Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
03 de abril de 2020.
https://espacovital.com.br/images/sem_tons_cinza_2.jpg

Confinar os negros em uma sala?



Visual Hunt

Imagem da Matéria

Todos nós aprendemos que entre a teoria e a prática há um abismo. Na década de oitenta houve uma intensa retomada dos movimentos sociais, fruto da redemocratização. Os movimentos estudantil, de moradores, e principalmente dos trabalhadores acumularam forças desde de meados dos anos setenta. Nesse período vieram a público entidades com uma trajetória política consolidada: UEE, UNE e CGT.

Alguns partidos lançados à clandestinidade, atuavam sob a inspiração de que a sociedade somente seria alterada se houvesse a chamada “aliança entre o campo e a cidade e operária estudantil”.

Isso levou aos sindicatos de trabalhadores um contingente de jovens estudantes de esquerda que se “profissionalizavam”. Ingressavam como empregados e, a partir daí, participavam dos sindicatos “por dentro”.

Em um congresso estadual de metalúrgicos, com a presença de delegados escolhidos nas fábricas, eram nítidos os sintomas da mudança. Havia a presença de metalúrgicos conhecidos, homens maduros, todos de um mesmo padrão e jovens também de um mesmo “modelo”. Como definiu o Brizola, certa feita, a um jornalista: “Barbudinhos de óculos redondos”.

Nas reuniões a participação tornava mais evidentes as diferenças. As retóricas de uns e de outras eram absolutamente distintas. Era “companheiro” para cá e para lá, “questão de ordem” permanente, etc.

Ao advogado que assessorava o evento a designação: “companheiro advogado”.

Era comum em poucas palavras o orador identificar-se como militante de esquerda: “... Temos que pontuar aspectos da realidade para contextualizar a nossa participação no sentido estratégico e não apenas tático.”

Os demais, os históricos como eram chamados, abordavam a legislação previdenciária, a salarial, a da assistência médica e o funcionamento da sede e das sub sedes do sindicato.

Sobe a tribuna um jovem com físico miúdo, cabelos encaracolados, cavanhaque, camiseta com o Che e óculos redondos como aqueles do Trotsky:

“Companheiros, as diferenças de condições exigem uma intervenção qualificada e também distinta. Temos em nossa categoria trabalhadores negros, mas não temos no sindicato uma política específica para eles. Assim, propomos a criação do Departamento do Metalúrgico Negro. Será um espaço adequado para tratar desses temas...

A reação do plenário foi de absoluto silêncio, revertendo a expectativa do jovem teórico. Após alguns segundos, vem ao microfone um metalúrgico já de idade avançada e tasca o verbo:

No ano em que o nosso sindicato completará 40 anos de vida, nunca esperei escutar algo como isso. O nosso sindicato sempre acolheu homens, mulheres, negros, pardos, brancos, casados, solteiros, viúvos, separados, etc. Todos sempre puderam circular pela sede sem qualquer limitação. Agora, vem a proposta de confinar os negros em uma sala, em um departamento...

A reação foi a de um demorado aplauso, enquanto o jovem teórico não escondia a sua decepção.

O militante apreendeu que a questão racial não está presente entre trabalhadores que independentemente dela enfrentam uma mesma realidade social. Também, que para as relações cujo objeto é a produção industrial, pouco importa a cor do empregado. O que interessa é a produtividade.

O jovem foi visto muitos anos depois, ocupando um cargo importante no Ministério do Trabalho.

No dizer gauchesco: ovelha não foi feita para mato.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre imagem Freepik

O motorista, a travesti e a testemunha

 

O motorista, a travesti e a testemunha

Advertida de que deveria dizer a verdade, a testemunha surpreende aos presentes na cena da audiência deprecada: “Recebemos o informe de que o caminhão de carga estava parado, cerca de meia hora, em um local suspeito, sem iluminação, no quilômetro 238 da BR. Imaginávamos que tivesse ocorrido um assalto. Mas...”

Arte EV sobre foto Camera Press

As esposas de Mohammed

 

As esposas de Mohammed

“Histórias da Justiça do Trabalho. Quem viveu na fronteira gaúcha sabe o significado de ´Vou nos turcos´- uma rua com lojas de migrantes palestinos, libaneses, iraquianos e jordanianos. Um rolo de diversas empresas que também atraíam jovens esposas. Num caso, elas chegaram a ser oito”.

Arte de Camila Adamoli

O flautista do rei

 

O flautista do rei

A voz de prisão contra um advogado, durante sessão de julgamentos do TRT da 4ª Região (RS), por “desacato às autoridades”. Reminiscências de uma ação trabalhista contra o Banrisul, em busca de diferenças resultantes da incorporação de um benefício.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

O beijo do professor e a formatura roubada

 

O beijo do professor e a formatura roubada

1.   Em síntese, o banheiro da faculdade seria, ou não, o local adequado para troca de beijos, independentemente da condição sexual de professores, alunos, funcionários e visitantes? 2. O mais chocante foi verificar, na colação de grau, que alguns integrantes da mesa aplaudiram em pé o inusitado. 

Arte EV sobre foto de Anoek de Groot

Histórias da mesa de audiências

 

Histórias da mesa de audiências

Roberto Siegmann – o colunista da Jus Vermelha, às sextas, passa a escrever também às terças, o espaço “Sem Tons de Cinza”. Para começar, ele rememora os tempos em que foi juiz do Trabalho e relata as surpresas de uma reclamatória trabalhista ajuizada por uma profissional da limpeza (ou seria do sexo?...) contra “Marilinda Bar, Dancing e Drink”.