o cachorro? Você sabe que eu sou sócia fundadora desse escritório? Por que eu deveria fazer almoço pra você? Por que eu sou mulher?

A partir daí a coisa descamba e assim passam-se os dias da quarentena, até que é possível retomar o expediente no escritório propriamente dito.

A família de advogados dá, então, as boas-vindas de volta à sua equipe. Os colaboradores reparam que os sócios não se fitam nos olhos e que não falam entre si, externando flagrante animosidade.

Um estagiário, então, cochicha para outro:

- Não mudou nada...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre foto Freepik

Teoria da (Im)previsão

 

Teoria da (Im)previsão

Filha de um grande jurista já falecido, a advogada recém formada - buscando orientações sobre o rumo que deveria dar à sua carreira - procura uma cartomante. Recebe, então, a dica: “Convide 19 colegas e abra um escritório para ajuizar ações com base na cláusula rebus sic stantibus”.