Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 30 de junho de 2020.

No grupo de risco



Ilustração Revista Estante - Fnac Portugal

Imagem da Matéria

Por Zuenir Ventura, jornalista e escritor, 88 de idade.
(Já trabalhou como pintor, contínuo de banco, faxineiro e balconista)

Nunca pensei que um velhinho saudável e inofensivo pudesse ser considerado um risco à saúde pública só porque tem mais de 80 anos. E, pior, que devesse ser mantido afastado de todos, inclusive dos netos.

Sei que vocês vão dizer que isso não é nada diante do que ocorre, por exemplo, na Itália, onde idosos estão sendo abandonados à própria sorte, isto é, à morte, pois não há como tratar de todos. A taxa de letalidade do novo coronavírus é a mais alta entre os “vulneráveis”, 14,8%, enquanto é de 8% entre os de 70/79 anos.

Na China, 15% dos mais de 80 anos morreram.

Nem por isso subestimem a situação de um avô impedido de abraçar, beijar ou simplesmente de tocar seus netos, como é o meu caso. Quando a mãe e o pai tiveram a generosidade de vir morar aqui ao lado, no mesmo andar, porta com porta, era para que Alice e Eric permanecessem perto dos avós mais velhos (eles têm outros, mas novos). Além disso, sabiam que seríamos uma proteção a mais. Podiam sair à noite tranquilos para o cinema, porque as portas ficariam entreabertas, e Mary e eu estaríamos de olho.

Por outro lado, Alice, que hoje tem 10 anos, e Eric, 7, não demoraram a descobrir que o apartamento vizinho era o fascinante território da permissividade, onde podiam praticar os excessos que em casa não lhes permitiam, sobretudo em matéria de doces. É o mínimo que podemos oferecer em troca do prazer que recebemos. Aliás, costumo dizer que se soubesse que era tão bom ser avô teria pulado a etapa dos filhos.

Agora se discute se é mais perigoso deixar que as crianças frequentem a escola ou que permaneçam em casa aos cuidados dos avós. Depois de ouvir especialistas, a jornalista Ana Lucia Azevedo concluiu: “Há risco em deixar criança com avós, mas é melhor que ir à escola”.

Enfim, por mais doloroso que seja para nós, que diariamente abraçávamos e beijávamos Alice e Eric, temos que nos contentar com beijos e abraços à distância. E não consideramos “histeria” as medidas contra a pandemia.

Histérico é ... deixa para lá. É bom não mexer com quem não regula bem.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Cuidado com a alienação fiduciária!

“Os riscos envolvendo as espécies contratuais destinadas à compra de bens imóveis e bens móveis, como automóveis, motocicletas, máquinas agrícolas, etc. São momentos únicos e cruciais”. Artigo do advogado Rodrigo Ribeiro Sirângelo.

Charge de Luiz Fernando Cazo - Blog do AFTM.com.br

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

 

Foro privilegiado. O retorno. A fragilidade e insegurança do sistema

“A PEC nº 333/17 foi aprovada na Comissão Especial do Senado, no plenário, nas Comissões da Câmara, mas dormita na gaveta da respectiva Presidência, há quase ano e meio. É que o poder de pautar a votação no plenário é monopólio de Rodrigo Maia”. Artigo de Roberto Livianu, promotor de justiça e presidente do Instituto Não Aceito a Corrupção.

Funcionamento da Justiça: ação coletiva em favor da cidadania

“O Poder Judiciário desempenha papel de primeira grandeza social, não podendo a prestação jurisdicional limitar-se apenas às medidas de urgência. Precisamos avançar”. Artigo de Rafael Braude Canterji, conselheiro federal da OAB pelo RS.

Advocacia engrandecida

“Uma singela homenagem ao quadro de brilhantes advogados de origem judaica que dignificaram a profissão, e que admirei nos meus 40 anos de atuação como servidor da Justiça gaúcha”. Artigo de Sérgio Souza Araújo, ex-escrivão do 7º Cartório Cível de Porto Alegre.