Ir para o conteúdo principal

Edição Extra, interrompendo, em 11.1.2020, as férias da Equipe Espaço Vital
https://espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Um adultério diferente!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O ano é 2017. Numa das varas de família de capital da Região Sul tramita ação de divórcio litigioso. Na audiência de instrução, o juiz e a promotora, com habilidade, convencem os ex-cônjuges a que se conciliem processualmente e dissolvam o casamento. Fica então estabelecido verbalmente que não haverá qualquer referência a que a origem da separação tivesse sido a infidelidade masculina.

Patrimônio dividido, renúncia recíproca expressa a alimentos. Os filhos do ex-casal são maiores e capazes. Divórcio sacramentado. Mandados ao registro público expedidos.

Início de 2018, a surpresa: o ingresso de ação por dano moral em que a mulher pede que o ex-marido seja condenado a indenizar-lhe os danos morais, “porque durante a vigência do casamento manteve relacionamento com uma aeromoça de voos internacionais”. Os argumentos vêm acompanhados de ata notarial, com cópias de e-mails e diálogos on line trocados entre o homem e a aeronauta.

A ação indenizatória é contestada. Arrolados pela defesa do homem, até o magistrado e a promotora que atuaram na ação de divórcio depõem como informantes. Os dois dizem, em palavras aproximadas, “lembrar-se, sem minúcias, que o adultério masculino teria sido a causa do divórcio - mas que o detalhe não constara da assentada, por convenção entre as partes”.

Na sentença da ação indenizatória, julgada procedente, o magistrado fundamenta: “A comprovação da infidelidade atinge a honra subjetiva da cônjuge traída”.

O juiz também admite: “As mensagens trocadas entre o requerido e a ´terceira´ demonstram que eles possuíam um relacionamento íntimo. Mesmo que não comprovado o adultério na sua forma habitual do sexo carnal, a infidelidade virtual está demonstrada pela troca de fantasias eróticas de um(a) com a(o) outra(o), em nítido jogo sexual virtual”.

A sentença ainda conceitua que “a situação agrava-se quando o requerido conta à amásia/ou confidente que a então esposa seria uma pessoa ´fria´ na cama”. A indenização é fixada em R$ 20 mil.

Em fevereiro de 2020, poucos dias antes do boom do coronavírus, o tribunal estadual reforma a sentença e nega a indenização moral. Os três votos dão realce ao “punctum dolens - ponto difícil e sério - abordado nos pertinentes depoimentos do juiz e da promotora”. Em outras palavras: o adultério carnal e/ou virtual é carta fora do baralho jurídico.

O cidadão (adúltero, ou não) só está esperando a normalização do tráfego aéreo internacional para viajar: vai afinal encontrar-se, ao vivo e em cores, com a aeromoça que reside em Miami.

De lá ela tem enviado repetidas mensagens, via Whatsapp: “Come here”...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Ilustração de Gerson Kauer

O Benedito que não existia

 

O Benedito que não existia

Sabe onde o diabo perdeu as botas? Pois é... Benedito nasceu ali pertinho. O pai, mal conheceu. Da mãe, tinha lembrança nenhuma. Não foi registrado, também não foi batizado e nunca estudou em escola. Mas tinha o permanente sorriso de um dente só. Como sanfoneiro, alegrava as noites escuras e serenas do longínquo distrito onde morava.

Ilustração de Gerson Kauer

“Faz-quase-tudo”

 

“Faz-quase-tudo”

Nas duas empresas coligadas - uma produtora de vídeo & uma corretora de seguros - a secretária era obrigada a assistir e palpitar sobre cenas previamente gravadas em motéis e montagens de vídeos pornôs. “Era um abuso, doutor!” - desabafou a trabalhadora, em seu depoimento na audiência da ação trabalhista.

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Confusões no gravador

 

Confusões no gravador

O estupro de Mariana Ferrer - que virou celeuma pelos atropelos verbais durante a audiência em Florianópolis  - trouxe à baila um anterior acontecimento envolvendo outro jovem magistrado. Este - recém concursado e chegado na comarca interiorana - deparou-se com a ação penal de um suposto estupro. Envolvia o filho de rico empresário da cidade e uma linda modelo. Aproveite para ver e ouvir “Anos Dourados”, versos de Jobim, na voz de Gal Costa.