Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.

PGR pede ao STF que dinheiro das malas de Geddel seja usado no combate ao coronavírus



Foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

Geddel: ordem, progresso e R$ 54 milhões nas malas.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta quinta-feira (26) ao STF que o montante apreendido no "bunker" do ex-ministro Geddel Vieira Lima, cerca de R$ 54 milhões, seja usado na compra de equipamentos e materiais médicos para combater os efeitos da pandemia do coronavírus. O pedido foi enviado ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF.

“Como reconhecido no acórdão condenatório, tais valores são provenientes da prática de uma série de atos antecedentes de corrupção e de lavagem de dinheiro”, afirma Aras no pedido.

Segundo o procurador-geral, “tendo em vista a crise na saúde pública decorrente da pandemia vivenciada, o caráter fungível dos valores pecuniários apreendidos, bem como a orientação para o emprego de recursos obtidos a partir de condenações penais no combate à doença, vislumbra-se a possibilidade de se destinar, desde logo, os valores apreendidos no endereço vinculado aos réus para a aquisição de materiais e equipamentos médicos”.

A Polícia Federal descobriu as nove malas com o dinheiro em um apartamento em Salvador, em 5 de setembro de 2017.

De acordo com as investigações, o apartamento foi emprestado ao ex-ministro para que guardasse os pertences do seu pai, já falecido. Durante as investigações sobre Geddel, surgiu a suspeita de que ele estava usando o local para esconder provas de atos ilícitos e dinheiro em espécie.

Em outubro de 2019, Geddel, que está preso, foi condenado a 14 anos e 10 meses de cadeia pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Transformada em preventiva a prisão de juiz federal acusado de fraude

Órgão Especial do TRF da 3ª Região adotou a mesma medida em relação ao bacharel diretor de secretaria da 21ª Vara Federal de São Paulo. Dois advogados também foram presos. Vinte casos envolvendo pagamento de precatórios milionários estão sob investigação.

Câmara Federal

Ainda reflexos dos danosos esquemas na Petrobras

 

Ainda reflexos dos danosos esquemas na Petrobras

O ex-dentista e deputado federal Aníbal Gomes (DEM-CE) - foto acima - e um assessor são condenados pelo STF. Penas serão de 12 anos e 1 mês, e 6 anos e 11 meses, respectivamente. Crimes ocorreram em 2008 e viraram inquérito no Supremo somente em fevereiro de 2017.