Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

A advocacia empresarial e a pandemia



Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google

Imagem da Matéria

Por Daniela Kraide Fischer, advogada (OAB-RS nº 55.347), supervisora jurídico administrativa de Andrade Maia Advogados.
fischer_dk@hotmail.com

Houve um tempo em que a advocacia empresarial de sucesso estava baseada em bons relacionamentos, na articulação verbal e escrita e na capacidade de bem interpretar e aplicar legislação e jurisprudência. Então muitos advogados se desenvolveram e se tornaram brilhantes profissionais, capazes de atender e superar as expectativas de seus clientes.

Nesse momento, para escolher entre os advogados brilhantes disponíveis no mercado, o cliente impôs outros requisitos – honorários que não pesassem no orçamento das empresas e atuação em larga escala. Então muitos advogados brilhantes se organizaram em bancas, dividiram estruturas, delegaram tarefas e conseguiram oferecer serviços de altíssima qualidade para um grande número de processos e por honorários mais atrativos.

Mas o cliente não se deu por vencido. Para escolher entre os advogados brilhantes capazes de atender muitos casos praticando honorários atrativos – e também para enxugar suas estruturas internas e reduzir custos – passou a delegar aos advogados atividades de suas equipes jurídicas (cadastro de ações, alimentação de sistemas, contingenciamento e etc.).

Simultaneamente, como se não bastasse, o Judiciário entrou na onda da tecnologia e também delegou aos escritórios atividades como geração de guias, distribuição e protocolo de ações, intimações, etc. Então os advogados brilhantes reorganizaram suas estruturas e demandaram tecnologia, logística e gestão especializada para continuar entregando uma advocacia brilhante em larga escala com honorários atrativos e, ainda, atender a nova demanda operacional dos clientes e as novas exigências do Judiciário.

Até o início deste março a advocacia empresarial brasileira estava nesta página, desenvolvendo parcerias com empresas de tecnologia, buscando inovação, pensando fora da caixa... Tudo para aliar a advocacia brilhante de volume a operações administrativas ágeis e seguras, e ainda com honorários atrativos!

Então chegou o coronavírus e trouxe desafios que poucos imaginavam e que se fizeram presentes da noite para o dia. O Judiciário bombardeou a advocacia com atos, resoluções e portarias de toda a ordem, suspendendo isso, mantendo aquilo - cada Estado com uma regra para cada esfera judicial...

O Executivo metralhou a sociedade com decretos e medidas provisórias que mudam a cada dia e ressignificam desde os mais simples princípios da vida em sociedade até as relações contratuais mais importantes para o desenvolvimento econômico.

Os clientes demandaram análises e soluções jurídicas ágeis para os problemas que vieram com a pandemia e o estado de calamidade.

Enquanto tudo isso acontecia, os advogados brilhantes foram para casa.

E com eles também foram para suas respectivas casas os integrantes das operações ágeis e seguras que mantém todos os serviços jurídico-administrativos necessários para atender as exigências do Judiciário e dos clientes, permitindo que os advogados tenham tempo e espaço para continuar sendo brilhantes.

Mas, e os prazos? E os clientes? Acredite, muito embora os prazos e audiências estejam suspensos, o Judiciário deste país não parou, as demandas dos clientes não pararam e a sociedade precisa dos advogados brilhantes para interpretar a infinidade de novas regras que surgem a cada dia.

O isolamento social poderia ter sido o fim da advocacia empresarial, mas não foi, e não será. Quando faltaram o burburinho e o movimento que permeiam o dia-a-dia dos grandes escritórios, eles souberam responder de forma rápida. Contando com equipes eficientes e focadas, se socorreram na tecnologia, nos planos de gestão de crise e na organização das estruturas jurídico-administrativas para seguir em frente!

E seguiram prestando serviços jurídicos de alta qualidade, em grande escala, abarcando atividades administrativas de toda a ordem e com custo competitivo. De portas fechadas, mas seguiram.

Novos tempos, novos desafios.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.

Imagem Dicio.com.br

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

 

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

“A Associação Brasileira dos Advogados do Povo ´Gabriel Pimenta´ atua em prol aqueles que são molestados por exercer seu trabalho com independência e desassombro. E se constitui também como instância de produção intelectual e de ação concreta, dentro e fora dos tribunais”. Artigo dos advogados Henrique Júdice Magalhães (OAB-RS nº 72.676) e Felipe Nicolau do Carmo (OAB-MG nº 129.557 e OAB/ES nº 29.263).

Chargista Aroeira

O STF e o drama cósmico

 

O STF e o drama cósmico

“Entre erros e acertos, os ministros do STF, como ´jurisfilósofos´, têm deliberado sobre alguns ´astros´. Dos guardiões da Constituição, espera-se mais do que luz e revelação. Anseia-se por temperança”. Artigo do advogado Rafael Moreira Mota (OAB-DF nº 17.162)

Imagem Camera Press - Edição EV

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

 

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

Os empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Estadual, nos anos 80, para associados da AJURIS. “O valor à época permitia - a cada um dos tomadores - a aquisição de 19 fuscas novos, valor a ser pago em 120 meses, tudo sem correção monetária, em tempo de inflação de 80% ao mês”. Artigo de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, magistrado estadual aposentado e advogado (OAB-RS nº 31.349).