Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

Coronavírus e o direito de convivência com os filhos



Arte EV sobre imagem Camera Press

Imagem da Matéria

Por Delma Silveira Ibias e Diego Oliveira da Silveira, advogados (OAB-RS nºs 25.657 e 62.251) dibias@outlook.com.br

O coronavírus começou na China e se espalhou pelo mundo, chegando ao Brasil em meados deste mês de março e a enfermidade mudou drasticamente a vida de todos. Somente os serviços essenciais são mantidos ativos, sendo suspensas as demais formas de convivência. E o Direito de Família não está adstrito a essa questão social e deve ser visto com a prudência nessa situação excepcional.

A mídia noticiou um caso em que foi pactuada a guarda compartilhada de uma filha; o pai reside em São Paulo e a mãe em Porto Alegre; estabeleceu-se a casa de moradia paterna e a convivência com a genitora a cada 15 dias.

Nos dias que antecederam o surto do vírus a filha estava convivendo com a mãe e a menina deveria retornar para a casa paterna. Mas, a criança estava apresentando sintomas e solicitou-se que ela ficasse na casa materna. Como não houve acordo, a genitora teve que requerer a manutenção da filha, com a intenção de prevenir que ela ficasse doente ou que contaminasse outras pessoas na viagem. Após vários requerimentos apresentados em Juízo foi autorizada a permanência da menina com a mãe.

Não há dúvidas de que as crianças, independentemente do tipo de guarda que estiver pactuada pelas partes ou determinada judicialmente, têm o direito de conviver com seus genitores. Mas, há a necessidade da redução dos riscos de contaminação do coronavírus e as pessoas não devem sair de casa. Logo, inviável a manutenção da convivência pessoal dos filhos com o outro genitor nesse período.

A suspensão da convivência pessoal neste momento social é o que tutela o melhor interesse dos filhos. Inclusive, para os pais que vivem em cidades diferentes, a convivência das crianças não pode ser presencial e devemos nos socorrer dos meios de comunicação virtual para permitir a coexistência de outra forma.

Basta acessar a internet ou nossos smartphones para ver a campanha “Fiquem em Casa”. Assim, seria ilógico que as crianças e os adolescentes tenham que sair de casa para a convivência com o outro genitor, somente, porque há uma determinação judicial.

Nós vivemos em uma época em que os meios de comunicação virtual fazem parte da rotina das pessoas, sendo muito comum a interação pelos aplicativos. Logo, devemos estabelecer uma limitação de convivência pessoal e a mesma é para atender o Princípio da Proteção Integral e não configura alienação parental, pois não se trata de uma conduta injustificada, mas sim uma necessidade social.

Nesta fase de exceção em que estamos vivendo, a forma de convivência pessoal dos filhos com seus pais deve ser substituída pela convivência por vídeo-conferência; nesta os genitores podem estabelecer contatos diários em diversos horários.

O Poder Judiciário está funcionando em regime de plantão e atendendo somente as questões estritamente urgentes. Assim, divergências sobre a convivência das crianças nesse período da pandemia do coronavírus devem ser resolvidas amigavelmente pelas partes. Na conjunção, a figura do(a) advogado(a) é indispensável para contribuir na solução dessa questão social e, somente, em última hipótese é que deve haver o ingresso de medidas judiciais.

Portanto, o(a) advogado(a) deve orientar seu cliente a viabilizar a convivência pelos meios de comunicação virtual nesse período da pandemia, evitando litígios e preservando os melhores interesses dos menores. Este período de ausência de convivência pessoal pode ser compensado com uma convivência mais intensa quando a vida social retornar ao normal.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.

Imagem Dicio.com.br

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

 

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

“A Associação Brasileira dos Advogados do Povo ´Gabriel Pimenta´ atua em prol aqueles que são molestados por exercer seu trabalho com independência e desassombro. E se constitui também como instância de produção intelectual e de ação concreta, dentro e fora dos tribunais”. Artigo dos advogados Henrique Júdice Magalhães (OAB-RS nº 72.676) e Felipe Nicolau do Carmo (OAB-MG nº 129.557 e OAB/ES nº 29.263).

Chargista Aroeira

O STF e o drama cósmico

 

O STF e o drama cósmico

“Entre erros e acertos, os ministros do STF, como ´jurisfilósofos´, têm deliberado sobre alguns ´astros´. Dos guardiões da Constituição, espera-se mais do que luz e revelação. Anseia-se por temperança”. Artigo do advogado Rafael Moreira Mota (OAB-DF nº 17.162)

Imagem Camera Press - Edição EV

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

 

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

Os empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Estadual, nos anos 80, para associados da AJURIS. “O valor à época permitia - a cada um dos tomadores - a aquisição de 19 fuscas novos, valor a ser pago em 120 meses, tudo sem correção monetária, em tempo de inflação de 80% ao mês”. Artigo de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, magistrado estadual aposentado e advogado (OAB-RS nº 31.349).