Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

O velho Malthus



Arte EV sobre foto Getty Images

Imagem da Matéria

Por José Carlos Teixeira Giorgis, desembargador aposentado do TJRS

O isolamento social destes dias desperta lição de passado magistério em que o noviço tartamudeava lições sobre as doutrinas econômicas. E, como se o neurônio trovejasse, logo cintila no palco a lembrança da teoria maltusiana.

Em tempos de iluminismo o clérigo Thomas Robert Malthus, observando descompasso na época (1798) entre a existência de alimentos e a taxa dos nascidos, constata que a população cresce em progressão geométrica, enquanto a quantidade dos primeiros aumenta apenas em progressão aritmética.

O desequilíbrio levaria ao colapso em vista do crescimento sem freios dos povos e a oferta possível de mantimentos.

Anote-se que o escritor se baseava em momentos da Revolução Industrial, em que começavam a melhorar as condições sanitárias e a significativa produção de insumos agrícolas.

O desastre ainda não se dera, segundo ele, porque determinados acontecimentos como as guerras, as pestes e as doenças se encarregavam de defenestrar os excessos da balança, mantendo sob controle a estabilidade vital.

Malthus propugna medidas para a solução do problema: retardar-se ao casamento; incentivar a castidade; e aconselhar o casal a ter apenas os filhos que pudessem sustentar.

Atualmente a melhoria das condições sanitárias e as políticas de saúde, o progresso da medicina, as campanhas de controle da natalidade desmerecem alguns postulados do religioso britânico.

Todavia, quando se está incluído em grupos de risco e se procura observar as severas regras de salvação contra a supremacia do vírus, fica-se a lamentar a conduta de alguns que têm uma “visão maltusiana” a respeito dos idosos, considerando-os, talvez inconscientemente, como o grupo que deve desaparecer para que se mantenha o “padrão eugênico” da raça; ou porque já estão, tecnicamente, nas vizinhanças da eternidade.

Não se desconheça, ainda, que não se chegou ao momento da seleção de leitos e dos aparelhos raros, onde a equipe dos provectos já entra perdendo de goleada, pois a regra é clara: primeiro os outros.

É o ressurgimento do velho darwinismo. Agora, bioético.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.

Imagem Dicio.com.br

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

 

O apoio a profissionais do Direito perseguidos

“A Associação Brasileira dos Advogados do Povo ´Gabriel Pimenta´ atua em prol aqueles que são molestados por exercer seu trabalho com independência e desassombro. E se constitui também como instância de produção intelectual e de ação concreta, dentro e fora dos tribunais”. Artigo dos advogados Henrique Júdice Magalhães (OAB-RS nº 72.676) e Felipe Nicolau do Carmo (OAB-MG nº 129.557 e OAB/ES nº 29.263).

Chargista Aroeira

O STF e o drama cósmico

 

O STF e o drama cósmico

“Entre erros e acertos, os ministros do STF, como ´jurisfilósofos´, têm deliberado sobre alguns ´astros´. Dos guardiões da Constituição, espera-se mais do que luz e revelação. Anseia-se por temperança”. Artigo do advogado Rafael Moreira Mota (OAB-DF nº 17.162)

Imagem Camera Press - Edição EV

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

 

A cobiça e o mau uso dos depósitos judiciais

Os empréstimos concedidos pela Caixa Econômica Estadual, nos anos 80, para associados da AJURIS. “O valor à época permitia - a cada um dos tomadores - a aquisição de 19 fuscas novos, valor a ser pago em 120 meses, tudo sem correção monetária, em tempo de inflação de 80% ao mês”. Artigo de Luiz Francisco Corrêa Barbosa, magistrado estadual aposentado e advogado (OAB-RS nº 31.349).